anuncie aqui vermelho
Notícias recentes
Partidos pedem no Supremo a suspensão de ato que aprovou cédula de R$ 200

Partidos pedem no Supremo a suspensão de ato que aprovou cédula de R$ 200

access_time22/08/2020 21:39

O PSB, o Podemos e a Rede Sustentabilidade pediram que o STF reconheça a inconstitucionalidade da de

Mendes desafia “deputados que falam merda

Mendes desafia “deputados que falam merda": "Provem ou renunciem"

access_time16/04/2021 09:34

O governador Mauro Mendes (DEM) desafiou, nesta sexta-feira (16), o deputado federal José Medeiros (

TCE concorda com pagamento de 2% da RGA aos servidores de MT desde que governo cumpra obrigações financeiras junto aos Poderes

TCE concorda com pagamento de 2% da RGA aos servidores de MT desde que governo cumpra obrigações financeiras junto aos Poderes

access_time27/11/2018 07:54

Os conselheiros do Tribunal de Contas Estadual (TCE) autorizaram o governo de Mato Grosso a conceder

SAÚDE

Governo investe R$ 8 milhões em obra e entrega ampliação do Hospital Regional de Colíder

access_time27/07/2021 14:08

O governador Mauro Mendes e o secretário de Saúde, Gilberto Figueiredo, entregam nesta quinta-feira (29/07) a ala ampliada do Hospital Regional de Colíder. A inauguração da nova ala está marcada para 14 horas e faz parte da agenda que o governador cumprirá no município e em Guarantã do Norte no mesmo dia. Após a solenidade, o governador e o secretário atenderão a imprensa em entrevista coletiva. Para a construção da nova ala foram investidos R$ 8 milhões, já para a aquisição de móveis e equipamentos, o governo investiu mais R$ 1,5 milhão. A ampliação contou com incremento de 1,17 mil metros quadrados ao hospital. Serão 20 novos leitos de enfermaria na unidade, que é referência para seis municípios da região.

Estudo: anticorpos de quem teve covid-19 não protegem contra variante

access_time23/07/2021 09:19

Estudo internacional com participação de pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) revela um mecanismo que explica o motivo pelo qual ocorrem as reinfecções de covid-19. Testes em laboratório mostraram que a variante Gamma, anteriormente conhecida como P.1, originada no Brasil, é capaz de escapar dos anticorpos neutralizantes que são gerados pelo sistema imunológico a partir de uma infecção anterior com outras variantes do coronavírus. Os pesquisadores destacam, no entanto, que os resultados foram obtidos in vitro, ou seja, em laboratório. Além disso, o estudo não inclui outros tipos de resposta imune do organismo, como imunidade celular. “É fundamental entender que pessoas infectadas podem ser infectadas novamente”, aponta William Marciel de Souza, da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da USP, primeiro autor do artigo. O trabalho foi publicado como artigo na revista científica The Lancet em 8 de julho. Foram analisadas amostras do plasma de pacientes que tiveram a doença, e também de pessoas imunizadas pela vacina CoronaVac. “A pesquisa mostra que pessoas que foram vacinadas ainda estão suscetíveis à infecção, se você tomou a vacina continue usando máscara, continue com distanciamento social, continue usando as medidas de higiene para evitar a transmissão para outras pessoas”, aconselha o pesquisador. Souza lembra que os estudos clínicos mostram a eficiência da CoronaVac contra formas graves da doença, reduzindo internações e mortes. “A vacina não é contra infecção, infecção pode acontecer a qualquer momento, com qualquer vacina, o objetivo da vacina é contra a doença, a forma grave, da pessoa morrer, ter sequelas graves.” Outros estudos O pesquisador citou outro estudo que analisou casos de covid-19 em idosos moradores de um convento e uma casa de repouso. Ele aponta que, embora os locais fossem pouco movimentados, o vírus entrou nessas moradias e infectou as pessoas com mais 70 anos que estavam vacinadas. “Mesmo com idade bem avançada quase todos foram assintomáticos ou com sintomas leves, não precisaram de hospitalização. Isso mostra a importância das vacinas.” Sobre a variante Delta, Souza aponta que os estudos também vêm demonstrando a proteção contra formas mais graves da doença. “Mesmo locais com alta taxa de vacinação, por exemplo os Estados Unidos, em que hoje a Delta é a linhagem mais dominante, o número de mortes e hospitalizados não aumentou mesmo com a introdução dela.”

Quinta-feira (22): Mato Grosso registra 479.705 casos e 12.576 óbitos por Covid-19

access_time22/07/2021 17:06

A Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT) notificou, até a tarde desta quinta-feira (22.07), 479.705 casos confirmados da Covid-19 em Mato Grosso, sendo registrados 12.576 óbitos em decorrência do coronavírus no Estado. Foram notificadas 1.265 novas confirmações de casos de coronavírus no Estado. Dos 479.705 casos confirmados da Covid-19 em Mato Grosso, 10.774 estão em isolamento domiciliar e 454.834 estão recuperados. Entre casos confirmados, suspeitos e descartados para a Covid-19, há 406 internações em UTIs públicas e 292 em enfermarias públicas. Isto é, a taxa de ocupação está em 72,11% para UTIs adulto e em 34% para enfermarias adulto. Dentre os dez municípios com maior número de casos de Covid-19 estão: Cuiabá (97.875), Rondonópolis (33.987), Várzea Grande (32.166), Sinop (23.152), Sorriso (16.794), Tangará da Serra (16.431), Lucas do Rio Verde (14.388), Primavera do Leste (12.484), Cáceres (10.450) e Barra do Garças (9.526). A lista detalhada com todas as cidades que já registraram casos da Covid-19 em Mato Grosso pode ser acessada por meio do Painel Interativo da Covid-19, disponível neste link. O documento ainda aponta que um total de 371.701 amostras já foram avaliadas pelo Laboratório Central do Estado (Lacen-MT) e que, atualmente, restam 609 amostras em análise laboratorial. Cenário nacional Na quarta-feira (21.07), o Governo Federal confirmou o total de 19.473.954 casos da Covid-19 no Brasil e 545.604 óbitos oriundos da doença. No levantamento do dia anterior, o país tinha 19.419.437 casos da Covid-19 no Brasil e 544.180 óbitos confirmados de pessoas infectadas pelo coronavírus. Até o fechamento deste material, o Ministério da Saúde não divulgou os dados atualizados desta quinta-feira (22.07). Recomendações Já existem vacinas para prevenir a infecção pelo novo coronavírus, mas ainda é importante adotar algumas medidas de distanciamento e biossegurança. Os sites da SES e do Ministério da Saúde dispõem de informações oficiais acerca da Covid-19. A orientação é de que não sejam divulgadas informações inverídicas, pois as notícias falsas causam pânico e atrapalham a condução dos trabalhos pelos serviços de saúde. O Ministério da Saúde orienta os cuidados básicos para reduzir o risco geral de contrair ou transmitir infecções respiratórias agudas, incluindo o novo vírus. Entre as medidas estão: - Lavar as mãos frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos. Se não houver água e sabão, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool; - Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas; - Evitar contato próximo com pessoas doentes; - Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo; - Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com frequência. DOWNLOAD  Painel Epidemiológico 501

MT contabiliza mais de 473 mil casos e 12 mil vidas perdidas

access_time18/07/2021 12:00

A Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT) notificou, até a tarde deste sábado (17), 473.288 casos confirmados da Covid-19 em Mato Grosso, sendo registrados 12.449 óbitos em decorrência do coronavírus no estado. Foram notificadas 869 novas confirmações de casos de coronavírus no estado e 13 mortes nas últimas 24 horas. Dos 473.288 casos confirmados da Covid-19 em Mato Grosso, 10.053 estão em isolamento domiciliar e 449.273 estão recuperados. Entre casos confirmados, suspeitos e descartados para a Covid-19, há 418 internações em UTIs públicas e 298 em enfermarias públicas. Isto é, a taxa de ocupação está em 75,59% para UTIs adulto e em 35% para enfermarias adulto. Dentre os dez municípios com maior número de casos de Covid-19 estão: Cuiabá (96.901), Rondonópolis (33.682), Várzea Grande (31.820), Sinop (22.805), Sorriso (16.620), Tangará da Serra (16.141), Lucas do Rio Verde (14.266), Primavera do Leste (12.211), Cáceres (10.311) e Barra do Garças (9.201). O documento ainda aponta que um total de 369.769 amostras já foram avaliadas pelo Laboratório Central do Estado (Lacen-MT) e que, atualmente, restam 477 amostras em análise laboratorial.

Governo vai realizar 138 mil procedimentos em todo Estado

access_time16/07/2021 07:15

O Governo de Mato Grosso lançou, nesta quinta-feira (15.07), o programa Mais MT Cirurgias, que tem o objetivo de reduzir drasticamente a fila por procedimentos eletivos no estado. Com um investimento de aproximadamente R$ 105 milhões, será possível realizar 138 mil procedimentos. A primeira-dama Virginia Mendes acompanhou o lançamento do programa, ao lado do governador Mauro Mendes. “O Governo do Estado está implementando um alto nível de incentivo a parte do que já é pago com base na tabela do Sistema Único de Saúde [SUS], tendo em vista que ela está defasada desde 2002. Queríamos ter lançado esse programa em junho do ano passado mas entrou a pandemia. Nosso objetivo é zerar a atual fila de cirurgia represada de Mato Grosso, dos últimos 3 anos”, disse o governador.  Por meio do novo programa, serão disponibilizadas cirurgias, consultas e exames. “O programa era um anseio nosso, mas precisou ser adiado devido a pandemia. Agora com uma curva descendente dos casos de hospitalização estamos lançando o Mais MT Cirurgias para conseguirmos parceiros que já são grandes executores de procedimentos eletivos, tem prestadores de serviços com capacidade técnica ociosa e que estão à disposição para que possamos aplicar recurso nesse serviço através de um incentivo financiamento do Governo do Estado”, pontua o secretário Estadual de Saúde, Gilberto Figueiredo. Presente no lançamento do Programa, o presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (AL-MT), Max Russi, reforçou a importância do retorno dos procedimentos. “Nós recebemos muito cobrança na Assembleia e sei que o governador tinha esse desejo de retornar, mas o projeto precisou ser adiado. O governo do estado tem avançado em todas as áreas e esse recurso vai dar tranquilidade para uma mãe ou um filho que aguarda o procedimento em casa”, avaliou o deputado. O deputado federal, Neri Gueller, parabenizou a gestão estadual pelo aporte financeiro para dar agilidade no atendimento da demanda reprimida. “Eu tenho agido e atuado fortemente com o governador Mauro Mendes e o secretário Gilberto. Com isso, nós estamos conseguido avançar muito. Os R$120 milhões que consegui desde o início do mandato na Câmara Federal e trouxemos para Mato Grosso tem chegado no ponto e isso é muito importante para a população”, acrescentou o parlamentar. As cirurgias previstas contemplam as especialidades de Geniturinário, Aparelho Digestivo, Ortopedia, Cardiovascular, Neurocirurgia e Oftalmologia. Dentre os exames de alta complexidade, estão: Ressonância Magnética, Ultrassonografia com Dopper, Tomografia Computadorizada, Cintilografia, Eletroneuromiografia, Arteriografia, Cateterismo e Colangiopancreatofiaendoscópica. Acesso ao incentivo financeiro O aporte financeiro de R$ 105 milhões poderá ser acessado por qualquer estabelecimento de saúde, seja público ou privado, que se adeque às regras estabelecidas pela SES. Entre os requisitos para acessar o incentivo está o credenciamento do hospital junto ao Sistema Único de Saúde (SUS), a especificação do quantitativo de procedimentos eletivos a serem atendidos e o serviço a ser executado deve ser complementar às pactuações já existentes na unidade.  O repasse do valor será realizado pós-produção. A ação terá como base a tabela do SUS e os incentivos serão de acordo com a complexidade de cada procedimento. Para integrar o programa, também é fundamental a alimentação dos sistemas oficiais de faturamento do Ministério da Saúde.  Os municípios interessados no incentivo deverão acessar um link que será disponibilizado no site da SES. Após criação de login, a unidade deverá inserir sua proposta para análise e validação da Secretaria.  As propostas deverão ser apresentadas em até 60 dias pelas unidades de saúde, gestões municipais ou Consórcios Intermunicipais de Saúde. Nova história na Saúde O Presidente do Conselho de Secretarias Municipais de Saúde de Mato Grosso (Cosems-MT) e secretário de Saúde de Nova Ubiratã, Marco Antonio Norberto, acredita que está sendo construído uma nova história na saúde pública do Estado. “Mesmo numa pandemia a gestão estadual tem trabalho muito. Está notório o avanço que estamos tendo na saúde pública de Mato Grosso. Parabenizo a equipe da SES que se debruçou nesse trabalho por vários meses”, ressaltou Marco Antônio. Para o prefeito de Poxoréu, Nelson Antônio Paim, o programa vai resolver o problema da região sul do Estado, o qual ele faz parte. “Estávamos ansiosos por esse retorno das cirurgias, pois existem muitas pessoas que estavam aguardando na fila e o programa nos deixa feliz, principalmente por possibilitar a contratação com vários prestadores do serviço. Isso vai resolver o problema da região, vai dar encaminhamento às nossas demandas”, acredita o gestor. Também participaram do evento o secretário-chefe da Casa Civil, Mauro Carvalho, o secretário Controlador Geral, Emerson Hideki Hayashida, os deputados estaduais Sebastião Rezende, Nininho, Doutor Eugênio, Xuxu Dal Molin, além da suplente do Senado Federal, Margareth Buzetti, e representantes dos consórcios Municipais de Saúde e prefeitos.

UFRJ desenvolve teste de baixo custo para detecção de covid-19

access_time15/07/2021 06:39

Pesquisadores da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) desenvolveram um teste rápido e de baixo custo que detecta a presença do SARS-CoV-2, o novo coronavírus, no organismo por meio de amostras de saliva e secreção nasal. O resultado sai em menos de uma hora e custa R$ 30. O Lamp-COVID-19, que foi desenvolvido por cientistas do Instituto de Bioquímica Médica (IBqM/UFRJ) e do campus Duque de Caxias da UFRJ, identifica pedaços de RNA do coronavírus. A eficácia do novo teste em comparação ao PCR tradicional é de 100%, segundo a UFRJ. Ainda de acordo com a UFRJ, o exame pode ser realizado em lugares com pouca infraestrutura e o resultado é conferido a partir da cor exibida. Se a amostra ficar rosa, o resultado é negativo. Se ficar amarela, é positivo. “Queremos tornar possível a comercialização dos testes, por isso estamos em busca de parceiros que nos ajudem a produzir em larga escala. O SUS, nosso Sistema Único de Saúde, é a meta prioritária, pois dessa forma poderemos contribuir para o maior acesso da população ao diagnóstico e cooperar para o enfrentamento da pandemia em nosso país”, afirma a pesquisadora Fabiana Ávila Carneiro.

Quarta-feira (14): Mato Grosso registra 469.274 casos e 12.393 óbitos por Covid-19

access_time14/07/2021 17:16

A Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT) notificou, até a tarde desta quarta-feira (14.07), 469.274 casos confirmados da Covid-19 em Mato Grosso, sendo registrados 12.393 óbitos em decorrência do coronavírus no Estado. Foram notificadas 1.677 novas confirmações de casos de coronavírus no Estado. Dos 469.274 casos confirmados da Covid-19 em Mato Grosso, 9.077 estão em isolamento domiciliar e 446.314 estão recuperados. Entre casos confirmados, suspeitos e descartados para a Covid-19, há 390 internações em UTIs públicas e 258 em enfermarias públicas. Isto é, a taxa de ocupação está em 71,17% para UTIs adulto e em 29% para enfermarias adulto. Dentre os dez municípios com maior número de casos de Covid-19 estão: Cuiabá (96.195), Rondonópolis (33.345), Várzea Grande (31.589), Sinop (22.618), Sorriso (16.418), Tangará da Serra (15.984), Lucas do Rio Verde (14.186), Primavera do Leste (12.067), Cáceres (10.215) e Barra do Garças (9.124). A lista detalhada com todas as cidades que já registraram casos da Covid-19 em Mato Grosso pode ser acessada por meio do Painel Interativo da Covid-19, disponível neste link. O documento ainda aponta que um total de 367.095 amostras já foram avaliadas pelo Laboratório Central do Estado (Lacen-MT) e que, atualmente, restam 806 amostras em análise laboratorial. Cenário nacional Na terça-feira (13.07), o Governo Federal confirmou o total de 19.151.993 casos da Covid-19 no Brasil e 535.838 óbitos oriundos da doença. No levantamento do dia anterior, o país tinha 19.106.971 casos da Covid-19 no Brasil e 534.233 óbitos confirmados de pessoas infectadas pelo coronavírus. Até o fechamento deste material, o Ministério da Saúde não divulgou os dados atualizados desta quarta-feira (14.07). Recomendações Já existem vacinas para prevenir a infecção pelo novo coronavírus, mas ainda é importante adotar algumas medidas de distanciamento e biossegurança. Os sites da SES e do Ministério da Saúde dispõem de informações oficiais acerca da Covid-19. A orientação é de que não sejam divulgadas informações inverídicas, pois as notícias falsas causam pânico e atrapalham a condução dos trabalhos pelos serviços de saúde. O Ministério da Saúde orienta os cuidados básicos para reduzir o risco geral de contrair ou transmitir infecções respiratórias agudas, incluindo o novo vírus. Entre as medidas estão: - Lavar as mãos frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos. Se não houver água e sabão, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool; - Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas; - Evitar contato próximo com pessoas doentes; - Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo; - Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com frequência.

Governo de MT já pactuou 92% das doses recebidas; veja quanto cada município aplicou

access_time14/07/2021 06:24

O Governo de Mato Grosso recebeu, até a manhã desta terça-feira (13.07), 2.120.000 doses das vacinas contra Covid-19 do Ministério da Saúde e já pactuou a distribuição de 1.952.155 doses aos 141 municípios do Estado, ou seja, 92% do total recebido. O Estado reteve 166.955 doses de vacina, que são destinadas para segunda aplicação e devem ser distribuídas próximas da vacinação. A disponibilização das doses é resultado da soma da primeira e segunda doses (1.891.206), acrescida das doses destinadas às populações indígenas aldeadas (54.120) e dos arredondamentos técnicos (6.829) necessários para o ajuste volumétrico dos frascos disponibilizados pelo Ministério da Saúde.   Das 1.891.206 doses retiradas pelos municípios, as prefeituras aplicaram 1.532.950 (86%), sendo 1.133.705 como primeira dose, 350.615 como segunda dose e 48.630 aplicações como dose única. O percentual da semana passada era de 89%.   Os 10 municípios que mais aplicaram vacinas, considerando o percentual de doses aplicadas em relação às doses recebidas, foram: Planalto da Serra (100%), Vale de São Domingos (99%), Juína (99%), Torixoréu (99%), Figueirópolis D'Oeste (98%), Nova Guarita (98%), Cocalinho (98%), Arenápolis (98%), Ponte Branca (97%) e Paranaíta (97%).  Confira o ranking completo de aplicação das vacinas no Boletim Informativo nº 492 ou no Painel de Distribuição de Vacinas Covid-19. Considerando as vacinas destinadas à população indígena, alguns municípios podem contabilizar as doses aplicadas em aldeias pertencentes a territórios vizinhos e ultrapassar o limite de 100% da aplicação. A Vigilância Estadual alertou que a utilização de unidades de segunda dose como primeira dose pode comprometer o esquema vacinal da população do município, considerando o fornecimento e as orientações feitas pelo Ministério da Saúde. Sobre a distribuição Na força-tarefa da vacinação, cabe ao Governo do Estado fazer a logística de distribuição, que é definida pela Comissão Intergestores Bipartite de Mato Grosso (CIB-MT), composta por membros do Conselho das Secretarias Municipais de Saúde (Cosems) e da Secretaria Estadual de Saúde (SES-MT). A escolta dos materiais até os 14 polos de distribuição é feita pela Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp), além das Polícias Federal e Rodoviária Federal e do Ministério da Defesa. O Centro Integrado de Operações Aéreas (Ciopaer) também disponibiliza sua frota aérea para dar celeridade à distribuição. É importante ressaltar que o Governo Federal define o total de doses que cada estado recebe. Essa definição ocorre de acordo com a quantidade de pessoas que pertencem aos grupos prioritários e não pela quantidade absoluta da população.DOWNLOAD  Ranking Vacinação 13.07

'Espero melhorar', diz jovem de 19 anos sobre rotina após ter parte do pulmão retirada por fungo causado por narguilé

access_time12/07/2021 08:58

A jovem de 19 anos, Lívian Monteiro, conta que está tentando voltar a rotina depois de passar pela cirurgia que retirou parte do pulmão dela, que estava com um fungo causado pelo uso do narguilé. "Eu espero conseguir voltar aos poucos à minha rotina. Não vai ser a mesma coisa, mas eu espero melhorar. Ainda está complicado", relata. Há três meses, a estudante de Cuiabá descobriu que tinha aspergilose. Na prática, fungo no pulmão. Outro choque na época foi saber que poderia ser resultado de um hábito que parecia só curtição entre amigos: o uso do narguilé. "Uma hora a conta chega, e a conta é alta", disse em um dos vídeos que relatava sobre a doença. Depois do diagnóstico, uma decisão: fazer uma espécie de diário nas redes sociais. Lívian compartilha com os seguidores cada passo do tratamento contra a doença que colocou a vida dela em risco. "A cada três festas que eu ia, três tinham narguilé e em uma eu usava", afirma. A jovem usou o narguilé por três anos. Antes do fungo, ela teve tuberculose. O pneumologista Paulo César Neves explica a relação. "Qualquer agente infeccioso como vírus, bactéria, fungo ou tuberculose, pode sim ter ligação com esse uso de narguilé. O caso da livian é um exemplo do que pode acontecer com pessoas que fazem uso", diz. A jovem conta que mesmo depois da tuberculose voltou a usar o narguilé. "Parei por um tempo, mas depois via as pessoas usando e nao resisti. Acabava pegando uma vez ou outra", conta. Mas a primeira doença deixou sequela: um buraco no lóbo superior do pulmão direito, onde o fungo cresceu. Na cirurgia, os médicos viram que o fungo era maior que o esperado e foram retirados dois dos três lóbos. A capacidade respiratória diminuiu e Lívian precisa diariamente de fisioterapia. O coordenador da Sociedade Brasileira de Pneumologia, Paulo César Correa, afirma que o consumo da fumaça é semelhante ao consumo de 100 a 200 cigarros em uma hora. "O uso vai se tornando cada vez mais frequente e se transforma numa porta de entrada para o tabagismo convencional, seja através do cigarro normal, do cigarro eletrônico ou do consumo mais frequente do narguilé", diz. Especialistas alertam que o aroma atraente leva ao consumo maior. E aí , começa o perigo para a saúde.O narguilé De formato exótico, o narguilé é um grande cachimbo de água que pode ser usado individualmente ou em grupo. Os primeiros registros indicam que nasceu na Índia, no XVIII. Depois de passar pela Pérsia, foi incorporado à cultura dos países árabes. Chegou à Europa e, depois, ao continente americano. Onde está o perigo? Em cima, na fornilha, vai o carvão que queima o tabaco que fica embaixo dele. A queima do tabaco produz uma borra que tem alcatrão. Só que o tabaco - ou fumo - contem nicotina, principal substância ligada à dependência. Uso do narguilé — Foto: Reprodução/Fantástico  Depois da tragada, a fumaça desce para o reservatório de água. A água esfria a fumaça que sobe pela mangueira até a boca. Ao inalar a fumaça, o usuário entra em contato com o alcatrão, a nicotina e monóxido de carbono. De acordo com especialistas, em uma sessão de narguilé, o consumo de fumaça é semelhante a você fumar de cem a duzentos cigarros em uma hora.

Domingo (11): Mato Grosso registra 464.500 casos e 12.312 óbitos por Covid-19

access_time11/07/2021 19:29

A Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT) notificou, até a tarde deste domingo (11.07), 464.500 casos confirmados da Covid-19 em Mato Grosso, sendo registrados 12.312 óbitos em decorrência do coronavírus no Estado. Foram notificadas 326 novas confirmações de casos de coronavírus no Estado. Dos 464.500 casos confirmados da Covid-19 em Mato Grosso, 8.318 estão em isolamento domiciliar e 442.472 estão recuperados. Entre casos confirmados, suspeitos e descartados para a Covid-19, há 388 internações em UTIs públicas e 238 em enfermarias públicas. Isto é, a taxa de ocupação está em 69,66% para UTIs adulto e em 26% para enfermarias adulto. Dentre os dez municípios com maior número de casos de Covid-19 estão: Cuiabá (95.378), Rondonópolis (33.162), Várzea Grande (31.263), Sinop (22.479), Sorriso (16.280), Tangará da Serra (15.899), Lucas do Rio Verde (14.103), Primavera do Leste (11.886), Cáceres (10.090) e Alta Floresta (8.942). A lista detalhada com todas as cidades que já registraram casos da Covid-19 em Mato Grosso pode ser acessada por meio do Painel Interativo da Covid-19, disponível neste link. O documento ainda aponta que um total de 366.254 amostras já foram avaliadas pelo Laboratório Central do Estado (Lacen-MT) e que, atualmente, restam 341 amostras em análise laboratorial. Cenário nacional No sábado (10.07), o Governo Federal confirmou o total de 19.069.003 casos da Covid-19 no Brasil e 532.893 óbitos oriundos da doença. No levantamento do dia anterior, o país tinha 18.962.762 casos da Covid-19 no Brasil e 530.179 óbitos confirmados de pessoas infectadas pelo coronavírus. Até o fechamento deste material, o Ministério da Saúde não divulgou os dados atualizados deste domingo (11.07). Recomendações Já existem vacinas para prevenir a infecção pelo novo coronavírus, mas ainda é importante adotar algumas medidas de distanciamento e biossegurança. Os sites da SES e do Ministério da Saúde dispõem de informações oficiais acerca da Covid-19. A orientação é de que não sejam divulgadas informações inverídicas, pois as notícias falsas causam pânico e atrapalham a condução dos trabalhos pelos serviços de saúde. O Ministério da Saúde orienta os cuidados básicos para reduzir o risco geral de contrair ou transmitir infecções respiratórias agudas, incluindo o novo vírus. Entre as medidas estão: - Lavar as mãos frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos. Se não houver água e sabão, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool; - Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas; - Evitar contato próximo com pessoas doentes; - Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo; - Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com frequência. DOWNLOAD  Painel Epidemiológico 490