ALUGAR CAMPO
Notícias recentes
Adiada por um ano devido à pandemia, Expo Dubai será aberta hoje

Adiada por um ano devido à pandemia, Expo Dubai será aberta hoje

access_time30/09/2021 08:32

Anunciada como o maior evento internacional aberto ao público desde o início da pandemia de covid-19

Indústria recua em 9 dos 15 locais pesquisados pelo IBGE

Indústria recua em 9 dos 15 locais pesquisados pelo IBGE

access_time08/05/2019 08:41

Nove dos 15 locais pesquisados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) tiveram q

Com dois de Nenê, São Paulo bate América-MG e entra no G4

Com dois de Nenê, São Paulo bate América-MG e entra no G4

access_time28/05/2018 07:19

O São Paulo ingressou no G4 do Campeonato Brasileiro durante a noite deste domingo. Jogando no Estád

Notícias com a tag: Brasilia

MPF defende rejeição do pedido da defesa de Lula para encerrar última ação penal contra ele

access_time21/09/2021 09:32

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é réu por suposto crime de tráfico de influência, lavagem de dinheiro e organização criminosa pela compra de 36 caças suecos durante o governo de Dilma Roussef por 4,5 bilhões de dólares. O Ministério Público Federal (MPF) acusa Lula de ter participado da negociação para aquisição das aeronaves. A ação penal é a única que envolve o petista e ainda não foi impactada pela decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que reconheceu o ex-juiz da Lava Jato como incompetente no caso do triplex do Guarujá, em São Paulo. No parecer, o procurador da República no Distrito Federal (DF) Frederico Paiva defendeu que ainda não há uma decisão definitiva do Supremo sobre a extensão da parcialidade de Moro. Ele sinalizou a manutenção da ação penal e o interrogatório dos acusados. Lula é réu no processo junto de um de seus filhos. O ex-presidente seria ouvido em maio pelo justiça sobre o caso, mas teve o depoimento adiado após a defesa pedir a suspensão dos procuradores Frederico Paiva e Hebert Mesquita, por suposto envolvimento com integrantes da Lava Jato. A alegação é de que a ação deve ser encerrada, por se apoiar em provas que já foram consideradas nulas pelo Tribunal Regional Federal da 3ª região. Os advogados de Lula também argumentam que a ação dos caças suecos têm conexão com outro processo arquivado pela Vara Federal de São Paulo, na qual o ex-presidente era acusado por suposto tráfico de influência para favorecer a empreiteira OAS. Os outros processos envolvendo o petista foram suspensos ou encerrados após o entendimento do STF.

Começa mobilização em Sinop com representantes de entidades para ato em apoio a Bolsonaro em Brasília

access_time24/04/2021 06:48

O presidente do Sindicado Rural de Sinop, Ilson José Redivo começou, esta tarde, a mobilização de representantes de entidades para buscar apoio e formar um grupo que participará de um manifesto em apoio ao desenvolvimento do país e ao presidente da república Jair Bolsonaro (sem partido), em Brasília, no “Movimento Brasil Verde e Amarelo”, que está previsto para ocorrer no dia 15 do próximo mês. Hoje, ocorreu uma reunião com o prefeito Roberto Dorner, representantes da câmara de vereadores, ONGs e diretores de entidades, na sede do sindicado, na avenida das Embaúbas. Redivo explicou que ocorreu um compromisso para busca de apoio ao movimento que também será em repúdio às restrições determinadas por governadores e prefeitos como estratégia de enfrentamento à pandemia e as decisões do Supremo Tribunal Federal (STF). “Precisamos restabelecer a governança do nosso país. É uma ação apartidária. Não temos partidos políticos envolvidos. Somos nós, a sociedade civil e as lideranças do nosso Estado lutando por algo maior. Essa é a nossa primeira reunião para formatarmos nossa ida à Brasília”. O movimento também deve ter do setor de transportes. Anteriormente, o presidente da Cooperativa do Caminhoneiros Autônomos de Sinop (Cooperlog), Cleomar José Immich afirmou que objetivo é formar um comboio saindo de Sinop. “A pauta é patriota e não é apenas para defender transporte e o agro. Vamos apoiar o presidente e vamos ter uma pauta mais concreta”.

Ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, é internado em Brasília

access_time28/08/2019 08:52

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, de 44 anos, foi internado no Hospital das Forças Armadas (HFA), em Brasília, por volta das 23h30 desta terça-feira (27). O boletim médico divulgado pelo Ministério da Defesa apontou que o ministro deu entrada na Unidade de Emergência do hospital "com quadro de mal estar", mas sem sintomas. "A equipe assistente optou pela internação hospitalar para realização de exames de rotina. Evoluiu durante o período noturno sem intercorrências clínicas. Atualmente segue com quadro clínico estável." O próximo boletim médico será divulgado às 16h. Questionado por volta das 8h desta quarta-feira, no Palácio da Alvorada, o presidente Jair Bolsonaro disse que não estava sabendo da internação. "O ministro de onde? Não tô sabendo. Ele tá bastante jovem, sei que isso não tem idade, tá... Mas ele não tá na pilha de nervos nessa situação, tá muito bem, estamos conversando, é uma pessoa excepcional... Um ministro exemplar", disse. Salles era esperado para uma cerimônia às 9h desta quarta-feira (28) para a assinatura do Acordo de Cooperação Técnica Águas Jurisdicionais Brasileiras no Gabinete do Comandante da Marinha, em Brasília, com o ministro da Defesa, Fernando Azevedo, e a procuradora-geral da República, Raquel Dodge. O evento foi cancelado. Entrada da unidade de internação do Hospital das Forças Armadas, em Brasília — Foto: Luiza Garonce/G1 Amazônia O ministro do Meio Ambiente tem estado em evidência nos últimos dias por causa das queimadas na Amazônia. Entre janeiro e agosto, as queimadas na floresta aumentaram 82% na comparação com o mesmo período do ano passado, segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). O órgão também constatou que, nos primeiros 21 dias de agosto, os focos de queimadas na região superaram a média para o mês dos últimos 21 anos. Na segunda-feira (26), Salles criticou gestões anteriores e disse que fiscalização não resolve a questão do desmatamento e das queimadas na Amazônia. “Ah, tem que fiscalizar? Bom, mas são 5 milhões de km². Não é como fiscalizar uma praça. É uma área gigantesca. A gente vê o tema da imigração ilegal. A turma não consegue fiscalizar nem a fronteira ali. Quiçá fiscalizar de maneira eficiente um território tão grande. Precisa fazer operação de controle como o governo está fazendo? Sim. Mas só isso vai resolver? Me parece que não.” Também na segunda, Salles afirmou que a decisão da cúpula do G7 em ajudar os países atingidos pelas queimadas da Amazônia é "sempre bem-vinda". Mais tarde, porém, o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, disse que o governo rejeitaria a ajuda financeira. No dia seguinte, o presidente Jair Bolsonaro disse que o francês Emmanuel Macron terá de "retirar insultos" contra ele e contra o Brasil antes de considerar aceitar a ajuda.

Comitiva esteve em Brasília para tratar de Regularização Fundiária

access_time26/06/2018 12:28

Uma comitiva de Novo Mundo esteve nos dias 19 e 20 de junho em Brasília no Palácio do Planalto com secretário de agricultura familiar, Jeferson, responsável pelo Terra Legal Crisley, Coordenador de Regularização Fundiária na Amazônia Legal, Dumont, Superintendente do Incra em Mato Grosso, João Bosco, Senador Wellington Fagundes e Deputado Federal Carlos Bezerra.  A comitiva de Novo Mundo estava composta por vereadores, Prefeito Toni Mafini, Vice Munaro e o procurador do município Doutor João Vidigal, a comitiva tambem visitou os gabinetes dos parlamentares Nilson Leitão (PSDB) e Valtenir Pereira (mdb). A pauta foi a regularização fundiária da Gleba Divisa, onde foi proposto a possibilidade de alteração do decreto da Presidência para possibilitar a efetiva regularização dos assentados que ocupam a referida gleba.  Na ocasião foi proposto que o programa Terra Legal de celeridade nos trabalhos da gleba Nhandu, na liberação dos títulos de propriedade rural para os ocupantes das áreas de expansão. A comitiva saiu confiante com as soluções acordadas entre as lideranças presentes e representantes do programa Terra Legal e do INCRA - Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária.