Banner Outras
Notícias recentes
Grávida passa mal e da à luz em base de concessionária que administra trecho de BR em MT

Grávida passa mal e da à luz em base de concessionária que administra trecho de BR em MT

access_time16/12/2019 08:25

Uma grávida de 31 anos passou mal e deu à luz logo após ser socorrida em uma base da concessionária

Taiwan tem primeiros casamentos gays da Ásia

Taiwan tem primeiros casamentos gays da Ásia

access_time24/05/2019 09:32

Os primeiros casamentos homossexuais legais na Ásia ocorreram em Taiwan nesta sexta-feira (24), prim

Reunião preparatória para o Desfile de 7 de Setembro em Peixoto de Azevedo

Reunião preparatória para o Desfile de 7 de Setembro em Peixoto de Azevedo

access_time11/08/2018 07:36

As Secretarias Municipais de Educação e Assistência Social realizaram a segunda reunião preparatória

SAÚDE

Tabaco, maconha e cigarro eletrônico elevam riscos relacionados à Covid-19

access_time18/04/2020 13:16

Os riscos do cigarro para a saúde das pessoas são conhecidos, mas a Covid-19 criou novas preocupações para os fumantes. Abaixo, o G1 esclarece dúvidas sobre a ação do coronavírus no organismo dos tabagistas. Dúvidas respondidas pelos especialistas: Quais riscos os fumantes correm em relação aos não fumantes? Como a fumaça age nos pulmões? O que pode acontecer com alguém que fuma e se infecta com o coronavírus? Quem fuma pode ser considerado grupo de risco? Como o cigarro eletrônico afeta os pulmões? E quais riscos ele traz? Como a maconha atua nos pulmões, ela tem os mesmos efeitos que o tabaco? Há diferenças na forma como cachimbo, charuto e narguilé atuam nos pulmões? 1- Quais riscos os fumantes correm em relação aos não fumantes? Fernando Didier, pneumologista do Hospital do Coração (HCor), afirma que uma das preocupações em relação aos fumantes é o fato deles levarem as mãos ao rosto e à boca, tocando em outras superfícies que podem estar contaminadas pelo coronavírus, sem poderem higienizá-las adequadamente enquanto fuma. Jose Miguel Chatkin, presidente da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT), afirma que o tabagismo está associado a desfechos desfavoráveis em Covid-19. "Já foi possível apontar que ser fumante está significativamente relacionado com sintomas mais graves". 2- Como a fumaça age nos pulmões? Didier explica que as fumaças do tabaco, da maconha ou do narguilé, queimadas ou vaporizadas, são nocivas às células respiratórias já nos primeiros contatos. Elas levam à inflamação que se estende do nariz até as estruturas microscópicas responsáveis pela absorção do oxigênio, chamadas de alvéolos. Chatkin explica que o uso prolongado de tabaco, de qualquer maneira, atinge o trato respiratório em toda sua extensão. 3 - O que pode acontecer com alguém que fuma e se infecta com o coronavírus? Didier afirma que apesar de ser recente, pode-se dizer que há um aumento da chance dos pacientes fumantes desenvolverem as formas mais graves ou até chegarem à morte por causa da Covid-19. 4 - Quem fuma pode ser considerado grupo de risco? Segundo Didier, os fumantes são um grupo de risco para a Covid-19. "Quem fuma, quem já fumou ou já tem doença pulmonar crônica identificada é, sim, grupo de risco". Chatkin afirma que os estudos iniciais mostram que o tabagista ativo está associado aos seguintes riscos, quando comparados a uma pessoa não fumante: 1,4 vez maior de sintomas graves 2,4 vezes maior de necessidade de ventilação mecânica Chatkin aponta ainda que há mais facilidade para os tabagistas contraírem o vírus pelos rituais do ato de fumar, envolvendo movimentos repetidos da mão à face. 5 - Como o cigarro eletrônico (vapers) afeta o pulmão? Quais riscos ele traz? Didier explica que o cigarro eletrônico, antes da pandemia, foi associado a dezenas de mortes nos Estados Unidos. Segundo o pneumologista, o dano já acontece nos primeiros minutos de uso. "Isso deixa claro que o mecanismo de agressão pulmonar da fumaça desse dispositivo independe da presença de um vírus". Chatkin diz que o uso de cigarros eletrônicos e os de tabaco aquecido estão relacionados a maior frequência de infecções respiratórias, especialmente virais e possivelmente também ao novo coronavírus. Ele explica que os sintomas mais comuns relatados por usuários deste tipo de cigarros, são: tosse seca, boca seca, garganta seca ou irritada. O médico chama a atenção para a inalação da fumaça por não usuários. "O material exalado pelos usuários de cigarro eletrônico pode ser inalado por outras pessoas, especialmente em ambientes fechados. A inalação passiva de gotículas e substâncias vaporizadas também pode ter efeitos adversos significativos à saúde." 6 - Como a maconha atua no pulmão? Ela tem os mesmos efeitos que o tabaco? Didier fala que há estimativas que afirmam que o dano de um cigarro de maconha equivale a 5 cigarros de tabaco, "porém há alguma compensação pelo fato de serem consumidos menos cigarros de maconha". Chatkin afirma que a folha da maconha é muito semelhante a do tabaco. "Ambas quando são queimadas para produzirem fumaça a ser inaladas, produzem muitos produtos tóxicos. Calcula-se em mais de 7,5 mil substâncias" Segundo o médico, os mais frequentes danos do uso continuado da maconha são neuropsiquiátricos. "Mas também ocasionam sintomas respiratórios, como piora da asma, exacerbações de bronquite crônica". 7- Há diferenças na forma como cachimbo, charuto e narguilé atuam nos pulmões? Segundo Didier, o cachimbo e o charuto trazem risco de câncer de pulmão, bronquite crônica e enfisema menores que o cigarro convencional, um dos motivos é que os consumos deles, normalmente, são feitos em menor frequência e por haver inspiração menos profunda, sem tragar. "Entretanto essas formas são bastante relacionadas a câncer de boca, língua e garganta. O risco de charuto e cachimbo na Covid-19 ainda não foi bem definido, porém acredita-se que qualquer inalação de fumaça traga algum grau de risco adicional". Notas sobre a questão do fumo e a Covid-19 A Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT) diz que o tabagismo causa ou aumenta o risco de complicações de dezenas de doenças, como: as doenças cardiovasculares isquêmicas (insuficiência vascular periférica, infarto do miocárdio e derrame cerebral), as doenças respiratórias (bronquite e enfisema) e diversos tipos de câncer. Sobre a Covid-19 a SBPT afirma que a doença é muito recente e, por esse motivo, ainda não existem evidências fortes sobre a sua relação com o tabagismo. Mas que o observado até agora mostra que o número de pacientes graves, ou seja, que necessitam de UTI, foi maior entre os fumantes. Outro ponto de preocupação da SBPT é o compartilhamento de cigarros que aumentam o risco de contaminação com o coronavírus. Esse compartilhamento pode ser feito com pessoas infectadas, muitas das quais estão assintomáticas ou com poucos sintomas da Covid-19. O Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (Inca) afirma que os tabagistas têm seu sistema respiratório prejudicado pelo fumo, e se infectados pelo coronavírus, podem ter sua saúde ainda mais ameaçada.. "Devido a um possível comprometimento da capacidade pulmonar, o fumante possui mais chances de desenvolver sintomas graves da doença".

Mortes no Brasil por coronavírus passam de 2,2 mil

access_time18/04/2020 13:07

As secretarias estaduais de Saúde divulgaram, até as 11h deste sábado (18), 34.913 casos confirmados do novo coronavírus (Sars-Cov-2) no Brasil, com 2.201 mortes. O Ceará chegou a 2.955 casos e 162 mortes nesta manhã. Na Bahia, a 37ª morte foi confirmada este sábado. A vítima era uma homem de 73 anos com hipertensão e hipotireoidismo. Minas Gerais também registrou novos casos e mortes neste sábado. Agora, o estado tem 1.077 casos confirmados e 37 mortes por Covid-19. O Rio de Janeiro chegou a 341 mortes. O estado registrou o maior aumento proporcional da doença na semana, 130%. São Paulo tem quase 1 mil mortos pela doença. E o Espírito Santo, 28. O balanço mais recente do Ministério da Saúde, divulgado nesta sexta-feira (17), aponta 33.682 casos confirmados e 2.141 mortes. Profissionais da saúde afastados O Brasil registrava ao menos 30 mortes de profissionais de enfermagem causadas pela Covid-19 até esta quarta-feira (15), de acordo com balanço do Conselho Federal de Enfermagem (Cofen). O levantamento retrata o impacto das infecções do novo coronavírus entre enfermeiros, técnicos e assistentes. Outros 4 mil profissionais estão afastados pela doença, sendo 552 com diagnóstico confirmado e mais de 3,5 mil em investigação. Ao todo, já são mais de 4,8 mil denúncias por falta de equipamentos de proteção individual (EPIs) para trabalhar, de acordo com o Cofen (Cofen). Casos pelo mundo Os casos de Covid-19 detectados na Rússia chegaram a quase 37 mil, mais do que o dobro do que na semana passada. O número de mortos superou os 300, quase o triplo do que havia há sete dias. Neste sábado (18), o número de casos novos foi de 4.785, maior marca registrada em 24 horas até o momento. Foi a segunda vez que a contagem diária passou das 4 mil infecções. A Espanha passou neste sábado da marca dos 20 mil mortos por conta do coronavírus - o número exato é de 20.043. Foram 565 nas últimas 24 horas. É o terceiro país com mais falecimentos registrados, atrás apenas de Estados Unidos e Itália. No total, são quase 192 mil infecções.

Recorde de pacientes curados pode ser sinal do fim da pior fase da epidemia da Covid-19 na Itália

access_time18/04/2020 12:53

Ao anunciar a cura de mais de 2.500 contaminados pelo coronavírus em apenas um dia, o chefe da Proteção Civil da Itália, Angelo Borrelli, não escondeu sua satisfação. O país mais castigado pela Covid-19 na Europa observa a quantidade de pacientes diminuir nas UTIs há um mês, o que pode ser um indício do fim da fase mais mortal da epidemia. "Em 3 de abril tínhamos 4.068 pacientes nas UTIs, hoje temos um pouco mais de 2.800", um número inédito desde 20 de março, afirma Franco Locatelli, presidente do Conselho Superior da Saúde da Itália. Segundo ele, "a pressão nos hospitais foi claramente aliviada" nos últimos dias. Na sexta-feira (17), as autoridades ainda anunciaram 575 mortos em 24 horas, aumentando o balanço para 23 mil óbitos desde o início da epidemia. Mas outros dados instigam otimismo no país, como a estabilização da quantidade de doentes. Em Nápoles, Bolonha, Veneza, Florença e Roma esse número vem baixando a cada dia. Além disso, em mais de 65 mil testes realizados em um dia - outro recorde - apenas 5% acusaram positivo ao coronavírus. Para Locatelli, essa é uma prova a mais "da eficácia das medidas de confinamento tomadas para barrar o contágio". "Tudo isso nos ajuda a tomar consciência sobre o grande trabalho realizado nos hospitais e sobre a colaboração dos cidadãos", reitera o presidente do Conselho Superior da Saúde da Itália. Preparação para o desconfinamento Com a quantidade de doentes baixando, a Itália está ansiosa para a saída do confinamento. "Estamos nos preparando para reabrir em 4 de maio", afirma Atilio Fontana, governador da Lombardia, a região mais castigada da Itália pela Covid-19, com 12 mil mortos. Em vigor desde 9 de março, as medidas estritas de confinamento estão em vigor até 3 de maio. Mas o primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, sofre uma forte pressão do empresariado pela reabertura de lojas e comércios. A ideia é apoiada por alguns membros do governo, como a ministra da Família, Elena Bonetti. "Algo precisa mudar nas duas próximas semanas para as crianças. Nossas crianças têm o direito de brincar!", afirmou durante a semana. Já as autoridades do sul do país - menos atingido pelo coronavírus - temem uma volta à normalidade prematura. Vicenzo De Luca, governador da região de Campânia, no sudoeste, afirma que se o "deconfinamento" for permitido à toda a população, ele pode decretar a proibição da entrada de italianos do norte. Sinal de que a vitória contra o coronavírus ainda está longe, comboios militares transportaram na sexta-feira dezenas de corpos de Bergamo à Novara, no norte do país, onde as funerárias não conseguem mais atender à demanda devido à alta quantidade de óbitos. Mais de 150 mil mortes no mundo A pandemia do novo coronavírus causou ao menos 150.142 mortes no mundo desde que teve início em dezembro passado, na China, segundo contagem da agência AFP feita a partir de fontes oficiais na sexta-feira. Desde o começo da epidemia foram contabilizados 2.207.730 casos de contágio em 193 países ou territórios. No entanto, esse número reflete apenas uma parte da totalidade de contágios, devido às políticas díspares dos diferentes países para o diagnóstico de pessoas infectadas. As autoridades consideram que até agora, cerca de 483 mil pessoas se curaram da Covid-19. Os Estados Unidos são o país que mais registraram mortos: são quase 35 mil mortos desde o início da epidemia, na frente da Itália (quase 23 mil mortos), Espanha (mais de 20 mil mortos), França (cerca de 19 mil mortos) e Reino Unido (quase 15 mil mortos). A Europa registra quase 97 mil óbitos e mais de 1,1 milhão de pessoas infectadas. Este balanço foi realizado utilizando dados das autoridades nacionais, compilados pelos escritórios da AFP e com informações da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Casos de dengue em MT aumentam mais de 300% em relação a 2019; 5 pessoas morreram

access_time14/04/2020 10:05

Mato Grosso registrou 17.509 casos de dengue nos três primeiros meses deste ano, conforme dados da Secretaria Estadual de Saúde (SES-MT). Em comparação com o mesmo período de 2019, quando foram 4.038 registros, houve um aumento de 333,6%. O estado está em alerta vermelho. Conforme o boletim epidemiológico, cinco pessoas morreram neste ano por causa da doença, entre elas, uma criança de 5 anos. Duas vítimas eram moradoras Sinop. Já as outras três eram de Lucas do Rio Verde, União do Sul e Vera. Em 2019, ocorreram quatro óbitos em decorrência da dengue. As mortes foram em Sinop, Confresa, Primavera do Leste e São Félix do Araguaia. De acordo com a SES-MT, o município com o maior número de casos é Sinop, com 3.258 registros, seguido de Rondonópolis com 780 notificações, Cuiabá com 288 e Várzea Grande com 54 casos da doença. O único município que apresentou redução no número de casos foi Várzea Grande, que no ano passado havia registrado 70 casos. Rondonópolis e Sinop, que já estão em alerta vermelho, tiveram um aumento de 776% e 602%, respectivamente. Cuiabá também aumentou em 94,5% em comparação com os três primeiros meses do ano passado. Vítimas A primeira morte registrada por dengue neste ano ocorreu em Sinop, no dia 19 de janeiro. Era uma paciente, de 52 anos, que passou mal e foi internada no Hospital Regional. No entanto, morreu dias depois de dar entrada na unidade de saúde. A segunda foi no dia 31 de janeiro. Suzana de Sá Felix Martins, de 28 anos, era moradora de União do Sul. Ela estava internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Regional e o estado de saúde era considerado grave desde quando a doença foi diagnosticada. No dia 11 de março, a estudante de fisioterapia Andressa Monalisa de Oliveira, de 24 anos, morreu por dengue, em Lucas do Rio Verde. Andressa estava internada em um hospital particular da cidade. Luciana Ferreira da Silva, de 18 anos, moradora de Sinop, morreu no dia 16 de março após sofrer uma parada cardíaca em decorrência da doença. A jovem havia apresentado os sintomas e procurado o hospital dois dias antes. A última morte registrada no estado foi no dia 17 do mês passado. A vítima foi uma criança de 5 anos, moradora de Vera. Ela morreu 24 horas após ser internada em estado grave no Hospital Regional de Sorriso. Dicas para evitar a proliferação do mosquito Cobrir caixas d’água, cisternas, poços e evitar entupimentos de calhas Vedar com cimento os cacos de vidro nos muros que podem acumular água Colocar em sacos plásticos, fechar e colocar no lixo copos descartáveis, embalagens, tampas, cascas de ovo e tudo que possa acumular água Não deixar pneus expostos ao tempo, nunca permitindo acúmulo de água dentro deles Usar cloro em piscinas, limpá-las com frequência e cobri-las quando não estiverem em uso Limpar as bandejas externas das geladeiras e ar-condicionado Esvaziar garrafas, latas e baldes. Guardá-los em local coberto Guardar garrafas pet e de vidro sempre com a boca para baixo. Guardá-las em local coberto Lavar semanalmente, com bucha, sabão e água corrente, os vasilhames de alimentação de animais Lavar os pratinhos dos vasos de plantas e colocar areia até a borda. Evitar plantas como as bromélias, que acumulam água

Mato Grosso registra 134 casos confirmados e 4 mortes por Covid-19

access_time14/04/2020 10:00

A Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT) notificou, até a tarde de segunda-feira (13.04), 134 casos confirmados da Covid-19 em Mato Grosso, sendo registrados quatro óbitos em decorrência do coronavírus. A quarta morte foi notificada na manhã desta segunda-feira pelo município de Rondonópolis.  Os casos confirmados estão em Cuiabá (72), Rondonópolis (22), Sinop (11), Várzea Grande (6), Tangará da Serra (5), São José dos Quatro Marcos (2), Cáceres (2), Aripuanã (2), União do Sul (1), Primavera do Leste (1), Nova Mutum (1), Nova Monte Verde (1), Lucas do Rio Verde (1), Lambari D’Oeste (1), Canarana (1), Campo Novo do Parecis (1), Alta Floresta (1) e residentes de outros Estados (3). De domingo para segunda-feira, surgiram novas confirmações nos municípios de Cuiabá (8) e Rondonópolis (3). Dos 134 casos confirmados da Covid-19 em Mato Grosso, 105 estão em isolamento domiciliar, 17 estão recuperados e 8 estão hospitalizados – sendo três em Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e cinco em enfermarias. Considerando o número de casos confirmados em Mato Grosso, 61% dos diagnosticados são do sexo feminino e 39% masculino; além disso, 72 pacientes têm faixa-etária entre 36 a 55 anos. O documento ainda aponta que um total de 1.153 amostras já foram processadas pelo Laboratório Central do Estado (Lacen-MT) e que, atualmente, restam 38 amostras em análise laboratorial. Os pacientes são devidamente acompanhados pelas equipes de Vigilância Epidemiológica do Estado e dos municípios. Mais informações estão detalhadas na Nota Informativa divulgada diariamente pela SES (anexada a este texto), a partir das 17h. Cenário nacional Na segunda-feira (13), o Governo Federal confirmou 23.430 casos da Covid-19 no Brasil e 1.328 óbitos oriundos da doença. No levantamento do dia anterior, divulgado pelo Ministério da Saúde, o país contabilizava 1.223 mortes e 22.169 casos confirmados de pessoas infectadas pelo novo coronavírus. Recomendações Atualmente, não existe vacina para prevenir a infecção pelo novo coronavírus. A melhor maneira de prevenir a infecção é evitar ser exposto ao vírus. Os sites da SES e do Ministério da Saúde dispõem de informações oficiais acerca do novo coronavírus. A orientação é de que não sejam divulgadas informações inverídicas, pois as notícias falsas causam pânico e atrapalham a condução dos trabalhos pelos serviços de saúde. O Ministério da Saúde orienta os cuidados básicos para reduzir o risco geral de contrair ou transmitir infecções respiratórias agudas, incluindo o novo coronavírus. Entre as medidas estão: - Lavar as mãos frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos. Se não houver água e sabão, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool; - Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas; - Evitar contato próximo com pessoas doentes. Ficar em casa quando estiver doente; - Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo; - Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com frequência. Profissionais de saúde devem utilizar medidas de precaução padrão, de contato e de gotículas (máscara cirúrgica, luvas, avental não estéril e óculos de proteção).

China aprova início de testes de vacinas experimentais contra covid-19

access_time14/04/2020 09:57

A China aprovou testes humanos em estágio inicial para duas vacinas experimentais que podem combater o novo coronavírus que já matou mais de 100 mil pessoas em todo o mundo, informou a agência estatal Xinhua nesta terça-feira (14). As vacinas estão sendo desenvolvidas pela Sinovac Biotech, listada na Nasdaq e sediada em Pequim, e pelo Instituto de Produtos Biológicos de Wuhan, uma afiliada do estatal Grupo Farmacêutico Nacional da China. Em março, a China recebeu autorização para outro teste clínico de um candidato a vacina contra a covid-19 desenvolvido pela Academia de Ciências Médicas Militares da China e pela empresa de biotecnologia CanSino Bio, logo após o grupo norte-americano Moderna informar que havia iniciado testes em humanos para a vacina com os Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos.

Governo de MT recebe doação de 100 mil máscaras da AMPA

access_time11/04/2020 09:11

O Governo de Mato Grosso recebeu na noite de quinta-feira (09), cem mil máscaras para auxiliar na prevenção dos profissionais da saúde no combate à pandemia do coronavírus. A doação foi feita pela Associação Mato-grossense dos Produtores de Algodão (AMPA) que ainda entregará mais 820 mil máscaras e equipamentos de proteção individual (EPI). A AMPA importou 500 mil máscaras de uso médico, 320 mil de uso civil e 100 mil máscaras do tipo KN95. Além disso, foram adquiridos dois mil escudos faciais, quatro mil roupas protetivas e cinco mil óculos de segurança. Parte dessas aquisições já estão a caminho do Brasil em diversos lotes. De acordo com o governador Mauro Mendes, esses itens doados serão encaminhados diretamente aos Hospitais. “Os profissionais que estão na linha de frente do combate ao coronavírus precisam estar amparados por estes equipamentos de segurança, por isso a destinação integral a eles”, afirmou. Mauro Mendes ainda agradeceu a iniciativa da AMPA em ajudar o Estado neste momento de extrema necessidade. “A AMPA foi a primeira associação que tomou a iniciativa própria de ajudar o Governo do Estado e estamos muito agradecidos. Queremos que enaltecer o trabalho da entidade e o apoio dos associados nesta ação que vai nos ajudar a enfrentar esta pandemia com mais segurança”, apontou. Para o presidente da AMPA, Paulo Sérgio Aguiar, o momento agora é de união. “Nosso propósito não é somente desenvolver economicamente o Estado, mas também ajudar a todos que necessitam. Além desta doação que estamos fazendo, Muitos produtores de municípios como Primavera, Lucas do Rio Verde, Santo Antônio do Oeste, Rondonópolis estão realizando ações e doações nas regiões que atuam. A entrega do primeiro carregamento de máscaras foi feita na sede da AMPA e contou ainda com a participação do secretário-chefe da Casa Civil, Mauro Carvalho, o diretor executivo da AMPA, Décio Tocantins, e do diretor executivo do Instituto Mato-grossense do Algodão (IMA), Álvaro Salles. Confecção de máscaras Além da aquisição de EPIs, pelo menos 500 mil máscaras de proteção contra o novo coronavírus estão sendo produzidas por costureiras do Projeto Japuíra, desenvolvido pela Associação Mato-grossense dos Produtores de Algodão (AMPA) e pelo Instituto Mato-grossense do Algodão (IMAmt), criado para a formação profissional no segmento de costura industrial. O objetivo da produção dessas máscaras de proteção é fornecê-las para hospitais, população urbana e rural, trabalhadores em geral e para a rede pública de saúde.

Brasil ultrapassa mil mortes por covid-19; 19,6 mil estão infectados

access_time10/04/2020 16:49

O Ministério da Saúde divulgou hoje (10) os números atualizados do novo coronavírus. De acordo com a pasta, o número de infectados, no momento, é de 19.638. o que representa aumento de 1.781 casos em relação ao balanço divulgado ontem (9). Além disso, o número de mortes superou hoje os mil casos. Até o momento, foram registradas 1.056 mortes pela doença. A taxa de letalidade do vírus no Brasil é de 5,4%. O estado de São Paulo ainda concentra o maior número de casos (8.216) e de mortes (540). O Rio de Janeiro vem em segundo lugar, com 2.464 casos e 147 mortes. Na Região Norte, o Amazonas concentra o maior número de casos, com 981, além de 50 mortes. No Nordeste, o Ceará se destaca, com 1.478 casos e 58 mortes. No Centro-Oeste, o Distrito Federal tem o maior número de casos, muito à frente dos demais, com 555 casos e 17 mortes. Os estados do Sul do país apresentam números de casos mais próximos. Santa Catarina é o estado da região com mais casos, 693, e o Rio Grande do Sul com menos casos, 636.

Brasil registra 141 novas mortes por covid-19; total chega a 941

access_time09/04/2020 23:33

O Brasil registrou 141 novas mortes por covid-19 nas últimas 24 horas, totalizando 941 óbitos nesta quinta-feira (9), informa o boletim mais recente do Ministério da Saúde.  O número de casos confirmados em laboratório subiu de 15.927 para 17.857, incremento de 1.930 registros de um dia para o outro. A taxa de letalidade da doença teve leve variação, de 5% ontem para 5,3% hoje. O ministério detalhou hoje as localidades do país com maior incidência de covid-19 (número de infectados a cada 100 mil habitantes).  Aparecem no topo da lista a região de Fortaleza (CE), com 43,9 casos por 100 mil habitantes. Em seguida, aparecem São Paulo (SP), 40,4; Manaus (AM), 28,1; e o Distrito Federal, 16,9. Nestas localidades, o secretário-executivo do Ministério da Saúde, João Gabbardo, afirmou que o governo não recomenda qualquer flexibilização das medidas de distanciamento social adotadas. Quando se observa a mortalidade por covid-19 a cada 100 mil habitantes, a capital paulista é a com a maior incidência: 2,8. Fortaleza aparece na sequência, com uma taxa de 1,5.  Desde o dia 16 de fevereiro, o Brasil já teve 3.871 pessoas internadas por síndrome respiratória aguda grave causada por coronavírus. Isso representa 12% do total de casos confirmados até esta quinta-feira. O balanço de hoje mostra que 78% dos mortos por covid-19 tinham acima de 60 anos. A grande maioria era cardiopata e/ou diabético.  Veja o número casos e óbitos por unidade da federação: São Paulo: 7.480 casos (496 mortes) Rio de Janeiro: 2.216 casos (122 mortes) Ceará: 1.425 casos (55 mortes) Amazonas: 899 casos (40 mortes) Minas Gerais: 655 casos (15 mortes) Rio Grande do Sul: 618 casos (12 mortes) Paraná: 609 casos (22 mortes) Bahia: 559 casos (19 mortes) Pernambuco: 555 casos (56 mortes) Distrito Federal: 527 casos (13 mortes) Santa Catarina: 501 casos (17 mortes) Maranhão: 273 casos (12 mortes) Espírito Santo: 273 casos (6 mortes) Rio Grande do Norte: 261 casos (11 mortes) Goiás: 179 casos (7 mortes) Pará: 168 casos (7 mortes) Amapá: 128 casos (2 mortes) Mato Grosso: 108 casos (2 mortes) Mato Grosso do Sul: 89 casos (2 mortes) Acre: 62 casos (2 mortes) Paraíba: 55 casos (7 mortes) Roraima: 52 casos (1 morte) Sergipe: 39 casos (4 mortes) Piauí: 38 casos (6 mortes) Alagoas: 37 casos (3 mortes) Rondônia: 28 casos (2 mortes) Tocantins: 23 casos

Secretaria de Saúde confirma 108 casos de Covid-19 e duas mortes em MT

access_time09/04/2020 23:24

A Secretaria Estadual de Saúde confirmou nesta quinta-feira (9) que subiu para 108 os casos confirmados de Covid-19 em Mato Grosso e dois óbitos. São 18 casos confirmados a mais que o balanço anterior, divulgado nessa quarta-feira (8). Os casos confirmados são nas seguintes cidades: Cuiabá (58) Rondonópolis (11) Tangará da Serra (5) Várzea Grande (6) Sinop (11) São José dos Quatro Marcos (2) Outros estados (3) Cáceres (2) União do Sul (1) Primavera do Leste (1) Nova Monte Verde (1) Lucas do Rio Verde (1) Nova Mutum (1) Canarana (1) Campo Novo do Parecis (1) Aripuanã (1) Alta Floresta (1) Lambari d Oeste (1) Os pacientes de outros estados referem-se ao caso do paciente residente em Sonora (MS), que foi notificado pela Secretaria Municipal de Saúde de Rondonópolis, o de São Paulo (SP), que foi notificado pela Secretaria Municipal de Saúde de Chapada dos Guimarães e o terceiro a Secretaria Estadual de Saúde não informou de onde veio, mas foi diagnosticado em Pontes e Lacerda. Em Cuiabá, Várzea Grande e Rondonópolis a transmissão é considerada comunitária, casos de transmissão do vírus entre a população onde não pode-se determinar a origem do contágio. O município de Nova Monte Verde não registrou novos casos da Covid-19 após 14 dias da notificação do caso, portanto deixou de configurar como transmissão comunitária. Já em Sinop, Cáceres, Tangará da Serra e São José dos Quatro Marcos a transmissão é local, quando os pacientes não estiveram em nenhum país com registro da doença, mas tiveram contato com outro paciente infectado confirmado. Dos pacientes com diagnóstico da doença em MT, 14 estão internados, sendo que 7 na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Onze fizeram tratamento e se recuperaram da Covid-19. A faixa etária dos pacientes que testaram positivo para o coronavírus é de 44 anos. Do total de casos confirmados, 40% são homens e 60% mulheres. Foram notificados 462 casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave, que engloba pacientes com febre, mesmo que referida, acompanhada de tosse ou dor de garganta, que apresente dispneia (falta de ar) e que esteja hospitalizado. Mortes por Covid-19 O primeiro paciente diagnosticado com o novo coronavírus em Mato Grosso morreu no dia 3 de abril. Luiz Nunes, de 54 anos, que era gerente de um supermercado na cidade, foi internado no dia 29 de março. Fez exame e deu positivo para Covid-19. Ele era hipertenso e diabético e estava internado com síndrome respiratória aguda. Quando deu entrada no hospital, ele disse que tinha viajado para a região sul do país no dia 19 de março. Ele permaneceu internado e morreu quatro dias depois, no Hospital São Lucas. Nessa quarta-feira (8), um idoso diagnosticado com Covid-19 morreu em Cáceres, a 220 km de Cuiabá, segundo a Secretaria Estadual de Saúde (SES). O servidor público aposentado Alípio Pereira de Araújo, de 82 anos, estava internado no Hospital São Luiz e tinha viajado a São Paulo, na companhia da mulher, que também está internada. O paciente e a mulher retornaram de Taboão da Serra, interior de São Paulo, no dia 23 de março. Eles desembarcaram no Aeroporto Marechal Rondon, em Várzea Grande, região metropolitana de Cuiabá, e seguiram para Cáceres em um carro de transporte por aplicativo. No dia 31, eles entraram em contato com os filhos relatando sintomas da doença. E nessa data foram internados. Ela permanece internada, mas, segundo a família, o quadro é estável. Dicas de prevenção contra o coronavírus — Foto: Arte/G1