anuncie aqui
Notícias recentes
Colesterol no cérebro está associado a surgimento da doença de Alzheimer, diz estudo

Colesterol no cérebro está associado a surgimento da doença de Alzheimer, diz estudo

access_time08/05/2018 14:39

Um estudo liderado pela Universidade de Cambridge, no Reino Unido, mostra que o colesterol também te

Sem acordo de atualização salarial servidores da saúde paralisam em Peixoto de Azevedo

Sem acordo de atualização salarial servidores da saúde paralisam em Peixoto de Azevedo

access_time12/06/2018 10:07

A confirmação foi feita pelo Presidente do PCCV da Saúde Juriceí que afirmou que após reunião realiz

EUA anunciam saída do Conselho de Direitos Humanos da ONU

EUA anunciam saída do Conselho de Direitos Humanos da ONU

access_time19/06/2018 18:44

Os Estados Unidos se retiraram do Conselho de Direitos Humanos da ONU nesta terça-feira, depois que

NEGÓCIOS

Total de domicílios alugados no Brasil cresce 5,3% em um ano

access_time22/05/2019 10:02

Dos 71 milhões de domicílios existentes no Brasil em 2018, 12,9 milhões eram alugados. Os números, que revelam um aumento de 5,3% na comparação com 2017, constam da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua). Divulgada hoje (22), no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), ela reúne informações relacionadas a características gerais dos domicílios e moradores de todas as regiões do Brasil no ano de 2018 e compara os resultados com os de anos anteriores. Entre 2017 e 2018, o aumento de residências alugadas foi observado em todo o país. A elevação mais expressiva foi de 5,8% na região Sudeste. Atualmente, 20,5% de todos os domicílios situados em São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Espírito Santo são alugados. Embora tenha tido registrado um avanço proporcionalmente menor em relação a 2017, o Centro-Oeste permaneceu como a região com o maior percentual de residências alugadas. Estão nesta situação 22,9% do total. A quantidade de domicílios próprios, quitados ou ainda em pagamento, também cresceu em números absolutos entre 2017 e 2018. Casas próprias No entanto, houve leve queda proporcional no período. Em 2017, dos 69,5 milhões de domicílios, 51 milhões eram próprios, o que representa 73,3%. Já em 2018, as residências próprias eram 51,5 milhões das 71 milhões existentes, isto é, 72,5%. A pesquisa do IBGE revela ainda que, em 2018, 31 milhões dos domicílios estavam situados no Sudeste, 18,5 milhões no Nordeste, 10,7 milhões no Sul, 5,5 milhões no Centro-Oeste e 5,3 milhões no Norte. Na comparação com 2017, o maior aumento proporcional ocorreu no Norte, onde houve crescimento de 3,1% do total de residências. Em números absolutos, a expansão mais significativa se deu no Sudeste, com 762 mil novos domicílios. O levantamento também apresenta um recorte em relação ao tipo das residências no país. Casas representam 86% e apartamentos 13,8%. O restante (0,2%) reúne habitações coletivas como cortiços ou cabeças de porco. O número de apartamentos, após uma redução de 3,1% de 2016 para 2017, acusou crescimento de 7,1% em 2018. A pesquisa mostrou que, nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste, o percentual de casas supera a média nacional: 92,7%, 90,9% e 89,0%, respectivamente. Por outro lado, o Sudeste e o Sul registram respectivamente 18,4% e 14,3% de apartamentos. Ambas as regiões estão acima dos 13,8% observados no país. Amostra De acordo com o IBGE, os pesquisadores visitaram 168 mil domicílios. Além das características dos endereços, a Pnad Contínua investiga a composição populacional em termos de sexo, idade e raça, possibilitando análises em torno dos traços sociais e demográficos do país e dos aspectos do mercado de trabalho. São publicados ainda relatórios mensais e trimestrais com informações conjunturais relacionadas à força de trabalho e suplementos com periodicidade variada que abordam outros temas pesquisados, como educação e imigração. *Texto alterado às 10h52 para correção de título

Presidente de associação diz que governo de MT tem que ser 'criativo' e aumentar incentivos fiscais para aumentar arrecadação

access_time21/05/2019 09:06

A presidente da Associação das Empresas do Distrito Industrial de Cuiabá (Aedic), Margareth Buzetti, foi entrevistada no quadro Papo das Seis desta terça-feira (21) no Bom dia Mato Grosso. O Distrito Industrial de Cuiabá tem 260 empresas instaladas. Ela cobrou investimentos em incentivos fiscais para poder atrair mais empresas ao estado e, consequentemente, gerar mais empregos. “O governo tem que ser criativo. Ele não vai aumentar a base de arrecadação aumentando os impostos. Se você aumentar os impostos, vai gerar mais custos ao consumidor. Para aumentar sua base de arrecadação tem que atrair investimentos”, declarou. Buzetti citou uma empresa em Cuiabá que exporta pão de queijo para a China. “É fantástico. Direto de Cuiabá para a China. Um produto pronto. Ela agrega valor ao produto e manda para fora. É uma indústria que traz o produto de fora, transforma em Cuiabá e leva para os grandes centros, que são os mercados consumidores. Se ela não tiver incentivo, ela não sobrevive em Cuiabá. O governo tem a consciência disso”, criticou. A presidente diz que a política de investimento do Programa de Desenvolvimento Industrial e Comercial de Mato Grosso (Prodeic) ajuda as empresas. “Como você corta incentivo e atrai indústria? Nós estamos longe do mercado consumidor, não temos logística e sem política de incentivos fiscais você fica como?”, criticou.

Casos de Chikungunya caem 90% em MT, segundo SES

access_time21/05/2019 09:04

De acordo com o boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria Estadual de Saúde (SES), nesta segunda-feira (20), os casos de Chikungunya, em Mato Grosso, tiveram redução de 97%. Ainda de acordo com o levantamento, de janeiro a maio deste ano, 376 casos foram notificados, enquanto que no mesmo período do ano passado, foram 13 mil. Com relação à Zika, o boletim também aponta redução de notificações, entre 2019 e 2018. Nos primeiros cinco meses desde ano foram 136, enquanto que no ano passado foram 870. Entretanto, com relação à dengue, os números permanecem praticamente os mesmos. Até o dia 11 de maio, foram registrados 6.843 casos, contra 6.867, no mesmo período de 2018. As cidades com mais registros das três doenças neste ano foram Cuiabá, Sinop e Rondonópolis.

Talude do complexo do Gongo Soco pode se romper até dia 25, diz ANM

access_time21/05/2019 08:48

A Agência Nacional de Mineração (ANM) informou hoje (20), que o rompimento do talude do complexo da Mina de Gongo Soco, da Vale, no município de Barão de Cocais (MG), deve acontecer até o próximo sábado (25). A barragem é do mesmo tipo da que se rompeu em Brumadinho, em 25 de janeiro. Segundo a agência, que interditou o complexo na última sexta-feira (17), o talude norte da cava de Gongo Soco estava se deslocando 10 centímetros (cm) por ano desde 2012, um deslocamento aceitável dada a dimensão da estrutura. "Mas, desde o fim de abril, a velocidade do deslocamento aumentou para 5 cm por dia e, se esta aceleração continuar, o rompimento do talude pode acontecer entre os dias 19 e 25 de maio", alertou a assessoria da ANM em nota publicada nesta segunda-feira (20). De acordo com a assessoria da ANM, dados da agência já indicam que, desde ontem (19), a velocidade de deslocamento do talude já havia chegado a 7 cm por dia. A ANM já havia notificado a Vale e determinado que a empresa tomasse uma série de providências emergenciais, entre elas a “suspensão imediata do tráfego do trem de passageiros no trecho do viaduto localizado a jusante [fluxo normal da água de um ponto mais alto para um ponto mais baixo] da cava; monitoramento por vídeo em tempo real das barragens e também a apresentação de estudo de comportamento da possível onda gerada pelo rompimento do talude norte. Desde 2016, a cava e todas as obras já estavam paralisadas. Segundo a ANM, o risco de rompimento é do talude da cava e não da barragem, que fica a 1,5 quilômetro (km) de distância da cava. A agência disse que a preocupação é que a vibração gerada pelo rompimento do talude influencie na segurança da barragem Sul Superior. A barragem Sul Superior é uma das mais de 30 estruturas da Vale que foram interditadas após a tragédia de Brumadinho (MG), ocorrida em 25 de janeiro. Em diversos casos, a interdição foi acompanhada da evacuação das zonas de autossalvamento, isto é, aquelas áreas que seriam alagadas em menos de 30 minutos ou que estão situadas a uma distância de menos de 10 quilômetros. Atualmente, mais de mil pessoas estão fora de suas casas em todo o estado. Barão de Cocais Barão de Cocais é o município com o maior número de casas evacuadas. A evacuação teve início no dia 8 de fevereiro quando a barragem Sul Superior atingiu o nível 2 e as famílias foram levadas para quartos de pousadas e hotéis custeados pela Vale. Em 22 de março, a barragem Sul Superior se tornou a primeira a atingir o nível 3, que é considerado o alerta máximo e significa risco iminente de rompimento. Desde a tragédia de Brumadinho, quatro barragens da Vale, em Minas Gerais, alcançaram esse alerta máximo. De acordo com a Defesa Civil de Minas Gerais, 443 moradores da zona de autossalvamento deixaram suas residências. No dia 25 de março, um treinamento envolveu mais de 3,6 mil pessoas que vivem em áreas secundárias que seriam atingidas. Um novo simulado foi realizado neste sábado (18). Recomendações Com a iminente ruptura do talude da cava, o Ministério Público de Minas Gerais recomendou na semana passada que a Vale comunique, por meio de carros de som, jornais e rádios, informações claras, completas e verídicas sobre a atual condição estrutural da Barragem Sul Superior. Também orientou o fornecimento de apoio logístico, psicológico, médico para moradores de Barão de Cocais e das vizinhas Santa Bárbara e São Gonçalo do Rio Abaixo.

Cartão do Caminhoneiro entra em vigor no dia 20 de maio

access_time17/05/2019 08:50

O presidente Jair Bolsonaro e o ministro das Minas e Energia, Bento Albuquerque, confirmaram hoje (16) que o Cartão do Caminhoneiro, criado pela Petrobras, entrará em testes a partir do dia 20 de maio. A medida, que havia sido anunciado mais cedo pela estatal, foi um dos assuntos desta quinta-feira durante a transmissão semanal ao vivo do presidente em sua página oficial no Facebook.  A live foi realizada diretamente do hotel onde Bolsonaro está hospedado em Dallas, nos Estados Unidos, onde ele cumpriu agenda de dois dias. Além do ministro Bento Albuquerque, o presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, também participou da transmissão, que durou 30 minutos. A operação com o Cartão do Caminhoneiro começará em caráter de teste em três estados a partir da próxima segunda-feira: Paraná, São Paulo e Rio de Janeiro. Nos demais estados, a previsão é que o serviço comece a operar no dia 25 de junho.  "Cartão esse que possibilitará mais segurança, facilidade e flexibilidade e garantir o preço do combustível, na forma de um cartão pré-pago, por até 30 dias. Se o preço subir, o caminhoneiro vai ter a garantia do preço do diesel e, se o preço cair, ele pode pegar o dinheiro do cartão pré-pago e comprar mais combustível e assim utilizá-lo", explicou Bento Albuquerque.   Além dos autônomos, o Cartão do Caminhoneiro Petrobras será disponibilizado para transportadores e embarcadores. A solução funcionará como cartão pré-pago na compra de diesel, em postos com a bandeira Petrobras nos principais corredores rodoviários do país. Funcionamento Segundo a Petrobras, durante o período de testes, os caminhoneiros poderão realizar um pré-cadastramento pelo site www.cartaodocaminhoneiro.com.br e utilizar o serviço de forma segura. Após o lançamento definitivo, o cadastro poderá ser feito também via aplicativo, call center ou presencialmente, em locais a serem divulgados. Feito o cadastro, o caminhoneiro poderá transferir valores para seu cartão e fazer a conversão dos valores para litros de óleo diesel, que podem ser utilizados em até 30 dias na rede de postos Petrobras credenciada.  "O Cartão do Caminhoneiro Petrobras também é uma conta digital, permitindo que as transações sejam realizadas sem a presença do cartão físico, por meio do site e do aplicativo. Os valores em reais para conversão em litros de diesel estarão sempre disponíveis no site, no aplicativo e nos postos credenciados. O crédito em litros de diesel também pode ser revertido, a qualquer tempo, para reais, dentro dos 30 dias, descontando-se uma taxa cujo valor será previamente informado aos usuários", informou a estatal, em nota. Sobre o preço do combustível, Bolsonaro disse tratar-se de uma política da Petrobras, baseado na variação cambial e no preço internacional do barril de petróleo, mas que poderia ser revista, caso se mostre "equivocada". "Lógico que se a gente puder rever isso aí sem prejuízo da empresa, não tem problema nenhum. Às vezes a política pode ter algum equívoco", disse.  O ministro das Minas e Energia defendeu que os preços vão cair se for ampliada a produção de combustível no país.   Validade da CNH Jair Bolsonaro voltou a defender a ampliação da validade da Carteira Nacional de Habilitação de cinco para 10 anos e o aumento do limite máximo de pontos por infrações na carteira, de 20 para 40. Segundo ele, o assunto será discutido na semana que vem com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, para saber se será editada uma medida provisória (MP) ou enviado um projeto de lei propondo as alterações. Se for por meio de MP, as mudanças terão validade imediata.   O presidente ainda defendeu que os motoristas multados no trânsito sejam punidos apenas com pontos ou em valor pecuniário. As duas sanções juntas, como ocorre hoje, é injusta, na visão de Bolsonaro.  "Não pode ser punido duas vezes pela mesma infração. Ou você tem a punição pecuniária, o dinheiro, ou você tem o ponto na carteira. Estamos estudando para ver se acabamos de vez com a indústria da multa que existe no Brasil", disse. MP 870 Ainda durante a live, Bolsonaro disse que a Medida Provisória (MP) nº 870, que definiu a estrutura de seu governo, deve ser votada na semana que vem na Câmara dos Deputados. Ele voltou a dizer que espera que o texto seja mantido na íntegra.  Na semana passada, a comissão especia que analisa a matéria introduziu modificações no texto, como a que retira o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) do Ministério da Justiça e Segurança Pública para transferi-lo ao Ministério da Economia. Depois, a MP ainda precisa passar pelo Senado. "A gente espera que ela seja aprovada sem alterações. Se tiver, é responsabilidade e um direito do Paramento. O Parlamento é soberano para alterar ou não. E o que for feito nós respeitaremos no lado de cá", disse.  A comitiva presidencial embarca na noite desta quinta-feira de volta para Brasília, onde devem chegar amanhã (17) pela manhã. Mais cedo, Bolsonaro foi homenageado pela Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos, em Dallas.

Estudantes têm até hoje para se inscrever no Enem 2019

access_time17/05/2019 08:48

Hoje (17) é o último dia para os estudantes se inscreverem no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) deste ano. As inscrições podem ser feitas pela internet, na Página do Participante, até as 23h59. A dica do Ministério da Educação é não deixar para se inscrever na última hora, pois são comuns os picos de acesso ao sistema de inscrição nos últimos minutos. Também termina hoje o prazo para solicitar atendimento especializado e específico e para alterar dados cadastrais, município de provas e opção de língua estrangeira. No dia 22 será divulgado o resultado do pedido de atendimento especializado e específico. Taxa de Inscrição A taxa de inscrição para o Enem é de R$ 85. Quem não tem isenção deve fazer o pagamento, até o dia 23 de maio, em agências bancárias, casas lotéricas e Correios. Provas O Enem será aplicado em dois domingos, nos dias 3 e 10 de novembro. No primeiro dia de prova, os participantes responderão a questões de linguagens e ciências humanas e farão a prova de redação. Para isso, terão 5 horas e 30 minutos. No segundo dia, os estudantes terão 5 horas para resolver as provas de ciências da natureza e matemática. Os gabaritos das provas serão divulgados até o dia 13 de novembro. O resultado sairá em data a ser divulgada posteriormente. As notas do Enem podem ser usadas para ingressar em instituição pública pelo Sistema de Seleção Unificada (Sisu), para obter bolsas de estudo em instituições particulares de ensino superior pelo Programa Universidade para Todos (ProUni) e para obter financiamento pelo Fundo de Financiamento Estudantil (Fies).

Acordo do MP e Mineradora proporciona novos equipamentos para o Hospital Regional

access_time16/05/2019 09:04

Continua a parceria do Ministério Público com Hospital Regional de Peixoto de Azevedo que vem recebendo investimentos para reforma geral e aquisição de novos equipamentos. Desta vez um acordo judicial com uma mineradora que explora áreas em Peixoto de Azevedo proporcionou o direcionamento de um valor de R$ 500.000,00 (quinhentos mil reais) em equipamentos para o Hospital Regional de Peixoto de Azevedo. Nesta quarta-feira (15) aconteceu a entrega pela mineradora dos dois primeiros equipamentos referentes a este acordo com o MP, uma mesa para partos e um aparelho marca passo provisório. Participaram do ato o Promotor Dr. Marcelo Montovani que recebeu oficialmente os equipamentos e entregou a Diretora do Hospital Regional Veroni Pansera, Dr. Evandro Juarez Rodrigues, Juiz de Direito de Peixoto de Azevedo, Prefeito Maurício Ferreira e Primeira Dama Marisete de Souza, Secretário de Governo Sidney de Paula, Representantes da Mineradora, Médicos e Servidores do Hospital Regional. Esta já é a terceira ação do Ministério Público em prol do Hospital Regional, sendo uma com recursos para as obras, uma segunda de equipamentos e esta terceira demais equipamentos para a Unidade Hospitalar. Segundo o Prefeito e Presidente do Consórcio Intermunicipal de Saúde Maurício Ferreira o município de Peixoto de Azevedo já investiu também cerca de R$ 1.600.000,00 (um milhão e seiscentos mil reais) na reforma do Hospital Regional. O Hospital Regional de Peixoto de Azevedo continua em obras e vem recebendo investimentos para reforma geral e aquisição de novos equipamentos oriundos do Ministério Público Estadual, Governo do Estado e Prefeitura Municipal de Peixoto de Azevedo.

Atenção contribuintes já está valendo no município o REFIS 2019

access_time15/05/2019 09:06

Não perca a oportunidade de quitar seus débitos fiscais junto a Prefeitura Municipal de Peixoto de Azevedo, procure o Departamento Municipal de Tributação e faça já a adesão ao REFIS 2019 que oferece ao contribuinte pessoa física ou jurídica até 90% de desconto nos juros e multas dos débitos relativos a tributos municipais inscritos na dívida ativa até o exercício de 2018. O REFIS (PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO FISCAL) busca dar a oportunidade para o contribuinte fazer a sua regularização de débitos fiscais, pessoa física ou jurídica, relativos ao IPTU, ISSQN, Alvarás e taxas. O Departamento Municipal de Tributação fica localizado na Avenida Rotary Internacional, paralela da BR-163 no prédio do antigo Cartório e atende das 07h às 11h e das 13h às 17h de segunda-feira à sexta-feira. O prazo final do REFIS 2019 é 31 de maio, aproveite o desconto de até 90% de desconto nos juros e multas, para não pagar mais caro depois. Você paga seus impostos e a administração municipal investe em melhorias e assim juntos fazem a cidade crescer.

Parlamentares do Alabama aprovam lei que proíbe aborto mesmo em casos de estupro

access_time15/05/2019 08:43

O Senado do Alabama, nos Estados Unidos, aprovou nesta terça-feira (14) uma lei que proíbe o aborto em praticamente todos os casos, inclusive estupro e incesto. A única exceção seria para situações em que a mãe tem risco de morrer durante a gravidez. O texto prevê que a mulher que aborta não seria penalmente responsabilizada. No entanto, o médico ou a pessoa responsável por fazer o procedimento poderá ser condenada de 10 a 99 anos de prisão. Para entrar em vigor, o texto precisa da assinatura da governadora do estado, Kay Ivey. Ela é do Partido Republicano, o mesmo do presidente Donald Trump – que tem posições contrárias ao aborto. Ivey tem seis dias para sancionar a lei. Apesar de não ter se posicionado publicamente sobre o texto, há a expectativa de que ela o aprove. Segundo a agência Reuters, a governadora também é contrária ao aborto. O texto entra em vigor em seis meses após a sanção. Além do Senado, a Câmara dos Representantes do Alabama já havia aprovado a lei. Diferentemente do Brasil, os estados norte-americanos têm duas casas – e não só uma, como as assembleias legislativas estaduais brasileiras. Pressão sobre Suprema Corte Ativistas e grupos favoráveis à flexibilização do direito ao aborto devem entrar com representação na Suprema Corte para barrar a lei. Eles argumentam que o tribunal deve considerá-la inconstitucional com base na jurisprudência do caso Roe v. Wade. O caso, julgado em 1973, abriu precedente para a descriminalização do aborto nos Estados Unidos até que o feto esteja suficientemente desenvolvido para viver do lado de fora do útero. Após a eleição de Trump, em 2016, políticos e ativistas religiosos e conservadores pressionam a Suprema Corte para reverter a decisão. Eles acreditam que, com a nomeação dos juízes Neil Gorsuch e Brett Kavanaugh pelo presidente – que fez campanha contra o aborto – mude o quadro. Lei do batimento cardíaco A proposta aprovada no Alabama é ainda mais dura do que os textos aprovados em quatro estados, a chamada "lei do batimento cardíaco". Nesses casos, os parlamentares aprovaram a proibição do aborto até a detecção da atividade cardíaca, o que normalmente ocorre já na sexta semana de gestação. A lei é considerada uma das mais restritivas ao aborto nos Estados Unidos porque, muitas vezes, a mulher sequer sabe que está grávida na sexta semana. O último estado a aprovar essa proposta foi a Geórgia. Além dela, os estados de Mississippi, Kentucky e Ohio aprovaram leis semelhantes. Congressistas do Tennessee, Missouri, Carolina do Sul, Flórida, Texas, Louisiana e Virgínia Ocidental também debatem essa legislação.

Vice-presidente Mourão quer fortalecer cooperação com a China

access_time15/05/2019 08:39

Em entrevista ao programa Brasil em Pauta, da TV Brasil, o vice-presidente da República, Hamilton Mourão, falou sobre temas como relações internacionais, reforma da Previdência e desenvolvimento da economia. O vice-presidente destacou que o Brasil pode fortalecer o comércio internacional a partir da disputa entre China e Estados Unidos. Mourão embarca nesta semana para o país asiático, onde participa da quinta edição da reunião da Comissão Sino-Brasileira de Alto Nível de Concertação e Cooperação (Cosban), no dia 23 de maio, em Pequim. Ele também será recebido pelo presidente chinês Xi Jinping. “O Brasil tem que saber aproveitar o melhor nesse momento. Tem que se posicionar. Temos ligação com os Estados Unidos da origem da nossa independência [em 1822]. Os Estados Unidos foram os primeiros a nos reconhecer, sempre foram o campeão da democracia e defensor da liberdade. E o nosso governo, o governo do presidente Bolsonaro, tem um foco e uma colocação muito clara em relação a essas políticas que a democracia americana representa. Por outro lado, temos que ter o pragmatismo suficiente para entender a importância da China para o desenvolvimento econômico do Brasil.” Durante a entrevista, o vice-presidente lembrou que a China passa por dificuldade no âmbito da segurança alimentar por causa da peste suína africana, vírus que tem dizimado o rebanho de porcos no território chinês. Como consequência, destacou o vice-presidente, o gigante asiático precisa importar proteína animal para alimentar uma população de 1,4 bilhão de pessoas. “O Brasil tem capacidade extraordinária de produção de alimentos. Então essa estratégia é que nós temos que traçar em ter essa aproximação com o mercado chinês.” Cosban Instituída em 2004, a Cosban é o principal mecanismo de coordenação da relação bilateral entre Brasil e China e é comandada pelos vice-presidentes dos dois países. Segundo Mourão, a ideia é resgatar e reorganizar a Cosban para fortalecer a cooperação econômica. O vice-presidente informou que a reunião também vai servir como preparativo para a viagem do presidente Jair Bolsonaro à China no segundo semestre, provavelmente em outubro. “Vamos procurar dar uma mensagem política ao governo chinês e, ao mesmo tempo, nosso posicionamento em relação à iniciativa Belt and Road (Cinturão e Rota), uma nova plataforma que o governo chinês, ao longo dos últimos cinco anos, vem buscando colocar no comércio mundial”, afirmou. A iniciativa “Um Cinturão, uma Rota” (One Belt, One Road), também chamada de A Nova Rota da Seda, foi lançada em 2013 pelo presidente chinês Xi Jinping e visa promover acordos de cooperação para desenvolver projetos de infraestrutura, comércio e cooperação econômica na comunidade internacional. Segundo Mourão, o Brasil, além de querer diversificar a exportação de produtos de maior valor agregado, pretende atrair investimentos de qualidade em projetos de infraestrutura para portos, ferrovias, rodovias e em energia renovável, como eólica e fotovoltaica. No encontro com Xi Jinping, Mourão vai entregar uma carta do presidente Jair Bolsonaro ao presidente chinês. “No segundo semestre, o presidente estará na China e acreditamos que, no primeiro semestre do ano que vem, o presidente chinês venha ao Brasil.” A China é, desde 2009, o principal parceiro comercial e uma das principais fontes de investimento externo no Brasil. As exportações do Brasil para o gigante asiático em 2018 superaram US$ 64 bilhões e as importações, US$ 34 bilhões. Com esse resultado, a corrente de comércio bilateral chegou a US$ 98,9 bilhões. Os principais produtos brasileiros exportados são soja triturada, óleos brutos de petróleo, minérios de ferro e seus concentrados, celulose e carne bovina. No ano passado, os destaques na importação foram plataformas de perfuração ou de exploração, dragas, produtos manufaturados, como circuitos impressos e outras partes de aparelhos de telefonia. Reforma da Previdência Na entrevista, Mourão também comentou sobre a proposta da reforma da Previdência que está sendo analisada em uma comissão especial na Câmara dos Deputados. Segundo ele, o modelo de sistema previdenciário estabelecido na Constituição de 1988 se esgotou. “Ele se esgotou porque estamos vivendo mais e nosso orçamento não comporta essa quantidade de recursos que estamos despendendo hoje.” E acrescentou: “Da forma como está colocado o sistema previdenciário hoje é uma pirâmide financeira. Quem chega primeiro recebe e os últimos não vão receber.”