anuncie aqui
Notícias recentes
Reunião sobre frete termina sem acordo; Fux decidirá em agosto

Reunião sobre frete termina sem acordo; Fux decidirá em agosto

access_time28/06/2018 14:51

A segunda reunião no Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a tabela de preços mínimos de frete, reali

Governo confirma 11 feridos e homem morto após tentativa de invasão a delegacia no interior do AM

Governo confirma 11 feridos e homem morto após tentativa de invasão a delegacia no interior do AM

access_time23/08/2018 09:07

Onze pessoas ficaram feridas e um homem morreu após uma confusão nas proximidades da 32ª Delegacia E

Prevenção e saúde têm início nas Escolas de Novo Mundo

Prevenção e saúde têm início nas Escolas de Novo Mundo

access_time13/06/2018 13:37

A Secretaria Municipal de Saúde de Novo Mundo já iniciou os trabalhos da V Campanha Nacional de Hans

POLÍTICA

Candidata ao Senado em MT, Selma Arruda diz que defende porte de arma

access_time25/09/2018 15:57

Candidata ao Senado pelo PSL, Selma Arruda afirmou, durante entrevista ao Bom Dia MT, nesta terça-feira (25), que defende o porte de arma ao 'cidadão de bem' e afirmou que é contrária ao aborto e à legalização da maconha. Juíza aposentada, Selma Arruda foi a segunda candidata entrevistada pela TV Centro América, afiliada da Rede Globo, com os cinco candidatos mais bem colocados na última pesquisa Ibope. Assista a entrevista completa no vídeo acima. O primeiro entrevistado foi Jayme Campos, do DEM. Durante a entrevista, Selma Arruda disse que o porte de arma foi um desejo dos brasileiros, ouvidos por meio de um plebiscito. “Eu acredito que o cidadão de bem, que não tenha passagens policiais ou problemas mentais, tenha sim o direito de andar armado como meio de se defender de ataques contra seu patrimônio e a sua família”, declarou. Para a juíza aposentada, o porte de arma não aumentará a violência no país. “As pessoas podem se agredir com pedaço de pau, pedra e faca. Não é a arma que vai aumentar o número de agressões. O que eu vejo é que hoje o cidadão de bem, quando para no sinaleiro, não sabe se vai ser assaltado ou não. E o ladrão assalta sem a mínima cerimônia”, criticou. A candidata declarou também que proprietários de fazendas e chácaras, quando têm os locais invadidos por movimentos de pessoas sem-terra, devem ter o direito de se defender, também armados. “Hoje quando uma propriedade é invadida, o proprietário tem que pagar advogado, entrar com ação judicial e pagar custas judicialmente com valores exorbitantes e aguardar a decisão judicial. Enquanto isso já colocaram fogo na fazenda, no gado, nos tratores e já tiraram o que tinha que colher e levaram embora”, declarou. Segurança pública Sobre o cenário da segurança pública, a candidata disse que atualmente as leis favorecem apenas os assaltantes. “A segurança pública, por mais pessoas que você coloque lá e viaturas, nunca será suficiente enquanto a gente não melhorar a legislação e diminuir essa sensação de impunidade”, comentou. Reforma da previdência Selma afirmou que é a favor da reforma da previdência, mas acredita que pode ser alterada para favorecer o trabalhador. “Acho que a nossa expectativa de vida subiu, portanto, tem que haver reajuste na idade limite da aposentadoria. A conta não fecha, a gente precisa otimizar indo atrás dos grandes sonegadores e de venda de imóveis e patrimônios e pode muito bem ser revertida para cobrir esse rombo todo [na previdência]. Não acho que tem que ser debitado ao trabalhador essa conta”, pontuou. Para a candidata, deveria ser feito uma reforma política na União, extinguindo cargos políticos que, para ela 'servem apenas como loteamento de cargos'. Aborto, maconha, casamento gay “Eu sou contra o aborto, de qualquer forma, e o que já é previsto em lei é absolutamente factível. Não existe, na minha opinião, para que se aumente as possibilidades de aborto. Sou contra a liberação da maconha. Eu acho que não adianta você liberar o uso da maconha e imaginar que isso vai diminuir o consumo. Ao contrário, isso vai aumentar e aumentar o problema social que se causa. Sou a favor de que toda e qualquer relação seja juridicamente correta”, finalizou.

Roraima oferecerá ônibus para levar venezuelanos de volta para casa

access_time21/09/2018 07:37

A governadora de Roraima Suely Campos firmou um acordo com Nicolás Maduro para ajudá-lo a repatriar imigrantes para a Venezuela. A medida foi tomada nesta quinta-feira (20) durante reunião em Caracas, capital do país. Também ficou acertado que o governo venezuelano fará manutenção no Linhão de Guri para evitar novos apagões no estado. Com o acordo, Roraima disponibilizará ônibus para levar os venezuelanos até a cidade de Pacaraima, na fronteira. De lá, eles seguirão viagem com apoio do governo de Maduro no programa de “Volta à Pátria”. A repatriação com o apoio logístico do estado deve começar na semana que vem. De início, cerca de 100 venezuelanos devem regressar ao país. Todo o processo será acompanhado pelo Consulado da Venezuela em Roraima. O órgão vai fazer listas com nomes de imigrantes que quiserem ser repatriados. "Com essa parceira nós vamos oferecer o transporte até a fronteira para levar aqueles venezuelanos que queiram voltar ao país. Da fronteira em diante será com o governo da Venezuela. Na semana que vem já vamos implementar a primeira saída deles", disse Suely. A governadora retornou a Boa Vista por volta de 20h15 desta quinta. Com a volta dela para o estado, a desembargadora Elaine Bianchi, que havia ficado no cargo, volta à presidência do Tribunal de Justiça de Roraima. Mais cedo, Maduro publicou no Twitter que a reunião com Suely tinha sido produtiva e que os dois haviam chegado a acordos importantes. A reunião de Suely com Maduro foi intermediada pelo Consulado da Venezuela em Roraima. A governadora viajou junto com uma comitiva de Boa Vista a Caracas em uma aeronave do governo venezuelano. Toda a viagem oficial foi bancada pelo país vizinho, informou a Secretaria de Comunicação do estado. A viagem da governadora foi publicada no Diário Oficial em mensagem governamental enviada para a Assembleia Legislativa de Roraima. No entanto, o texto citava apenas que Suely trataria sobre questões energéticas referentes ao Linhão de Guri. O governo de Roraima disse que esse apoio a Maduro na repatriação de venezuelanos foi uma solução encontrada entre ambas as partes para minimizar os impactos da imigração nos serviços públicos do estado. Criado por Maduro, o plano "Volta à Pátria" foi uma medida tomada pelo ditador para dar apoio a venezuelanos que deixaram o país, mas querem retornar à terra natal. No início do mês, um grupo de 100 imigrantes deixou Boa Vista e voltou à Venezuela em um ônibus fretados por Maduro. A saída deles do estado ocorreu em meio ao clima de tensão que formou quando um brasileiro e um venezuelano foram assassinados após uma confusão. Dias antes, em Pacaraima, 25 indígenas Warao também retornaram ao país com o apoio do governo venezuelano. A ida do grupo foi após brasileiros atacarem e expulsarem imigrantes que vivam nas ruas da cidade. Linhão de Guri Suely também disse que, durante a reunião, Maduro se comprometeu a fazer manutenção no Linhão de Guri, que fornece energia para Roraima. Nos últimos dias, em razão da falta de cuidados na linha de transmissão, o estado enfrentou uma série de apagões. Foram contabilizados nove desligamentos somente em um fim de semana. "O presidente Nicolás Maduro garantiu que vai iniciar imediatamente a manutenção na rede elétrica, ele garantiu também que vai melhorar a qualidade da nossa energia e que fará a prorrogação do contrato até que tenhamos a construção do Linhão de Tucuruí", afirmou Suely. De acordo com secretário-adjunto da casa Civil, Ivo Galindo, que também esteve na reunião, disse que Maduro afirmou que poderá, inclusive, aumentar a quantidade de megawatts ofertada atualmente para o estado. O contrato de fornecimento de energia com o governo venezuelano é até 2021. Roraima é o único do país que não faz parte do Sistema Interligado Nacional (SIN) e depende da energia venezuelana. No dia 11 deste mês, a governadora chegou a propor em Brasília que a Eletrobras fizesse a manutenção da linha de transmissão de energia que liga Roraima à usina na Venezuela. O governo estadual e o venezuelano também pactuaram estreitar relações comerciais e de produção em vários setores para fortalecer a economia do Norte do Brasil e do Sul da Venezuela.

Bolsonaro inicia alimentação líquida oral e reage bem, diz boletim médico

access_time20/09/2018 09:03

O candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, iniciou a alimentação líquida oral "com boa tolerância, mantendo em associação à nutrição parenteral (endovenosa)", informou o boletim médico divulgado pelo Hospital Israelita Albert Einstein na tarde desta quarta-feira (19). Ainda de acordo com o centro médico, o político prossegue com boa evolução clínica, sem febre e outros sinais de infecção, realizando exercícios respiratórios e caminhadas. O político está internado no hospital desde 7 de setembro, um dia após sofrer uma facada no abdômen durante ato de campanha e passar por cirurgia em Juiz de Fora (MG). No dia 12, passou por novo procedimento para desobstruir o intestino. Campanha virtual Mais cedo, em postagem no Twitter, o presidenciável afirmou que sua equipe econômica trabalha por "desburocratização e desregulamentações". No início da tarde, o candidato postou uma foto em que aparece caminhando ao lado de um dos filhos, Carlos. Na mensagem, agradece o apoio que vem recebendo. No domingo (16), circulou nas redes sociais um vídeo em que Bolsonaro aparece caminhando pelo hospital com auxílio de fisioterapeuta. No mesmo dia, ele falou pela primeira vez ao vivo por meio do Facebook.

STJ rejeita denúncia de corrupção contra governador do Pará

access_time20/09/2018 08:28

A Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ) rejeitou nesta quarta-feira (19) uma denúncia por corrupção passiva contra o governador do Pará, Simão Jatene (PSDB). A acusação baseia-se em fatos de 2002, antes de o tucano assumir o governo do Estado no ano seguinte. O caso envolve uma lei, sancionada em 2003, que teria levado ao perdão parcial de dívidas tributárias da Cervejaria Paraense. Jatene era acusado de receber propinas e doações ilegais de mais de R$ 16 milhões para a campanha eleitoral em 2002. A contrapartida seria a concessão de incentivos fiscais e perdão de dívida fazendária da cervejaria. A maioria dos ministros acompanhou o voto do relator, ministro Napoleão Nunes. Ele considerou que as provas apresentadas não comprovam a prática do crime. “Um exame detido do inquérito não indica que o governador do estado nem mesmo quando era candidato tenha participado da supostas reuniões que teriam decidido pela remição tributária. Não há nenhuma prova sobre isso”, afirmou o relator. Maria Thereza foi a única a divergir e votar pelo recebimento da denúncia. A ministra considerou que há base empírica no processo que justificaria a admissibilidade da denúncia, mas ficou vencida. “Concluo pela materialidade de indício de autoria e suporte mínimo para a submissão do escrutínio”, afirmou a magistrada.

Líderes das duas Coreias encerram cúpula com visita a montanha sagrada

access_time20/09/2018 08:18

Kim Jong-un e Moon Jae-in visitaram nesta quinta-feira (20) o símbolo espiritual da Nação coreana, em uma demonstração de unidade após sua cúpula em Pyongyang. A TV mostrou o comboio do presidente sul-coreano pelas ruas da capital, enquanto a população nas calçadas agitava bandeiras e ramos de flores para pedir a "unificação da mãe pátria". Moon e Kim, acompanhados das esposas, foram ao Paektu, uma montanha na fronteira com a China de 2.744 metros de altura, considerada sagrada por todos os coreanos. Segundo a tradição local, do Monte Paektu nasceu Dangun, o fundador lendário do reino coreano. A biografia oficial norte-coreana afirma que a partir desta montanha Kim Il Sung - fundador da Coreia do Norte e avô de Kim Jong Un - liderou a resistência contra o colonizador japonês, que ocupou a península de 1910 a 1945. Após a visita ao Monte Paektu, Moon pegou um voo direto para Seul, concluindo seus três dias de viagem oficial à Coreia do Norte. Laços bilaterais A cúpula serviu para mostrar a boa sintonia entre os dois líderes e a aproximação crescente entre os países, tecnicamente ainda em guerra, e que assinaram nesta quarta uma declaração conjunta que reforça os laços bilaterais e também um tratado para diminuir as tensões militares. A declaração também mostra que a Coreia do Norte está disposta a desmantelar mais instalações de seu programa nuclear, em troca de que Estados Unidos implementem o estipulado na cúpula realizada em Singapura, no mês de junho, principalmente no que se refere a assinar um tratado de paz que garanta a sobrevivência do regime. Veja outros pontos importantres da declaração das Coreias: Fazer uma candidatura conjunta para sediar os Jogos Olímpicos de Verão de 2032. Criar ligações ferroviárias e rodoviárias entre o Norte e o Sul no próximo ano. Parar os exercícios militares ao longo da Linha de Demarcação Militar, que divide os dois países, até 1º de novembro. Remover 11 postos de guarda na zona desmilitarizada até o final do ano. Normalizar as operações no complexo industrial Kaesong e no projeto turístico Kumgang assim que as condições permitirem. Tanto o presidente americano, Donald Trump, como o secretário de Estado daquele país, Mike Pompeo, receberam positivamente o resultado da cúpula e disseram que Washington já está buscando reiniciar o diálogo com Pyongyang sobre sua desnuclearização. Moon viajará para os EUA, onde se reunirá com Trump na próxima segunda-feira, antes do início da Assembleia Geral da ONU.

Ministro espanhol diz que Trump sugeriu muro no Saara para barrar imigrantes

access_time20/09/2018 08:16

Em um diálogo travado entre Donald Trump e o ministro de Relações Exteriores espanhol, Josep Borrell, o presidente dos Estados Unidos sugeriu à Espanha construir um muro ao longo do deserto do Saara, que tem 4,8 mil km de comprimento e se espalha pelo norte da África, para conter a imigração no país europeu. Segundo disse Borrell nesta terça-feira, a sugestão foi apresentada a ele por Trump para fazer frente à crescente onda de imigrantes que chegam à Espanha em busca de refúgio. Somente neste ano, mais de 33,6 mil imigrantes e refugiados entraram na Espanha pelo mar, e cerca de 1,7 mil pessoas morreram na travessia. Borrell, que narrou o episódio em um almoço com a imprensa, não detalhou onde ou quando teve esse diálogo com o americano. Acredita-se que a conversa tenha ocorrido em junho, durante um encontro de Trump com o rei Felipe e a rainha Letizia, da Espanha. O chanceler, entretanto, se mostrou cético à ideia: "Sabe você como é grande o Saara?", questionou. O Saara, um dos mais famosos desertos do mundo, tem comprimento 52% maior que a fronteira do México com os EUA, onde Trump prometeu, ainda durante a campanha presidencial, erguer um muro para impedir a entrada de imigrantes. A obra, entretanto, ainda não saiu do papel - o presidente americano tenta levantar recursos para viabilizá-la. O Saara tem 4,8 mil km de comprimento e 1,8 mil km de largura. A fronteira mexicana, por sua vez, tem comprimento de 3.141 km. Trump teria dito a representantes diplomáticos da Espanha que "a fronteira com o Saara não pode ser maior que a fronteira com o México", segundo relatou a imprensa espanhola. A Espanha tem dois enclaves localizados ao norte da África - Ceuta e Melilla -, na fronteira com o Marrocos, e nenhuma das duas cidades está localizada no Saara. Para ser executada, a ideia de Trump exigiria da Espanha fazer uma obra em território estrangeiro. Um porta voz do Ministério de Relações Exteriores da Espanha confirmou que o ministro realmente falou sobre a sugestão dada pelo presidente dos EUA, mas disse que não faria nenhum comentário adicional sobre o diálogo narrado por Borrell.

Shinzo Abe é reeleito presidente do partido governante do Japão

access_time20/09/2018 07:59

O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, foi reeleito nesta quinta-feira (20) como presidente do Partido Liberal Democrata (PLD), permitindo que renove seu mandato para seguir liderando o governo. Nas eleições internas do PLD realizadas hoje, Abe, de 63 anos, derrotou facilmente o ex-ministro da Defesa, Shigeru Ishiba, que tentava desafiar o poder que o premier vem acumulando há seis anos. Abe conquistou 553 votos no pleito interno que contou com as participações de legisladores e líderes políticos, enquanto Ishida obteve 254. Com as eleições internas de hoje, Abe pode ficar por mais três anos como primeiro-ministro. Se ele completar esse terceiro período, se transformará no líder a mais tempo no poder na recente história do país. Na votação de hoje participaram, por um lado, 405 legisladores. Deles, 329 apoiaram Abe, enquanto Ishiba ficou com 73. Três votos foram inválidos. Além disso, votaram outros 405 líderes políticos, que receberam o mandato em suas respectivas jurisdições, dos quais Abe obteve 224 votos e seu rival, 181. Mudanças no governo As últimas pesquisas garantiam a vitória de Shinzo Abe. Após o resultado, existe agora a expectativa de que o primeiro-ministro faça uma remodelação em seu governo no início do próximo mês. Em uma primeira mensagem na sede do partido, Abe agradeceu o apoio recebido e falou sobre os novos desafios de seu terceiro mandato, incluindo a organização dos Jogos Olímpicos de 2020, em Tóquio. "Farei todo esforço, com toda minha alma, para cumprir meu papel como fizeram meus antecessores", afirmou o primeiro-ministro.

MT tem o maior nº de candidatos 'forasteiros' ao Senado

access_time17/09/2018 08:24

Um em cada 3 candidatos aos governos estaduais nas eleições de 2018 nasceu fora do estado que pretende administrar. Dos 199 postulantes aos executivos estaduais, 70 são "forasteiros" – 35% do total. O percentual é ligeiramente maior que o de 2014, quando o índice foi 32% (59 de 185). O Distrito Federal é a unidade da federação com o maior número de forasteiros disputando o governo local. Dos 11 candidatos pleiteando o cargo, apenas 2 são nascidos em Brasília. Os outros são de Ceará, Minas Gerais, Paraíba, Rio de Janeiro (quatro), Sergipe e São Paulo. Diferentemente de 2014, não há nenhum estado com apenas “forasteiros” nestas eleições. O Tocantins, criado há exatos 30 anos, aparece na segunda posição. No estado mais jovem do país, apenas 1 dos 5 candidato ao governo é natural do estado. Não há irregularidade alguma em um candidato se candidatar em outro estado que não o de nascimento. A única exigência é que ele tenha o estado como domicílio eleitoral. O Código Eleitoral diz que “é domicílio eleitoral o lugar de residência ou moradia do requerente”. O TSE, porém, flexibiliza esse entendimento de forma a aceitar como domicílio eleitoral locais com os quais os candidatos (e eleitores) demonstrem vínculo político, social, afetivo, patrimonial ou de negócios. Já houve críticas a esse entendimento e casos de políticos conhecidos que mudaram de estado para conseguir se eleger. O ex-senador José Sarney é um dos exemplos. Apesar de sua família ter criado toda uma base política no Maranhão, ele foi eleito por três vezes pelo Amapá, para onde transferiu o domicílio eleitoral após não conseguir viabilizar sua candidatura no estado natal em 1990. O Maranhão, aliás, é o único estado do país onde todos os candidatos que disputam o governo nestas eleições são locais. São cinco candidatos de São Luís e uma de Lago da Pedra. Entre todos os 199 candidatos a governo do país, 26 são nascidos em São Paulo, 19 no Rio de Janeiro, 14 no Paraná, 13 em Minas Gerais, 10 no Rio Grande do Sul e os demais em outros estados. Senado O percentual de candidatos “forasteiros” ao Senado é um pouco menor que o do Executivo: 32%. Dos 355 candidatos, 115 pleiteiam uma cadeira fora de seu estado de origem. Em nenhum estado, no entanto, todos os candidatos são locais. Mato Grosso é o estado com o maior número de postulantes de fora: 9 dos 11. Há candidatos de GO, MS, PR, RS, SC e SP. O Distrito Federal aparece na segunda posição. Dos 20 candidatos, 16 são de fora. Já o Ceará tem o menor percentual de candidatos não locais: só 1 dos 13 (7,7%). Em Goiás também apenas 1 dos 12 (8,3%) é de fora. O Maranhão novamente aparece em destaque. Só 1 dos 11 candidatos é nascido em outro local (Brasília, no caso), ou seja, 9% do total.

Temer pede que STF arquive inquérito sobre pagamentos da Odebrecht

access_time12/09/2018 07:33

O presidente Michel Temer pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) nesta terça-feira (11), por meio de seus advogados, para arquivar o inquérito da Odebrecht, que apura se houve pagamento de R$ 10 milhões da empreiteira, em 2014, para o grupo do MDB ligado ao presidente. O pedido do presidente Temer foi enviado ao ministro Edson Fachin, relator do inquérito no STF. Na peça, assinada pelos advogados Frederico Barbosa e Brian Alves Prado, que defendem Temer, o presidente argumenta que não há provas de que o emedebista teria recebido vantagem indevida da Odebrecht, como aponta relatório da PF entregue ao STF na semana passada. O delegado Tiago Delabaray, responsável pelo inquérito, aponta no relatório que há indícios de que Temer teria recebido R$ 1,4 milhão, após pedido de Moreira Franco à Odebrecht, em 2014. Segundo a PF, o intermediário do dinheiro a Temer seria o coronel aposentado João Batista Lima Filho. Na peça da defesa de Temer, os advogados afirmam que a PF aponta 176 ligações telefônicas entre Lima e Temer no período de 2014 em que os repasses teriam sido feitos, mas justificam que tratva-se de contato entre amigos de longa data. "Ora, será que conversaram 176 vezes sobre a prática de ilícitos? A própria autoridade policial poderia verificar, se ouvisse as degravações, que as conversas eram de dois amigos de longa data", diz trecho da peça da defesa de Temer. Temer é alvo do inquérito da Odebrecht e também do inquérito dos portos, que está sob a relatoria do ministro Luis Roberto Barroso no STF.

Merkel repudia violência e palavras de ordem nazista em protestos

access_time12/09/2018 07:32

A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, afirmou nesta quarta-feira (12) no Parlamento alemão que "não há desculpa" para o ódio, a violência contra estrangeiros e o uso de palavras de ordem nazistas, após os protestos ultradireitistas no país, que classificou como "detestáveis". Em seu discurso no debate dos orçamentos para 2019, a chanceler disse entender a indignação dos cidadãos em relação aos recentes atos de violência, que supostamente foram cometidos por imigrantes, e afirmou que a Justiça cairá sobre os culpados, independentemente de sua nacionalidade. Merkel estava se referindo à morte de dois alemães em dois casos diferentes nas últimas três semanas, para os quais quatro requerentes de refúgio foram presos. Depois desses casos, manifestantes da extrema-direita saíram às ruas na cidade de Chemnitz para protestar contra imigrantes. Na maior manifestação realizada na cidade, da qual participaram 6 mil pessoas, neonazistas fizeram uma saudação com o braço estendido e homens mascarados jogaram pedras e garrafas contra um restaurante kosher gritando "judeus fora da Alemanha". Em outro protesto, na véspera, vários estrangeiros foram atacados e feridos nas ruas. Para Merkel, "não há desculpa ou justificativa" para as manifestações que se seguiram ao incidente em Chemnitz. Merkel reconheceu que, ao se manifestar, os cidadãos expressaram o quão "confusos" estão e que a obrigação da classe política é "levar a sério" as preocupações da população. A cidade alemã que se tornou o centro de batalhas entre neonazistas e manifestantes de esquerda Mas, ao mesmo tempo, ela se referiu ao primeiro artigo da Lei Fundamental alemã onde diz que "a dignidade humana é inviolável" e acrescentou que, respeitá-la e protegê-la é obrigação de todo o poder público, assim como do restante da população. Contra generalização A chanceler também alertou contra a generalização de regiões e populações específicas, se referindo aos que consideram o leste da Alemanha, e em particular o estado federado da Saxônia, um bastião da extrema-direita. Ela observou que "as generalizações estão erradas e totalmente fora de lugar", e lembrou que esse mesmo princípio é aplicável quando se refere aos solicitantes de asilo que residem na Alemanha. "Não vamos permitir grupos inteiros sejam marginalizados", disse Angela Merkel, ressaltando que judeus, muçulmanos, cristãos e ateus fazem parte da sociedade alemã. Merkel lembrou que, em um Estado de Direito, as regras existentes "não podem ser substituídas por emoções".