ALUGAR CAMPO
Notícias recentes
Sepultada no Nortão estudante de Direito que morreu engasgada com lanche

Sepultada no Nortão estudante de Direito que morreu engasgada com lanche

access_time20/09/2023 06:14

O corpo de Jeniffer da Silva Moreira, 19 anos, foi sepultado ontem no cemitério municipal de Alta Fl

Polícia Civil prende suspeito de diversos abusos sexuais contra crianças e adolescentes em Nova Santa Helena

Polícia Civil prende suspeito de diversos abusos sexuais contra crianças e adolescentes em Nova Santa Helena

access_time19/10/2023 12:24

Um homem suspeito de abusar sexualmente de diversas crianças e adolescentes no município de Nova

Entraves no ambiente de negócios geram custo adicional de R$ 1,7 trilhão para empresas brasileiras

Entraves no ambiente de negócios geram custo adicional de R$ 1,7 trilhão para empresas brasileiras

access_time25/06/2023 07:28

A soma de fatores que travam o crescimento da economia brasileira atingiu a marca de R$ 1,7 trilhão,

POLÍTICA

Pacheco cita soltura de traficantes em MT e defende Congresso

access_time16/04/2024 10:30

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), negou que o Congresso Nacional tenha responsabilidade no episódio que garantiu a liberdade a dois traficantes em Mato Grosso. Acusar injustamente o Congresso Nacional não vou permitir. Aquilo que temos responsabilidade, assumimos A dupla foi pega com 420 quilos de drogas em Porto Espiridião, região de fronteira com a Bolívia. A Justiça Federal deu liberdade provisória para os dois, mas eles foram presos após a repercussão negativa. Um dos críticos foi o governador Mauro Mendes (União). “Isso é um absurdo. Ou o Congresso Nacional faz alguma coisa ou vamos entregar esse país para o bandido”, disse. Na sessão de segunda-feira (15), a senadora Margareth Buzetti (PSD) também citou o caso e criticou a legislação penal brasileira. As falas irritaram Pacheco, que atribuiu a soltura à Justiça brasileira e não a possível "conivência" do Congresso. “Nós sabemos das nossas deficiências e aquilo que precisamos mudar. Há, sim, muita coisa na lei penal que podemos mudar. Mas acusar injustamente o Congresso Nacional não vou permitir. Aquilo que temos responsabilidade, assumimos”, disse. “E é responsabilidade nossa eventuais deficiências legislativas e estamos corrigindo várias. Agora, esse tipo de situação, de fato, diz respeito ao poder judiciário: ao juiz, promotor, ao delegado de polícia. Porque leis para coibir esse tipo de situação estão colocadas à disposição dos órgãos de persecução criminal”, acrescentou. Pacheco citou que as leis penais do País já combatem os crimes relacionados ao tráfico de drogas.   “O Poder Legislativo brasileiro coloca a serviço do Brasil uma lei antidrogas que prevê como crime hediondo o tráfico de drogas, leis processuais que prevê a prisão em flagrante a conversão da prisão em flagrante em preventiva, busca e apreensão, interceptação telefônica... Tudo isso está concebido no arcabouço legislativo que põe como instrumento próprio para combater a criminalidade", afirmou. Veja declaração de Pacheco:   O caso Os acusados Marcos Antônio Rodrigues Lopes e Rosivaldo Herrera Poquiviqui Durante foram presos no sábado (6) na Operação Protetor das Fronteiras e Divisas e a Operação Ágata, em Porto Esperidião (a 358 km de Cuiabá). A decisão de soltura foi assinada no domingo (7).  No despacho, o magistrado escreveu que "ao que tudo indica" os dois homens são pobres, seriam somente “mulas” e teriam aceitado fazer o transporte para obter dinheiro fácil. Eles confessaram que receberiam R$ 30 mil pelo trabalho. No mesmo dia (8), porém, o juiz titular da Vara, Francisco Antonio de Moura Junior, revogou a determinação do colega e mandou prender novamente os dois traficantes.

Senado brasileiro deve votar nesta terça PEC para criminalizar porte de drogas em qualquer quantidade

access_time16/04/2024 08:14

O Senado brasileiro deverá votar nesta terça-feira (16) uma Proposta de Emenda à Constituição que visa criminalizar a posse e o porte de qualquer quantidade de droga ilícita. A proposta, de autoria do presidente da Casa, Rodrigo Pacheco, foi aprovada na Comissão de Constituição e Justiça e é vista como uma resposta ao STF (Supremo Tribunal Federal) em relação à possível descriminalização do porte de maconha para uso pessoal — julgamento foi interrompido com cinco votos a favor e três contra. No Senado, antes de ser submetida à votação em primeiro turno, a proposta passou por cinco sessões de discussão no plenário. Após a primeira votação, o texto ainda será debatido em mais duas sessões. Para ser aprovada, a PEC precisa do apoio de pelo menos dois terços dos senadores, ou seja, 54 votos, após dois turnos de deliberação. A data da votação em segundo turno ainda não foi definida. Caso seja aprovada, a proposta seguirá para a Câmara dos Deputados. A PEC propõe a inclusão de um texto no artigo 5º da Constituição, estabelecendo como crime a posse e o porte de entorpecentes e drogas afins sem autorização, independentemente da quantidade. Durante as discussões na Comissão de Constituição e Justiça, o relator Efraim Filho (União-PB) incluiu uma emenda para diferenciar claramente traficantes de usuários de drogas, deixando a cargo da polícia determinar essa distinção com base nas circunstâncias de cada caso. Além disso, ele especificou que os usuários devem receber penas alternativas à prisão e tratamento para dependência química. *Reportagem produzida com auxílio de IA

Mendes defende autonomia dos estados: “Lei federal é frouxa”

access_time14/04/2024 14:19

O governador Mauro Mendes (União) defendeu que os estados brasileiros tenham autonomia para fazer sua própria legislação penal como forma de melhorar a Segurança Pública. Que a União crie as regras para os presídios federais e dê aos estados brasileiros a capacidade de criar suas próprias regras para os presos Mendes esteve em Brasília na semana passada para se reunir com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG). Lá ele defendeu o pacote de leis de autoria da senadora Margareth Buzetti, que propõe endurecimento das penas para organizações criminosas e a mudança na legislação penal. “Que a União crie as regras para os presídios federais e dê aos estados brasileiros a capacidade de criar suas próprias regras para os presos que nós pagamos a conta. Nós que pagamos a Polícia Penal para cuidar desses presos, então nada mais justo que nós criarmos essas regras sob os quais eles irão cumprir as penas”, afirmou à imprensa. “Defendo, a exemplo do que acontece em alguns países democráticos como os Estados Unidos, que cada Estado faça sua legislação penal. Porque, como digo sempre, as leis federais são muito frouxas”, completou. Mendes tem criticado assiduamente a forma branda que a legislação brasileira funciona. Segundo ele, este é o principal motivo da criminalidade ter aumentado no país. Para o governador, a solução deve vir de uma abordagem nova. “O velho discurso e velha tentativa de solução tem produzido sistematicamente o aumento da violência no país”, disse. Após a reunião Mendes afirmou que Pacheco se mostrou interessado nos projetos da senadora e criou uma comissão para analisar o pacote de leis. “Ele ouviu atentamente, interagiu e discutiu. Ele também compreende que precisamos fazer algo diferente, porque qualquer brasileiro que tem o mínimo de bom senso sabe que precisamos fazer algo de novo”, afirmou. “Acredito que são sementes que são plantadas, infelizmente tudo no Brasil é muito lento”, completou.

“Lula não ajudou com R$ 1; dinheiro aplicado na BR-163 é de MT”

access_time28/03/2024 10:42

O líder do Governo na Assembleia, deputado Dilmar Dal’Bosco (União), rebateu o colega Valdir Barranco (PT) e disse que o Governo Lula (PT) não investiu R$ 1 na duplicação da BR-163. O dinheiro que está sendo aplicado na rodovia é exclusivamente do Governo do Estado" Em meados de março, o governador Mauro Mendes (União) liberou um trecho de 15 quilômetros duplicados da rodovia em Diamantino, na altura do Posto Gil, a Sinop. Dias depois, Barranco publicou um vídeo, no Instagram, atribuindo a duplicação ao Governo Federal. “Não é verdade. O Governo Federal não ajudou em um real. A BR-163 nunca foi duplicada pelo Governo Federal no trecho de Diamantino a Sinop”, disse Dilmar à imprensa. O trecho faz parte da concessão da Nova Rota do Oeste, que é administrada pela MT Par, autarquia do Governo Estadual. A concessão foi assumida pelo Governo no ano passado, em um evento com a presença do presidente Lula. Dilmar lembrou que as tratativas para que houvesse a transferência ao Estado começou ainda na gestão Jair Bolsonaro (PL). À época, a Assembleia Legislativa aprovou projetos de aporte orçamentárias à MT Par para viabilizar as obras na via, que era conhecida como a “rodovia da morte”. “Em 2022, a Assembleia Legislativa aprovou rubrica orçamentária para a MT Par ter dinheiro para investir na concessão da BR-163. Em 2023, nós aprovamos R$ 1,6 bilhão para BR-163”, disse. “Então, o dinheiro que está sendo aplicado na rodovia é exclusivamente do Governo do Estado de Mato Grosso, por meio da nossa arrecadação tributaria que sai dinheiro da fonte 100, do Fethab, e do pedágio. Não tem um centavo do Governo Federal”, emendou. Empolgação Questionado se o deputado Barranco agiu com “má intenção” ao divulgar o vídeo, Dilmar amenizou. “Não quero falar dessa maneira. Muitas vezes, a pessoa, na empolgação, fala dessa maneira. È normal”, disse.

Tailândia aprova casamento entre pessoas do mesmo sexo

access_time27/03/2024 12:11

O parlamento tailandês aprovou nesta quarta-feira (27), por maioria, o projeto de lei de igualdade de casamento (ou seja, pessoas em relacionamentos homoafetivos poderão se casar). A decisão é histórica, visto que o país é um dos mais liberais da Ásia. Assim, torna-se o terceiro do continente a legalizar a união de pessoas do mesmo sexo, depois de Taiwan e Nepal. A nova lei foi aprovada na terceira e última leitura com 399 votos a favor, dez contra e duas abstenções na Câmara dos Deputados, dominada pela coligação governamental liderada pelo partido Pheu Thai. Durante o momento da discussão na sessão, alguns deputados usaram bandeiras e acessórios com as cores do arco-íris, símbolo da comunidade LGBTQIA+, e celebraram a decisão com aplausos e abraços. Entre as mudanças fundamentais da legislação está a denominação do casamento, não sendo necessário mais “um homem e uma mulher”, mas “duas pessoas”, além da transformação no estatuto jurídico de “marido e mulher” para “casal”. Outra modificação foi garantir às uniões homoafetivas os mesmos direitos dos casais heterossexuais. Apesar de já ter sido aprovada, o texto só entrará em vigor no final do ano, visto que algumas etapas formais ainda precisam ser realizadas antes de se tornar lei, de fato, como o rei da Tailândia assinar a publicação no Diário Oficial do Estado com auxílio do respaldo final do Senado. A Tailândia é considerada o país com uma das maiores comunidades LGBTQIA+ de toda a Ásia. Todavia, ativistas ainda acreditam que as leis conservadoras tailandesas não refletem, de fato, as mudanças dentro da sociedade.

Vereador Chiquinho aboiador falou da viagem a Cuiabá na busca de recursos para Peixoto

access_time20/03/2024 09:32

Em sessão na última segunda-feira (18), o vereador Francisco Pereira Mendes (Chiquinho Aboiador) falou de suas indicações apresentadas na Câmara. Segundo o vereador a indicação da construção de campos sintéticos no município de Peixoto de Azevedo vem de encontro ao anseio da população. Veja o vídeo:

Vereador Gleison cobra patrolamento e melhorias nas ruas de Peixoto e estradas de União do Norte

access_time20/03/2024 09:09

Em entrevista coletiva aos meios de comunicação o vereador Gleison Noleto cobrou do poder executivo municipal melhorias nas ruas urbanas de Peixoto de Azevedo, e também patrolamento e cascalhamento de alguns travessões que estão intrafegáveis em União do Norte. Veja o vídeo:

Bolsonaro vai visitar Aldeia Parecis

access_time19/03/2024 08:10

O Ex-presidente Jair Bolsonaro visitará Cuiabá no dia 8 de abril, coincidindo com seu aniversário, Bolsonaro estará em Cuiabá para um ato ao lado do deputado federal Abílio Brunini e da advogada Flávia Moretti, ambos pré-candidatos a prefeito pelo Partido Liberal em Cuiabá e Várzea Grande, respectivamente. No mesmo dia, o ex-presidente seguirá para Diamantino, onde participará de um evento no final da tarde. No dia seguinte, Bolsonaro se dirigirá a Campo Novo dos Parecis para a abertura da Parecis SuperAgro. Em conversa com o Jornalista Bruno Pinheiro, Bolsonaro revelou que fará uma visita às aldeias dos Parecis, na região de Campo Novo dos Parecis.  “Parecis, nós iremos lá, tem convite do pessoal, são pessoas que usam maquinários e tem o seu dinheiro. Estão cada vez mais independentes e querem essa liberdade. Então está previsto irmos até lá”, disse o ex-presidente.  O ex-presidente retornará a Mato Grosso na segunda quinzena de abril para outra visita, desta vez a Sinop, no dia 17, onde participará da Norte Show.

Rússia vai às urnas a partir desta sexta em uma eleição sem surpresa que dará a Putin mais seis anos de mandato

access_time15/03/2024 10:58

A partir desta sexta-feira, 15, os russos vão às urnas em uma eleição sem surpresa que dará a Vladimir Putin, atual presidente, mais seis anos à frente do país. Segundo as pesquisas, ele aparece como mais de 80% das intenções de votos. Neste ano, a votação vai durar por três dias, e se estender até domingo, 17, uma opção introduzida durante a pandemia de Covid-19, que a oposição considera fraudulenta, bem como o voto eletrônico, que um terço do eleitorado poderá exercer. Ao todo, 112 milhões de russos foram convocados para votar e, na quinta-feira, 15, Putin fez um apelo aos cidadãos e pediu para que eles participem das eleições e demostrem seu patriotismo, no que ele descreveu como “um passo para o futuro”, enfatizando que os soldados que lutam na Ucrânia “bravamente e heroicamente defendendo a pátria e participando das eleições estão dando um exemplo para todos nós”. Boris Nadezhdin, anteriormente a única figura anti-guerra, foi impedido de concorrer pela Comissão Eleitoral Central (CEC). A candidata Yekaterina Duntsova também foi rejeitada pelo órgão que controla rigorosamente os candidatos às eleições. À Jovem Pan, o especialista Valdir da Silva Bezerra, mestre em relações internacionais pela Universidade Estatal de São Petersburgo, fala sobre as expectativas das eleições na Rússia. “Não existe nenhum tipo de surpresa a respeito dos resultados. Alguns críticos dizem que as eleições presidenciais na Rússia nos últimos anos se tornaram procedimento de aclamação, não é bem uma disputa, porque não existe nenhum candidato concorrendo com o Putin que tenha alguma capacidade de fazer frente a ele”, fala o especialista, ressaltando que outros candidatos poderiam ser um risco maior à Putin, mas foram impedidos de participar pela Comissão Eleitoral Central (CEC). Putin está no pode desde 2000. A votação permitirá que ele permaneça até 2030 e, após uma reforma constitucional, poderá ser candidato novamente e seguir no comando do país até 2036, quando terá 84 anos. As regiões anexadas por Moscou na Ucrânia e Transnístria, território separatista pró-russo da Moldávia, também foram convocadas para votar. Nos territórios ucranianos anexados, a votação antecipada começou nos últimos dias de fevereiro. “Não se trata apenas da eleição de um presidente, está em jogo o destino da Rússia, o que fazer no futuro. A propósito, em grande parte (essas eleições) determinarão como o mundo se desenvolverá”, disse Ela Pamfilova, presidente da CEC, acusada de manipular os resultados das eleições desde que assumiu o cargo em 2016. Os especialistas ouvidos pela Jovem Pan, falam que a comunidade internacional não aceitará a votação nas regiões anexadas, porém, não há o que fazer. “Do ponto de vista do direito internacional, não tem legetimidadeA comunidade internacional não reconheceu a anexação dessas regiões, portanto, qualquer tipo de eleição que seja feita ali, vai ter representatividade dentro da Rússia para o governo Putin, mas não vai ter uma representatividade internacional”, fala Valdir Bezerra. Leandro Consentino, cientista político e professor do Insper, reforça que não existe “um governo mundial, um juiz mundial que diga o que é certo ou errado, o que é legal ou não, o que faz com que não seja fácil apontar o que é certo ou não”, e que Putin vai usar isso para dizer que ele venceu como presidente em regiões que não pertenciam à Rússia, mas que agora são. Mostrando sua força nos territórios. “Ele vai usar isso como se fosse um atestado de legalidade de que aquelas regiões pertencem, sim, à Rússia e prova disse é que estão participando do processo eleitoral e referendam a liderança dele mesmo como prova de que ele estava correto desde sempre”, finaliza. Manifestações previstas para os dias de votação Yulia Navalnaya, viúva de Alexei Navalny, morto no dia 16 de março, prometeu dar continuidade a luta do marido e convocou os russos a votarem em qualquer candidato, exceto Putin. As mulheres dos soldados russos enviados para a Ucrânia, que pedem seu retorno, aderiram ao apelo. “O mundo precisa aceitar, de uma vez por todas, que Putin não é quem parece ser. Na realidade, ele é um usurpador, um tirano, um criminoso de guerra e um assassino”, disse Yulia Navalnaya, viúva do falecido líder opositor Alexey Navalny, em artigo publicado esta semana no jornal “The Washington Post”. A Procuradoria de Moscou alertou que não toleraria nenhum tipo de ação de protesto durante a votação. A morte de Navanly, principal opositor de Putin, aconteceu há um mês das eleições, sendo o ponto mais alto da campanha do líder russo, que é apontado pelos familiares da vítima e o Ocidente como o responsável pela morte. A oposição russa está se dirigindo aos líderes, parlamentos e sociedades ocidentais com uma única exigência: não reconhecer as eleições “totalmente falsificadas, cujo único objetivo é manter o poder”. Eles afirmaram que “nunca houve eleições tão criminosas na Rússia, pois elas ocorrem quando as tropas russas estão violando a lei internacional e cometendo crimes de guerra na Ucrânia”. “Não estamos pedindo que as embaixadas sejam fechadas”, afirmaram, acrescentando que, no mínimo, os países ocidentais “não deveriam reconhecer as eleições como legítimas”. “O Ocidente não deve reconhecer os resultados. Reconhecer Putin como chefe de Estado após as eleições será um sinal de fraqueza”, disseram.

Maduro é escolhido candidato e vai buscar 3º mandato na Venezuela

access_time12/03/2024 13:32

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, foi escolhido por seu partido para buscar o terceiro mandato consecutivo nas eleições de 28 de julho, enquanto a oposição está contra as cordas para definir seu candidato. Reunido em assembleias em diferentes estados, o governante Partido Socialista da Venezuela (PSUV) optou por Maduro, 61 anos, que figurava como candidato natural dentro do chavismo, no qual ninguém desafiou sua candidatura. Vice-presidente do PSUV, Diosdado Cabello publicou na rede social X: “As bases do PSUV decidiram, Nicolás Maduro candidato presidencial, 4.240.032 participaram.” A proclamação oficial está prevista para o próximo dia 15. Cabello havia dito na semana passada que estava certo de que Maduro seria o candidato “por consenso” do PSUV. Ele está em campanha há semanas e aumentou suas aparições em público, o que não era habitual, assim como os anúncios de programas sociais “de nova geração”, que incluem a distribuição de sapatos e colchões para setores vulneráveis. A oposição, por sua vez, deve definir um candidato, diante da inabilitação política de María Corina Machado, que venceu com folga em outubro as primárias da principal coalizão, a Plataforma Unitária. Embora Machado insista em que será candidata, na prática sua candidatura está descartada. A habilitação de candidatos foi um dos pontos mais polêmicos dos diálogos entre governo e oposição, com mediação da Noruega. As duas partes assinaram um acordo em Barbados em outubro para organizar a eleição, com a presença de observadores internacionais. O chavismo completou em fevereiro 25 anos no poder, os últimos 11 liderados por Maduro, após a morte de Hugo Chávez, em 2013. A reeleição do chavista em 2018 foi chamada de fraudulenta pela oposição – que boicotou a votação -, pela União Europeia e pelos Estados Unidos, que impuseram uma bateria de sanções para tentar tirá-lo do poder. A data das eleições coincide com o 11º aniversário da morte do presidente Chávez (1999-2013). A inscrição oficial dos candidatos acontecerá de 21 a 25 de março e a campanha eleitoral está prevista para 4 a 25 de julho. *Com informações da AFP