ALUGAR CAMPO
Notícias recentes
Polícia identifica garimpo ilegal e destrói equipamentos em Paranaíta

Polícia identifica garimpo ilegal e destrói equipamentos em Paranaíta

access_time11/04/2023 08:53

Policiais militares de proteção ambiental localizaram, no último sábado (08), uma área de garimpo il

Bandidos morrem em troca de tiros com policiais durante perseguição em Peixoto

Bandidos morrem em troca de tiros com policiais durante perseguição em Peixoto

access_time24/04/2023 07:36

Dois bandidos morreram em confronto com a Polícia Militar, na noite de sábado (22), em Peixoto de Az

Com fortuna de R$ 7 bilhões, mãe de Blairo Maggi é a 3ª mulher mais rica do Brasil

Com fortuna de R$ 7 bilhões, mãe de Blairo Maggi é a 3ª mulher mais rica do Brasil

access_time16/11/2023 12:50

O ranking de bilionárias divulgado pela revista Forbes colocou Lúcia Borges Maggi, acionista da Amag

Notícias com a tag: Argentina

Moeda única deve aumentar instabilidade do Brasil e da Argentina, afirma economista

access_time23/01/2023 10:57

Nesta segunda-feira, 23, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) cumpre a primeira agenda internacional de seu terceiro mandato. Ele desembarcou na Argentina na noite último domingo para participar da 7ª cúpula da Comunidade de Estados Latinoamericanos e Caribenhos (Celac). Estão previstos encontros bilaterais com o presidente do país, Alberto Fernandez, e com o ditador da Venezuela, Nicolás Maduro. No último sábado, uma carta de Lula e Fernandez foi divulgada citando a possibilidade de criação de uma moeda única da América do Sul para realizar transações exclusivas entre os países do continente, diminuindo a dependência regional do dólar. Para falar sobre o assunto, o diretor de Gestão de Recursos da Nova Futura Corretora, o economista Pedro Paulo Silveira, concedeu uma entrevista ao vivo para o Jornal da Manhã, da Jovem Pan News nesta segunda. “Não dá para pensar em alguma coisa semelhante a uma moeda única entre esses dois países, que hoje têm os seus indicadores macroeconômicos mais importantes prejudicados. A Argentina uma taxa de crescimento que oscila, mas está pressionada para baixo, tem uma situação fiscal bastante ruim. E o Brasil, apesar de estar muito melhor, tem uma situação fiscal ruim, tem um endividamento elevado. E essas questões são importantes para estabilizar a moeda, a taxa de câmbio. Se você já tem problema da taxa de câmbio isoladamente, é pouco provável que você consiga resolver esse problema conjuntamente. A impressão que eu tenho é que, ao colocar junto esses dois países, que têm, vamos dizer assim, uma instabilidade, cada um nas suas moedas, eles vão aumentar a instabilidade conjuntamente. Pode ser uma situação bastante complicado. Eu acho, apesar de serem boas as intenções, que isso não deve andar. A estrada para o inferno está pavimentada de boas intenções. As intenções são ótimas, são maravilhosas, mas por enquanto é difícil aplicar isso de alguma maneira entre esses países que têm tantas vulnerabilidades”, comentou. Questionado sobre a possibilidade de países da América do Sul reduzirem a dependência do dólar, o economista ressaltou que a moeda norte-americana continuará tendo relevância global, independente da criação ou não da moeda comum. “Eu acho que o problema não é só a dependência do dólar. O dólar tem um papel fundamental na economia global e vai continuar tendo mesmo que essa moeda apareça. O que os países latinoamericanos, em particular a Argentina, têm é uma vulnerabilidade externa, que ela não consegue resolver. A Argentina tem problema de déficit de pagamentos. É uma coisa que o Brasil já não vive há bastante tempo. A Argentina não conseguiu resolver esse problema básico. O total de transações que ela faz recebendo do exterior e o que ela paga para o exterior é desfavorável. E isso faz com que, vira e mexe, ela tenha problema com sua dívida externa, tanto o governo como as empresas. Ela tem reservas baixas, tem problema para gerar saúde comercial, tem problema para receber investimento direto. O Brasil não tem mais esse tipo de problema há muito tempo. A fórmula básica é que países como a Argentina resolvam esse desequilíbrio externo para depois pensar numa modificação”, disse Sobre a reaproximação comercial do Brasil com a Argentina, o economista defendeu ser muito importante para ambas nações. “Eu acho que isso é sempre muito importante, a Argentina é o nosso vizinho e é a segunda economia mais importante da América do Sul. É importante termos esse mercado muito próximo da gente. É claro que eles enfrentam muitos problemas, mas vender e comprar mais da Argentina sempre é muito positivo para a gente. Eu acho que isso é importante reestabelecer. Há vários ganhos que nós podemos ter nessas trocas comerciais, em termos de serviços também, então acho que isso tem que ser impulsionado. É diferente de pensar [numa moeda única]… Isso ainda é muito inviável. Nós não temos condição de ajudar os nossos vizinhos. Os nossos vizinhos nesse caso nos atrapalhariam demais. Nessa questão particular não há muito o que fazer”, argumetou Silveira.