anuncie aqui
Notícias recentes
Messi desencanta, Argentina supera drama, bate a Nigéria e avança com herói improvável

Messi desencanta, Argentina supera drama, bate a Nigéria e avança com herói improvável

access_time26/06/2018 16:17

DRAMA Bienvenida, Argentina! Dobro pozhalovat! Com toda dramaticidade digna de um tango inesquecíve

Quase 16 mil eleitores deixaram para fazer a biometria no último dia

Quase 16 mil eleitores deixaram para fazer a biometria no último dia

access_time10/05/2018 20:31

Quase 16 mil eleitores mato-grossenses deixaram para fazer o recadastramento biométrico na quarta-fe

Reajuste para agentes comunitários de saúde é aprovado no Senado

Reajuste para agentes comunitários de saúde é aprovado no Senado

access_time12/07/2018 09:03

O Senado aprovou hoje (11) a Medida Provisória (MP) 827/2018 que trata da atuação dos agentes comuni

POLÍTICA

Roberto Castello Branco aceita convite para presidir Petrobras

access_time19/11/2018 08:12

A assessoria do futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, confirmou nesta segunda-feira (19) que o economista Roberto Castello Branco aceitou o convite para presidir a Petrobras no governo de Jair Bolsonaro. Castello Branco tem pós-doutorado pela Universidade de Chicago e ocupou cargos de direção no Banco Central e na mineradora Vale. Passou pelo Conselho de Administração da Petrobras e é diretor no Centro de Estudos em Crescimento e Desenvolvimento Econômico da Fundação Getúlio Vargas (FGV). Ao longo da campanha presidencial, o economista esteve próximo de Guedes e Bolsonaro e faz parte da equipe de transição. Castello Branco deve substituir o atual presidente da estatal, Ivan Monteiro, que permanece no cargo até a nomeação do economista. Monteiro assumiu a Petrobras em junho com a saída de Pedro Parente. Atualmente no comando da BRF, Parente deixou a estatal após greve dos caminhoneiros, que questionou a política de reajuste dos preços dos combustíveis. Segundo o blog do Valdo Cruz, Monteiro foi sondado para presidir o Banco do Brasil.

Coreia do Norte testa nova arma de alta tecnologia, diz reportagem

access_time16/11/2018 09:11

O líder norte-coreano, Kim Jong Un, supervisionou o teste de uma nova arma "de alta tecnologia", informou a mídia estatal de Pyongyang nesta sexta-feira (16), segundo a agência de notícias Yonhap. "Kim Jong Un inspecionou o teste de uma arma tática de alta tecnologia recém-desenvolvida na Academia de Ciências de Defesa Nacional", disse a Yonhap, citando a emissora estatal do país. A emissora disse que o teste foi bem-sucedido, mas não especificou o tipo de dispositivo envolvido. A suspensão de Pyongyang dos testes de armas nucleares e mísseis balísticos tem sido fundamental para os rápidos desenvolvimentos diplomáticos deste ano e para as negociações entre a Coreia do Norte e os Estados Unidos, e tem sido repetidamente elogiada pelo presidente Donald Trump. Trump e Kim se encontraram em uma cúpula histórica em Singapura em junho, onde assinaram um documento vago sobre a desnuclearização da península. Desde então, o progresso estagnou, enquanto Washington e Pyongyang discutem o significado do documento, e um retorno aos testes colocaria sérias dúvidas sobre o futuro do processo.

Novo governo Bolsonaro 'bate o martelo' para criar Ministério da Cidadania, diz Onyx

access_time14/11/2018 10:02

O ministro que coordena a transição de governo e futuro chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, afirmou nesta quarta-feira (14) que o "martelo está batido" para a criação do "Ministério da Cidadania" no governo de Jair Bolsonaro (PSL). Em entrevista à Rádio Gaúcha, Lorenzoni explicou que a nova pasta cuidará das áreas de desenvolvimento social, direitos humanos e políticas de combate às drogas – atualmente o governo federal tem o ministério do Desenvolvimento Social e o ministério dos Direitos Humanos. Lorenzoni declarou na entrevista que parte do Ministério do Trabalho poderá ficar com a nova estrutura, mas que o modelo será analisado pelo presidente eleito Jair Bolsonaro. "O Ministério do Trabalho ficará junto com a 'produção' ou vai para um outro ministério chamado de Cidadania, que aí tem lá o Desenvolvimento Social, os Direitos Humanos", disse o ministro. "Esse martelo está batido... Ele vai cuidar dos direitos humanos, do desenvolvimento social e vai trazer a Senad [Secretaria Nacional de Políticas Sobre Drogas]... E ele vem para trabalhar com recuperação de drogados", completou. Nas discussões sobre a estrutura do novo governo, chegou a se especular a fusão das pastas de Direitos Humanos e Desenvolvimento Social sob o nome de Ministério da Família, com o senador Magno Malta (PR-ES) entre os cotados para ser ministro. A pasta do Desenvolvimento Social, por exemplo, é responsável pelo programa Bolsa Família e por outras iniciativas na área social, como os programas Progredir e Criança Feliz. Ministério do Trabalho Nesta terça (13), Bolsonaro afirmou em entrevista em Brasília que o Ministério do Trabalho manterá o "status" ministerial, reunido com outras áreas. "Vai ser ministério disso, disso e Trabalho. É igual o Ministério da Indústria e Comércio, é tudo junto, está certo? O que vale é o status", disse o presidente eleito. Questionado sobre a declaração, Lorenzoni explicou que Bolsonaro recebeu "dois desenhos" de estrutura para toda a Esplanada, o que ainda está em análise. Nos dois modelos a atual estrutura do Trabalho terá funções divididas. Segundo o ministro, a futura pasta da Cidadania pode absorver parte das funções do Ministério do Trabalho. "A parte da Secretaria de Políticas Públicas para Emprego e outras que estão conectadas a essa área podem ir para aí [Cidadania]", disse Lorenzoni. A área responsável pela concessão de cartas sindicais poderá ser deslocada para o Ministério da Justiça, cujo titular será o juiz federal Sérgio Moro. Bolsonaro ainda não tomou a decisão. "Num dos desenhos propostos, mas que ele [Bolsonaro] ainda não bateu o martelo, a concessão das cartas sindicais está prevista ir para o Ministério da Justiça, para as mãos do doutor Mouro, porque é um foco permanente de corrupção", declarou Lorenzoni. Produção Lorenzoni também comentou a possibilidade de um governo ter um ministério da "Produção", que poderá absorver parte das atuais funções do Ministério do Trabalho. Segundo ele, esse novo ministério herdaria parte das atribuições do atual Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC). A futura pasta da Economia deverá ficar com a área de comércio exterior do MDIC. "A parte do comércio exterior iria lá para a Fazenda [Economia] e a parte do MDiC que não lida com comércio exterior ficaria com o ministério da Produção", explicou. A equipe de transição pretende apresentar os modelos de primeiro escalão a Bolsonaro nesta quarta para que ele possa avaliar as mudanças nos próximos dias. Saúde Lorenzoni reforçou que o deputado federal Luiz Mandetta (DEM-MS) é o favorito para ser o Ministro da Saúde do governo de Jair Bolsonaro. O parlamentar tem a "preferência" do presidente eleito, conforme Lorenzoni.

Governador eleito em MT anuncia extinção de 9 secretarias e demissão de 3 mil servidores comissionados

access_time13/11/2018 07:50

O governador eleito de Mato Grosso, Mauro Mendes (DEM), anunciou nesta segunda-feira (12) a extinção de nove secretarias assim que tomar posse, em 1º de janeiro de 2019. Além disso, três mil servidores que ocupam cargos comissionados, contratados e de função gratificada serão demitidos. Serão extintas as secretarias de Cidades, Agricultura Familiar e Assuntos Fundiários, Planejamento, os gabinetes de Assuntos Estratégicos, Articulação e Desenvolvimento Regional, Transparência e Combate à Corrupção, Comunicação, e de Governo, além da Casa Militar. A Casa Civil ficará responsável pela Comunicação, Governo, Articulação e Desenvolvimento Regional e Assuntos Estratégicos. A Controladoria Geral do Estado passa a responder também pelo Gabinete de Transparência e Combate à Corrupção, enquanto a Secretaria de Desenvolvimento Econômico responderá pela Agricultura Familiar e Assuntos Fundiários. Veja a estrutura administrativa proposta pelo governador eleito: Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão - Seplag Secretaria de Estado de Justiça- Sejus Secretaria de Estado de Cidadania, Assistência Social e Direitos Humanos - Setasdh Secretaria de Estado de Educação- Seduc Secretaria de Estado de Cultura, Turismo, Esportes e Lazer - Sectel Secretaria de Estado de Fazenda - Sefaz Secretaria de Estado de Meio Ambiente - Sema Secretaria de Estado de Segurança Pública Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação - Secitec Secretaria de Estado de Saúde - SES Secretaria de Estado de Infraestrutura, Logística e Obras Públicas - Sintra Casa Civil Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico Controladoria Geral do Estado - CGE Procuradoria Geral do Estado - PGE

Novo ataque de Israel contra palestinos mata 2 em Gaza

access_time12/11/2018 15:14

O governo de Israel informou que dezenas de foguetes foram lançados da Faixa de Gaza contra áreas do sul israelense, ao que respondeu enviando caças para destruir "alvos terroristas" no território palestino, nesta segunda-feira (12). Dois palestinos morreram nos ataques israelenses, segundo o Ministério da Saúde local. Sirenes de alerta foram acionadas no sul de Israel e um ônibus israelense foi atingido pelos projéteis palestinos, segundo o exército israelense. O "Iron Dome", sistema de interceptação de mísseis dos israelenses, foi ativado. Até então, a calma parecia ter voltado à fronteira entre Israel e Gaza após a operação secreta israelense na Faixa de Gaza que foi descoberta e levou a combates que resultaram na morte de um comandante do Hamas, seis outros militantes palestinos e um coronel israelense. Palestinos lançaram 17 foguetes contra o sul de Israel na noite de domingo em reação à incursão e a ataques aéreos que o Hamas, o principal grupo armado de Gaza, disse terem visado cobrir o recuo de um carro usado pelos soldados israelenses. Não surgiram relatos de feridos ou danos em Israel, mas os militares disseram que um coronel, identificado somente como "M", foi morto na operação e que outro militar ficou ferido. Violência A violência tem irrompido com regularidade na fronteira Israel-Gaza desde que palestinos iniciaram protestos no local em 30 de março para exigir direitos a terras perdidas na guerra de 1948 que levou à fundação de Israel. Disparos israelenses mataram mais de 220 palestinos desde o início das manifestações, que incluíram invasões pela cerca da divisa de Israel. O Hamas disse que, durante os confrontos de domingo, agressores em um veículo em movimento abriram fogo contra um grupo de seus homens armados e mataram um de seus comandantes locais, Nour Baraka. Em seguida houve uma perseguição, e testemunhas afirmaram que aeronaves israelenses dispararam mais de 40 mísseis na área. Autoridades palestinas disseram que, além de Baraka, cinco outros homens do Hamas e um membro dos Comitês de Resistência Popular foram mortos. Em uma tentativa aparente de apaziguar as tensões, o principal porta-voz dos militares de Israel disse que as forças especiais não foram acionadas para assassinar comandantes do Hamas, uma tática que intensificou conflitos no passado e que foi praticamente descartada.

'Tremendo sucesso', diz Trump após eleição de meio de mandato nos EUA

access_time07/11/2018 08:35

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou nesta quarta-feira (7) que as eleições de meio de mantado foram um "tremendo sucesso". O comentário foi feito no Twitter, horas depois do fechamento das urnas, antes mesmo da apuração oficial. O resultado da eleição foi uma derrota parcial para o governo Trump, já que o partido Democrata perdeu maioria na Câmara, apesar de ter conquistado cadeiras no Senado. O partido Democrata, adversário de Trump, conquistou maioria na Câmara dos Representantes pela primeira vez em oito anos. Os republicanos, no entanto, ampliaram sua vantagem no Senado. As "midterms", eleições de meio de mandato, são consideradas umas espécie de plebiscito sobre o governo. O pleito elegeu uma nova Câmara, renovou um terço do Senado, além de mais de 75% dos governos estaduais. Até agora, os republicanos mantinham maioria nas duas casas, o que facilitava a aprovação da agenda presidencial. Todas as 435 cadeiras da Câmara estavam em disputa, e um partido precisava de 218 eleitos para garantir a maioria. Para os democratas, isso significava ter que "roubar" 24 postos de seus adversários, o que eles conseguiram. No momento em que os democratas conseguiram 219, o Partido Republicano somava 193 deputados eleitos. Com o domínio democrata na Câmara, os opositores de Trump também passarão a ocupar mais cargos nas comissões internas e prometem ampliar as investigações sobre seu governo. Alguns destaques desta eleição: A democrata Alexandria Ocasio-Cortez, de Nova York, se tornou a mulher mais jovem a ser eleita para a Câmara, aos 29 anos. As democratas Ilhan Omar, de Minnesota, e Rashid Tlaib, de Michigan, se tornaram as primeiras mulheres muçulmanas eleitas para a Câmara. As democratas Deb Haaland, do Novo México, e Sharice Davids, de Kansas, são as primeiras mulheres de origem indígena a se elegerem para a Câmara. Em Mississippi, nenhum candidato obteve 50% dos votos na eleição especial para a segunda vaga do Senado, e uma nova votação será realizada em 27 de novembro. Bernie Sanders, ex-pré-candidato à presidência, conquistou com facilidade seu terceiro mandato como senador por Vermont. O republicano Ted Cruz, ex-pré-candidato à presidência, manteve sua vaga no Senado em uma das mais acirradas disputas deste ano, ao vencer Beto O’Rourke. Greg Pence, irmão mais velho do vice-presidente Mike Pence, foi eleito para a Câmara por Indiana. Jared Polis, do Partido Democrata, se tornou o primeiro governador abertamente gay dos EUA ao vencer a disputa em Colorado.

Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

access_time07/11/2018 08:18

No segundo dia em Brasília após a vitória no segundo turno, o presidente eleito Jair Bolsonaro inicia hoje (7) formalmente o governo de transição ao se reunir, à tarde, com o presidente Michel Temer. Paralelamente, vários ministros já confirmados na futura gestão estão em Brasília para despachos e reuniões. Bolsonaro começa o dia com um café da manhã com o comandante da Aeronáutica, o brigadeiro Nivaldo Luiz Rossato. Ele também tem agendados encontros com os presidentes do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, e do Superior Tribunal de Justiça (STJ), João Otávio de Noronha. Às 16h será a primeira vez que Bolsonaro e Temer se encontrarão para selar o início simbólico do governo de transição. Em várias ocasiões, o presidente eleito elogiou o antecessor por estar repassando informações e facilitando para a equipe que assumirá em 2019. Equipes dos dois presidentes trabalharão juntas para reunir dados e sanar dúvidas, no esforço de dirimir dificuldades para o governo eleito até o final de dezembro. Por parte de Bolsonaro, 27 pessoas, inclusive cinco sem remuneração, foram nomeadas e estão trabalhando.  As equipes vão atuar em 10 frentes de trabalho, divididas por eixos temáticos, sob a coordenação dos ministros extraordinário Onyx Lorenzoni e da Casa Civil, Eliseu Padilha. Temas de economia, segurança, política e social serão abordados. A previsão é analisar as questões em três etapas: avaliação, diagnóstico e considerações para eventuais propostas de mudanças.     Bolsonaro pretende ir hoje (7) ao Centro Cultural do Banco do Brasil (CCBB), onde funcionará o governo de transição. O local, que fica a 8 quilômetros da Esplanada dos Ministérios e 4 do Palácio do Planalto, serve de gabinete de transição desde a primeira eleição do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Onyx Lorenzoni é nomeado ministro extraordinário de Bolsonaro

access_time05/11/2018 06:56

O deputado federal Onyx Lorenzoni (DEM-RS) foi nomeado, nesta segunda-feira (5), ministro extraordinário do governo de transição do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL). A nomeação, assinada pelo presidente Michel Temer e o ministro Eliseu Padilha, foi publicada na edição desta segunda do "Diário Oficial da União". Um dos principais articuladores da candidatura de Bolsonaro e um dos coordenadores da campanha, Onyx Lorenzoni já foi anunciado pelo presidente eleito como futuro chefe da Casa Civil. Desde que Bolsonaro venceu a eleição presidencial no último domingo (28), Onyx passou a comandar o processo de transição do novo governo. Na última semana, ele se reuniu quase diariamente com o presidente eleito no Rio de Janeiro, onde Bolsonaro reside com a família. O futuro presidente poderá indicar até 50 pessoas para cargos temporários na equipe de transição. Entre esses nomes está o de Onyx Lorenzoni, que se licenciará do mandato de deputado a partir do ano que vem para assumir o comando da Casa Civil. Transição A equipe de transição de Bolsonaro passará a despachar, a partir desta segunda-feira, na sede do Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) em Brasília. São 22 gabinetes para a equipe do presidente eleito, além de sala de reuniões e auditório. Bolsonaro confirmou que vai a Brasília nesta terça-feira (6). Na quarta (7), o presidente eleito vai encontrar o presidente Michel Temer. Os ministérios de Temer abasteceram um sistema eletrônico com informações gerais e sigilosas para a nova equipe. Os integrantes terão acesso às contas, programas e projetos do governo federal e vão mergulhar nos números. Eles também receberão celulares para acessar o sistema "governa". Novo ministério Veja quem são os cinco ministros que já foram anunciados pelo presidente eleito: Onyx Lorenzoni (Casa Civil) Paulo Guedes (Economia) General Augusto Heleno (Defesa) Marcos Pontes (Ciência e Tecnologia) Sérgio Moro (Justiça e Segurança Pública)

Kassab colocará general na presidência dos Correios

access_time03/11/2018 15:01

O ministro de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, confirmou neste domingo (3) que o general Juarez Aparecido de Paula Cunha assumirá a presidência dos Correios. O atual presidente, Carlos Fortner, ocupará a vice-presidência de operações da estatal. Segundo Kassab, a mudança é interna e não tem relação com o novo governo. “O general já está lá nos Correios há quase um ano, é o presidente do Conselho de Administração, é um quadro dos Correios”, disse o ministro por telefone. Kassab também afirmou que não tratou da mudança com ninguém da equipe do presidente eleito Jair Bolsonaro. “A mudança não tem impacto na gestão. E a partir de janeiro o novo governo coloca quem eles quiserem na presidência”, disse. A informação sobre a troca do comando dos Correios foi publicada pelo jornal “O Estado de S.Paulo” e confirmada pela reportagem. Fortner assumiu a presidência dos Correios em maio deste ano, quando o antigo presidente Guilherme Campos saiu para concorrer nas Eleições. Durante a campanha eleitoral Bolsonaro chegou a dizer que os Correios estavam na lista de estatais que poderiam ser privatizadas. O atual presidente da empresa, Carlos Fortner, já se declarou contrário à privatização.

Saúde de MT deve receber investimentos de quase R$ 170 milhões da bancada federal

access_time31/10/2018 08:27

Mato Grosso deve receber um recurso de R$ 169 milhões por meio da emenda impositiva definida pela bancada do estado em Brasília, juntamente com o governador eleito Mauro Mendes (DEM), em uma reunião realizada, nesta terça-feira (30), no Congresso Nacional. O recurso oriundo do orçamento do governo federal terá, segundo Mendes, uma contrapartida estadual no valor de R$ 88 milhões. A emenda impositiva é obrigatória. Portanto, a indicação feita pelos deputados federais em comum acordo com o governo do estado faz com que o recurso chegue diretamente à área destinada. Segundo Mauro Mendes, parte do recurso também será destinada aos Hospitais Regionais. “Precisamos melhorar a saúde no interior e assim, melhoraremos a saúda na capital, pois a população terá condições de ser atendida nos polos”, disse. Além do recurso total, definido por todos os deputados, cada um deles tem direito à destinação de mais R$ 15 milhões. Segundo o deputado Adilton Sachetti (PRB), outros R$ 7,5 milhões devem ser destinados à saúde de Mato Grosso, por indicação dele. “É necessário investir na saúde do estado “, afirmou.