anuncie aqui vermelho
Notícias recentes
Europa já tem mais de 50 mil mortos por causa do novo coronavírus

Europa já tem mais de 50 mil mortos por causa do novo coronavírus

access_time06/04/2020 09:02

A pandemia do novo coronavírus já matou mais de 50 mil pessoas na Europa, segundo um balanço da agên

EUA passam de 80 mil mortes pela Covid-19, e Casa Branca recomenda uso de máscaras para funcionários

EUA passam de 80 mil mortes pela Covid-19, e Casa Branca recomenda uso de máscaras para funcionários

access_time12/05/2020 08:29

No dia em que os Estados Unidos atingiram mais de 80 mil mortes provocadas pela Covid-19, a Casa Bra

Brasileiro Lucas Vicente é campeão mundial júnior de surfe

Brasileiro Lucas Vicente é campeão mundial júnior de surfe

access_time30/11/2019 07:30

O brasileiro Lucas Vicente conquistou nesta sexta (29) o Campeonato Mundial júnior de surfe. Para fi

NEGÓCIOS

Presidente do Indea de MT está entre as 100 mulheres mais influentes do agronegócio do país

access_time18/10/2021 06:43

A presidente do Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea), Emanuele de Almeida, é destaque da Lista Forbes dessa semana, em homenagem ao Dia da Mulher Rural, comemorado em 15 de outubro. Emanuele está entre as 100 mulheres brasileiras apontadas pela publicação como as "Mais Poderosas do Agro". Ela, que é advogada, assumiu a presidência do Indea em janeiro deste ano. O órgão é responsável pelo controle sanitário e por monitorar o maior rebanho bovino brasileiro, com 30,9 milhões de animais. "Na lista, a Forbes procurou selecionar representantes do movimento de mudança no campo. São mulheres que se destacam em diferentes setores do agronegócio: elas estão presentes na produção de alimentos de origem vegetal e animal, na academia, na pesquisa, nas empresas, em foodtechs, em consultorias, em instituições financeiras, na política, nas entidades e nos grupos de classe e, mais do que nunca, nas redes sociais", destacou a publicação. Emanuele está há sete anos no órgão e promete um movimento de desburocratização e descentralização, em busca de maior celeridade às demandas dos produtores mato-grossenses. Confira a íntegra da reportagem.

Migração de pequenas empresas para o digital triplica na pandemia

access_time07/10/2021 07:32

A pandemia do novo coronavírus obrigou as empresas de pequeno e médio porte a se reinventarem para a atravessar a crise. De acordo com um levantamento da Mastercard, o número de companhias brasileiras que fizeram a migraram para o ambiente digital cresceu 208% em 2020, na comparação com o volume de movimentações de 2019. Em todo o mundo, a inserção no meio online chegou a ser três vezes maior do que nos níveis pré-pandêmicos e atingiu um pico em julho de 2020. Segundo a Mastercard, a alta reflete o aumento da demanda por um canal de vendas virtual, além do ligeiro atraso depois que os lockdowns foram adotados. "A mudança para o digital abriu as portas para o lado bom da pandemia: um ressurgimento do empreendedorismo e da inovação", afirma o economista-chefe da Mastercard, Bricklin Dwyer. Agora, ele destaca que o momento é propício para "oportunidades mais brilhantes" nos próximos meses. Com a presença de 19 mercados econômicos, o relatório Recovery Insights: Small Business Reset revela que as vendas das PMEs (Pequenas e Médias Empresas) ficaram para trás das observadas nas empresas maiores em até 20 pontos percentuais no pior momento da pandemia. No entanto, os gastos das empresas de pequeno porte apresentaram uma recuperação em 2021 com um aumento de 4,5% das vendas até agosto de 2021, período em que as vendas no comércio eletrônico saltaram 31,4%. De acordo com o estudo, a quantidade de novos pequenos varejos em 2020 cresceu em um terço em relação ao resultado de  2019, e o número foi quase oito vezes maior que o da criação de empresas de grande porte. A tendência de abertura de novas PMEs em 2020 aconteceu em todo o mundo, com destaque para o Reino Unido (+101%), Estados Unidos (+86%), Austrália (+73%), Alemanha (+62%), Canadá (58%) e Brasil (+35%).  

Dubai volta a ser procurada por brasileiros após abertura para turismo

access_time06/10/2021 07:03

Há alguns anos Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, é um destino popular de brasileiros. A ligação afetiva se consolidou em 2007, quando a companhia aérea local de Dubai, a Emirates, começou a voar entre a maior cidade do país árabe e a capital paulista. Desde então, milhares de turistas do Brasil já conheceram a metrópole localizada às margens do Golfo Pérsico, seja como destino final de viagem, seja como ponto de conexão com outro lugar da Ásia ou Oceania. A brasileira Natalia Arreguy, que se mudou para Dubai em 2005 a fim de acompanhar o marido, tornou-se guia turística depois da inauguração do voo da Emirates. “As companhias de turismo de Dubai começaram a precisar de guias que falassem português para atender aos brasileiros, porque houve um marketing muito grande em cima desse voo. Pessoas famosas do Brasil começaram a vir para cá, gravar programas de televisão. Começou a vir bastante brasileiro”, conta. Natalia viu Dubai se tornar um destino conhecido dos brasileiros, mas também viu seus compatriotas sumirem dos pontos turísticos quando, em março de 2020, os Emirados Árabes Unidos fecharam suas fronteiras devido à pandemia de covid-19. O país só reabriu para o turismo internacional em julho de 2020. E a Emirates só retomou seu voo entre São Paulo e Dubai no mês seguinte. Os brasileiros começaram a voltar ao emirado, mas ainda de forma tímida. “Eu fiquei meses sem trabalho. E isso foi um impacto financeiro muito grande”, revela a guia. Em fevereiro de 2021, com o aumento dos casos de covid-19 no Brasil, o governo de Dubai decidiu impedir a entrada de brasileiros procedentes de São Paulo. Isso gerou uma situação curiosa, os turistas podiam voar até Dubai, mas não podiam sair do aeroporto. Portanto, apenas viajantes que tinham outro destino, como as Maldivas, voavam até Dubai a partir de São Paulo. Apenas no voo de volta, brasileiros eram autorizados a entrar nos Emirados Árabes. Em junho deste ano, Dubai resolveu suspender a medida e voltou a autorizar a entrada de turistas do Brasil. “Foi aí que explodiu, quando o governo reabriu para o brasileiro poder desembarcar aqui direto. Julho, que é o mês de altíssimo verão, ficou lotado de turistas brasileiros aqui, derretendo no calor”, destaca Natalia. Agora, as guias brasileiras estão com agenda tão lotada que mal conseguiram tempo para conversar com a reportagem da Agência Brasil. Outra guia, Solange Barros, diz que mal tem tempo para dormir. “Só estou dormindo quatro horas por noite, porque ‘deu a louca’, Brasil está invadindo Dubai”, comemora, embora lamente o cansaço. Com a Expo Dubai 2020, uma feira internacional que começou na semana passada e que apresentará pavilhões com a cultura de mais de 190 países até março de 2022, a expectativa é que ainda mais brasileiros procurem o destino árabe nos próximos meses. “Aqui pode entrar quem não está vacinado, basta o PCR negativo. Acho que a demanda para o turismo ficou tão reprimida durante essa pandemia, com países do mundo inteiro sem aceitar brasileiro - e aqui aceitando todo mundo -, que as pessoas decidiram vir para Dubai para serem felizes, principalmente aquelas que não aguentavam mais viver em quarentena. As agências brasileiras estão vendendo muito Dubai. Neste momento, por onde eu saio, só dá brasileiro”, afirma Natalia. Segundo o diretor do órgão de promoção do turismo em Dubai, Issam Kazim, a cidade tem ofertas para todos os perfis de turista e um cardápio de atrações que reúnem cultura, gastronomia, praia, aventuras ao ar livre e entretenimento para as famílias. “Queremos ser lembrados pelos brasileiros como o destino dos sonhos e que tem uma grande conexão direta de voos”, afirma Kazim. “Reabrimos nossas fronteiras há mais de um ano e esse período foi uma oportunidade para aumentar a exposição das ofertas do destino no Brasil, para mostrar que somos um destino confiável e, acima de tudo, seguro”. * O repórter Vitor Abdala e o fotógrafo Marcelo Camargo viajaram a convite da Apex-Brasil

De forma voluntária, defesa de Guedes protocola petição para esclarecer polêmica sobre offshores

access_time06/10/2021 06:47

A defesa do ministro da Economia, Paulo Guedes, irá protocolar uma petição à Procuradoria-Geral da União (PGR) e ao Supremo Tribunal Federal (STF) para esclarecer que nunca atuou de “de forma a colidir interesses públicos com privados”. A petição foi protocolada de forma voluntária. De acordo com a defesa, os documentos que serão protocolados mostraram que “o ministro desde dezembro de 2018 se afastou da sua gestão, não tendo qualquer participação ou interferência nas decisões de investimento da companhia” Dreadnoughts. Os advogados afirmaram ainda que os documentos mostrarão que “não houve qualquer remessa ou retirada de valores para o exterior” da empresa desde que Guedes assumiu o cargo e que o ministro nunca se beneficiou no âmbito privado por conta das políticas econômicas do Brasil. Em nota, a defesa também afirmou que toda a documentação de Guedes foi enviada à Comissão de Ética Pública e outros órgãos competentes que atestaram a inexistência de conflitos de interesse no exercício da função. “Criam-se ilações e mentiras, a partir da violação de informações fiscais sigilosas de veículo de investimento legal e declarado, com o único objetivo de criar um factóide político. E para espancar qualquer dúvida sobre a atuação legal e ética em sua vida pública e privada, Paulo Guedes juntará todas as informações necessárias para demonstrar a licitude e a conformidade de suas atividades com o Código de Conduta da Administração Federal e da Lei de Conflitos de Interesses”, concluiu o comunicado da defesa.

Congresso prorroga prazo de MP que cria o Auxílio Brasil

access_time04/10/2021 09:49

O presidente do Congresso Nacional e do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), prorrogou por 60 dias o prazo de validade da Medida Provisória (MP) 1.061/2021 que institui os programas Auxílio Brasil e Alimenta Brasil. A medida foi publicada hoje (4) no Diário Oficial da União (DOU). O Auxílio Brasil é o novo programa social que pretende substituir o Bolsa Família. A MP instituindo o projeto foi publicada no dia 10 de agosto. Ele tem três modalidades de benefício básico: para primeira infância, para famílias com jovens de até 21 anos de idade e para a complementação de famílias que não conseguirem sair da extrema pobreza mesmo após receber benefícios anteriores. Além do benefício básico, o Auxílio Brasil social terá seis  acessórios, que poderão se somar ao valor recebido. Eles funcionarão como bônus para quem cumprir determinados requisitos adicionais. Pagamentos podem começar em novembro A intenção, segundo o governo, é iniciar os pagamentos desse novo programa em novembro. Os novos valores ainda não foram anunciados, mas a expectativa é de um aumento de, no mínimo, 50% sobre o valor médio do Bolsa Família, que atualmente é de R$ 189. A MP prorrogada também trata da criação de outro programa, o Alimenta Brasil, que substitui o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA). A nova política, segundo o Ministério da Cidadania, consolida normas já existentes, garantindo transparência e visibilidade às compras públicas da agricultura familiar. Nesse programa, o governo comprará alimentos produzidos pela agricultura familiar, o que garantirá renda mínima aos produtores. Para os agricultores em situação de pobreza e de extrema pobreza, o governo federal pagará, ainda, o Auxílio Inclusão Produtiva Rural, um dos benefícios acessórios do Auxílio Brasil, por até 36 meses. De acordo com a Constituição Federal, o prazo inicial de vigência de uma MP é de 60 dias e é prorrogado automaticamente por igual período caso não tenha sua votação concluída na Câmara e no Senado. Se não for apreciada em até 45 dias, contados da sua publicação, entra em regime de urgência, sobrestando todas as demais deliberações legislativas da Casa em que estiver tramitando. Caso o texto não seja aprovado após o período máximo de 120 dias, ele perde a eficácia.

Operações do Pix à noite terão limite de R$ 1 mil a partir de hoje

access_time04/10/2021 09:22

A partir de hoje (4), as transferências e pagamentos feitos por pessoas físicas entre as 20h e as 6h terão limite de R$ 1 mil. A medida foi aprovada pelo Banco Central (BC) em setembro, com o objetivo de coibir os casos de fraudes, sequestros e roubos noturnos. As contas de pessoas jurídicas não foram afetadas pelas novas regras. A restrição vale tanto para transações por Pix, sistema de pagamento instantâneo, quanto para outros meios de pagamento, como transferências intrabancárias, via Transferência Eletrônica Disponível (TED) e Documento de Ordem de Crédito (DOC), pagamentos de boletos e compras com cartões de débitos. O cliente poderá alterar os limites das transações por meio dos canais de atendimento eletrônico das instituições financeiras. No entanto, os aumentos serão efetivados de 24 horas a 48 horas após o pedido, em vez de ser concedidos instantaneamente, como era feito por alguns bancos. As instituições financeiras também devem oferecer aos clientes a possibilidade de definir limites distintos de movimentação no Pix durante o dia e a noite, permitindo limites mais baixos no período noturno. Ainda será permitido o cadastramento prévio de contas que poderão receber Pix acima dos limites estabelecidos, mantendo os limites baixos para as demais transações. Na semana passada, o BC estabeleceu medidas adicionais de segurança para o sistema instantâneo de pagamentos, que entrarão em vigor em 16 de novembro. Uma delas é o bloqueio do recebimento de transferências via Pix a pessoas físicas por até 72 horas, caso haja suspeita de que a conta beneficiada seja usada para fraudes.

Estabelecimentos e pescadores devem declarar estoque de pescado até dia 4 de outubro

access_time01/10/2021 06:35

Pescadores profissionais e estabelecimentos comerciais têm até o dia 4 de outubro (segunda-feira) para realizar a declaração dos estoques de peixes de rio que poderão ser armazenados e comercializados durante o período de defeso da piracema. O documento deve ser entregue na sede ou regionais da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema-MT). A exigência é baseada em uma Resolução do Conselho Estadual de Pesca (Cepesca) que estabelece o segundo dia útil, após o início do defeso da piracema, como prazo máximo para declaração do estoque pesqueiro ao órgão ambiental estadual de meio ambiente competente. Devem ser declarados peixes in natura, resfriados ou congelados, provenientes de águas continentais, existentes nos frigoríficos, peixarias, entrepostos, postos de venda, restaurantes, hotéis e similares. A declaração de estoque de pessoa física só será permitida ao pescador profissional mediante apresentação de Declaração de Pesca Individual (DPI), emitida em seu próprio nome. A declaração se estende aos peixes vivos nativos para fins ornamentais ou para uso como isca viva. Período de Defeso O período de defeso da piracema no Estado de Mato Grosso será entre os dias 1º de outubro de 2021 e 31 de janeiro de 2022 e inclui os rios das Bacias Hidrográficas do Paraguai, Amazonas e Araguaia – Tocantins. Será proibida a pesca, tanto amadora como profissional. Neste período é permitido apenas a pesca de subsistência, desembarcada, que é aquela praticada artesanalmente por populações ribeirinhas ou tradicionais para garantir a alimentação familiar, sem fins comerciais. Para os ribeirinhos é permitida a cota diária de três quilos e um exemplar de qualquer peso por pescador, respeitando os tamanhos mínimos de captura, estabelecidos pela legislação para cada espécie. O transporte e comercialização proveniente da pesca de subsistência também ficam proibidos. Ficam excluídas das proibições previstas na Resolução do Cepesca a pesca de caráter científica, previamente autorizada por órgão ambiental competente. Também entra na norma de exceção a despesca, transporte, comercialização, beneficiamento, industrialização e armazenamento de peixes com a comprovação de origem, provenientes de aquicultura ou pesque-pague licenciados junto aos órgãos competentes e registrados no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), bem como do pescado previamente declarado. Todo produto de pesca oriundo de outros Estados ou países deverá estar acompanhando de comprovante de origem, sob pena de multa, perda de pescado e dos petrechos, equipamentos e instrumentos utilizados na pesca. Rios de Divisa Nos rios de divisa, em que uma margem fica em Mato Grosso e outra margem em outro estado, a proibição à pesca segue o período estabelecido pela União, que se inicia em novembro e termina em fevereiro de 2022. A pesca nos trechos de divisa está liberada, porém o peixe pescado na região não pode ser transportado nem comercializado dentro do território mato-grossense. Em Mato Grosso, 17 rios se encaixam nessa característica de rio de divisa. Entre os mais conhecidos estão o rio Piquiri, na bacia do Paraguai, que uma margem está em Mato Grosso e outra em Mato Grosso do Sul, o rio Araguaia, na bacia Araguaia-Tocantins, que faz divisa com Goiás e, na bacia Amazônica, o trecho do rio Teles Pires que faz divisa com o Pará. Multas Aos infratores da Resolução do Cepesca serão aplicadas as penalidades previstas na Lei Estadual nº 9.096 de 16 de janeiro de 2009 e Lei Federal nº 9.605 de 12 de fevereiro de 1998, regulamentada pelo Decreto nº 6.514 de 22 de julho de 2008, bem como nas demais legislações pertinentes. Quem desrespeitar a legislação poderá ter o pescado e os equipamentos apreendidos, além de levar multa que varia de R$ 1 mil a R$ 100 mil, com acréscimo de R$ 20, por quilo de peixe encontrado. Neste período, as ações de fiscalização serão intensificadas com parceria entre fiscais da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema), Batalhão da Polícia Militar e Proteção Ambiental (BPMPA), Juizado Volante Ambiental (Juvam), Delegacia Especializada do Meio Ambiente (Dema), Ibama e ICMBio. Cepesca Atualmente, compõem o Conselho, que atua como órgão colegiado deliberativo e consultivo auxiliando o Poder Executivo na propositura de políticas públicas para a pesca, representantes das Secretarias de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Cultura, Ministério Público Estadual, UFMT, Unemat, colônias de pescadores, entidades do terceiro setor, Ibama e representantes do setor empresarial do turismo da pesca. Denúncias A pesca predatória e outros crimes ambientais podem ser denunciadas por meio da Ouvidoria Setorial da Sema: 0800-65-3838, no site da Sema, por meio de formulário, nas unidades regionais do órgão ambiental ou ainda pelo aplicativo MT Cidadão.

Aumento do preço das commodities agrícolas e o risco de micotoxinas na suinocultura

access_time29/09/2021 10:48

Os preços das commodities – puxados pela soja e o milho – estão subindo em todo o mundo, fazendo com que muitos suinocultores e avicultores tentem administrar os gastos usando ingredientes alternativos ou, até, reduzindo os padrões de qualidade da ração. Mas isso coloca os animais e, em última análise, as operações em risco? Aqui está o que você precisa saber. O preço do milho e da soja, duas das principais matérias-primas usadas nas fórmulas de ração para suínos, disparou. As repercussões foram sentidas internacionalmente, com explosivo aumento nos custos de produção, o que resulta no estreitamento das margens de lucro e, às vezes, operação com prejuízo. O milho, por exemplo, é um ingrediente básico na dieta de suínos. O preço internacional médio é de cerca de US$ 160 por tonelada e especula-se que deverá aumentar para incríveis US$ 180 por tonelada em 2025. Para mitigar o impacto econômico, muitos sistemas de produção têm adotado estratégias de risco, como flexibilização dos padrões de qualidade na compra de milho. Cuidado. Essa medida pode comprometer diversos quesitos, como umidade, porcentagem de grãos danificados, teor de óleo e contaminação por micotoxinas. Ao comprar soja, por exemplo, os teores de proteína, umidade e fibra bruta – bem como a atividade da ureia e a presença de alguns níveis de micotoxinas – tornaram-se mais “flexíveis”. Qual a consequência do uso de commodities de qualidade inferior? – Começamos pela necessidade de correção nutricional com agregação de custos extras, às vezes iguais ou maiores que a economia de recursos gerada na compra de grãos de menor qualidade, seguida por maior presença de fatores anti-nutricionais que impactam negativamente nos indicadores zootécnicos, como o ganho de peso e a conversão alimentar. E, o mais perigoso: maior prevalência e níveis de micotoxinas com forte possibilidade de co-contaminação, ou seja, mais de um tipo, exigindo investimentos em produtos para mitigar o impacto ou, caso não sejam adotados, enfrentar a micotoxicose nos animais. Dependendo da concentração de micotoxinas, seus efeitos variam de danos silenciosos e retardados à saúde e ao desempenho dos animais até grandes perdas resultantes de um quadro grave chamado micotoxicose. Na Pesquisa Global de Micotoxinas da BIOMIN, amostras de quase todos os continentes foram diagnosticados com “alto risco” para micotoxinas produzidas por fungos do gênero Fusarium. Nesse contexto, a Fumonisina (FUM), o Desoxinivalenol (DON) e a Zearalenona (ZEN) são as micotoxinas mais presentes e com maior risco. Quais os riscos da falta de gerenciamento? – as Fumonisinas podem causar edema pulmonar, nefrotoxicidade e hepatotoxicidade. No entanto, o maior impacto é o aumento de doenças bacterianas respiratórias e entéricas, assim como falhas de imunização. Essas situações ocorrem até em níveis baixos, mas constantes, de Fumonisinas. É exatamente isso que enfrentamos atualmente. Já a Zearalenona é de difícil eliminação por adsorventes comuns. Sua presença pode causar abortos, falsa gestação, estro prolongado, edema vulvar, prolapso da vagina, aumento do útero, atrofia dos ovários, atrofia testicular, diminuição do interesse sexual e infertilidade. A contaminação preocupa todos os sistemas de produção e especialmente nos com matrizes. A Pesquisa de Micotoxinas da BIOMIN constatou que 65% das amostras apresentam co-contaminação, ou seja, a presença de duas ou mais micotoxinas. Isso é particularmente crítico nas seguintes combinações: FUM + DON e DON + ZEN. Elas são consideradas sinérgicas, ou seja, uma micotoxina amplifica o impacto da outra. Esses dados comprovam que as chances de contaminação por micotoxinas são altas, principalmente nos ingredientes usados para a ração de suínos. Na outra ponta, temos a sensibilidade dos suínos a essas substâncias tóxicas produzidas pelos fungos – representam a espécie mais suscetível. Por esse motivo o controle e o gerenciamento de risco de micotoxinas devem integrar as estratégias nutricionais e sanitárias. Importante: de acordo com os riscos de cada região, os ingredientes ou ração pronta devem ser avaliados antes mesmo de chegarem ao comedouro.

Governo paga servidores estaduais nesta quinta-feira (30)

access_time29/09/2021 09:28

O Governo do Estado paga, nesta quinta-feira (30.09), os salários e proventos do mês de setembro dos servidores públicos ativos, inativos e pensionistas. A folha de pagamento líquida deste mês, segundo a Secretaria Adjunta do Tesouro Estadual, da Secretaria de Fazenda, foi de R$ 513.846.052  Desse total R$ 333.081.488 destinam-se ao pagamento dos servidores ativos e R$ 180.764.564 para inativos e pensionistas. Vão receber salários e proventos cerca de 115 mil pessoas. As ordens de pagamento foram encaminhadas ao Banco do Brasil nesta quinta-feira (29). Até meio dia de sexta-feira todos os depósitos já terão sido processados pelo Banco do Brasil. Os valores estarão liberados tanto para quem tem contas no Banco do Brasil, como para aqueles que fizeram portabilidade à outros bancos. 

Caixa paga auxílio emergencial a nascidos em agosto

access_time29/09/2021 08:26

Trabalhadores informais nascidos em agosto recebem hoje (29) a sexta parcela da nova rodada do auxílio emergencial. O benefício tem parcelas de R$ 150 a R$ 375, dependendo da família. O pagamento também será feito a inscritos no Cadastro Único de Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico) nascidos no mesmo mês. O dinheiro é depositado nas contas poupança digitais e poderá ser movimentado pelo aplicativo Caixa Tem. Somente de duas a três semanas após o depósito, o dinheiro poderá ser sacado em espécie ou transferido para uma conta corrente. Também hoje, recebem a sexta parcela do auxílio emergencial os participantes no Bolsa Família com Número de Inscrição Social (NIS) de final 9. As datas da prorrogação do benefício foram anunciadas em agosto. Ao todo, 45,6 milhões de brasileiros estão sendo beneficiados pela nova rodada do auxílio emergencial. O auxílio é pago apenas a quem recebia o benefício em dezembro de 2020. Também é necessário cumprir outros requisitos para ter direito à nova rodada (veja abaixo guia de perguntas e respostas). Para os beneficiários do Bolsa Família, o pagamento ocorre de forma distinta. Os inscritos podem sacar diretamente o dinheiro nos dez últimos dias úteis de cada mês, com base no dígito final do NIS. O pagamento da sexta parcela aos inscritos no Bolsa Família começou no último dia 17 e segue até amanhã (30). O auxílio emergencial somente é depositado quando o valor for superior ao benefício do programa social. Em todos os casos, o auxílio será pago apenas a quem recebia o benefício em dezembro de 2020. Também é necessário cumprir outros requisitos para ter direito à nova rodada. O programa se encerraria em julho, mas foi prorrogado até outubro, com os mesmos valores para as parcelas. A Agência Brasil elaborou um guia de perguntas e respostas sobre o auxílio emergencial. Entre as dúvidas que o beneficiário pode tirar estão os critérios para receber o benefício, a regularização do CPF e os critérios de desempate dentro da mesma família para ter acesso ao auxílio.