anuncie aqui
Notícias recentes
Microempreendedor e empresa devem aderir ao eSocial a partir de amanhã

Microempreendedor e empresa devem aderir ao eSocial a partir de amanhã

access_time30/06/2018 20:27

A partir deste domingo (1º), os microempreendedores individuais (MEI) e as micro, pequenas e médias

Solidariedade é o tema do Dia Mundial do Refugiado, celebrado hoje

Solidariedade é o tema do Dia Mundial do Refugiado, celebrado hoje

access_time20/06/2018 08:59

Atualmente, ao redor do mundo, 68,5 milhões de pessoas estão deslocadas de seus lares, vítimas de co

Atividades de combate ao abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes são realizadas em Peixoto de Azevedo

Atividades de combate ao abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes são realizadas em Peixoto de Azevedo

access_time18/05/2018 17:52

A Secretaria Municipal de Assistência Social por meio do CREAS realiza diversas atividades de mobili

Notícias com a tag: EUA

Twitter apaga 10 mil perfis falsos nos EUA

access_time03/11/2018 15:06

A rede social Twitter apagou mais de 10 mil perfis automatizados que postavam mensagens falsamente atribuídas a membros do Partido Democrata, desencorajando os eleitores a irem às urnas nas eleições legislativas dos Estados Unidos, marcadas para o dia 6 de novembro. A medida teria sido tomada após a sigla de oposição alertar a empresa. Em comunicado divulgado nesta sexta-feira (02/11) a empresa afirma ter removido uma série de perfis por "se envolverem em tentativas de compartilhar desinformação de maneira automatizada". A eliminação dessas contas ocorreu entre o final de setembro e o início de outubro. "Para essas eleições, estabelecemos linhas abertas de comunicação e acessos diretos e simples para as autoridades eleitorais nos estados, o Departamento de Segurança Interna e organizações de campanha de ambos os partidos majoritários", dizia a nota. A empresa disse que os perfis aparentemente eram de fora dos Estados Unidos, mas não forneceu maiores detalhes sobre a forma como funcionavam. Há meses o Twitter vem agindo para eliminar contas falsas e automatizadas que visam manipular o debate na rede social, em resposta às preocupações sobre uma suposta interferência russa nas eleições presidenciais americanas de 2016. Em outubro, a plataforma informou que o número de usuários foi reduzido em 9 milhões no último trimestre em razão desses esforços. O número de 10 mil contas apagadas foi mencionado por fontes ligadas ao Partido Democrata. A quantidade é modesta em comparação com os milhões de perfis removidos durante as eleições presidenciais de 2016, os quais o Twitter considerou responsáveis pela disseminação de informações falsas. Mesmo assim, a medida representa uma vitória para o Comitê Congressional Democrata de Campanha (DCCC), um grupo do partido que apoia os candidatos à Câmara dos Representantes. Os esforços do DCCC surgiram como reação à incapacidade dos democratas de agir contra os milhões de perfis no Twitter e em outras redes sociais que espalharam informações negativas ou falsas sobre a candidata à presidência Hillary Clinton na campanha de 2016. O Comitê Nacional do Partido Democrata (DNC) trabalha com um grupo de consultores e parceiros na tentativa de identificar rapidamente as campanhas de desinformação, incluindo empresas que desenvolvem tecnologias capazes de detectar os chamados robôs e mensagens consideradas politicamente tendenciosas. Segundo o DNC, essa colaboração resultou na descoberta de perfis e postagens falsas atribuídas a empresas de mídias sociais e autoridades de campanha. Na próxima terça-feira, os americanos vão eleger parlamentares para todas as 435 cadeiras da Câmara dos Representantes, além de 35 novos senadores de um total de 100, 36 governadores e dezenas de legislaturas estaduais, num pleito que poderá transformar o cenário político do país, com um possível avanço da oposição democrata no Congresso.

EUA anunciam saída do Conselho de Direitos Humanos da ONU

access_time19/06/2018 18:44

Os Estados Unidos se retiraram do Conselho de Direitos Humanos da ONU nesta terça-feira, depois que nenhum outro país "teve coragem de se juntar à nossa luta" para reformar o órgão "hipócrita", disse a embaixadora norte-americana na Organização das Nações Unidas, Nikki Haley. "Ao fazê-lo, quero deixar bem claro que este passo não é um recuo em relação aos nossos compromissos com os direitos humanos", afirmou Haley. Os EUA estavam na metade de um mandato de três anos no principal organismo de direitos humanos da entidade e há tempos vinham ameaçado se desfiliar se este não fosse reformado, acusando o conselho de 47 membros sediado em Genebra de ser anti-Israel. Nikki Haley, embaixadora dos EUA na ONU, fala em reunião do Conselho de Segurança (Foto: Seth Wenig/ AP Photo) Na semana passada a Reuters noticiou que ativistas e diplomatas disseram que as conversas com os EUA sobre uma reforma do órgão não atenderam às exigências de Washington, dando a entender que o governo Trump abandonaria o fórum. A saída de Washington marca a rejeição norte-americana mais recente em engajamento multilateral desde que o país se desligou do acordo climático de Paris e do pacto nuclear com o Irã. Imigrantes que atravessaram a fronteira do México com os EUA aguardam para serem encaminhados a centros de detenção em Rio Grande Valley, no Texas (Foto: Loren Elliott/File Photo/Reuters) Crise com a ONU Os EUA estão enfrentando fortes críticas por deterem crianças separadas de seus pais imigrantes na fronteira EUA-México. Na segunda-feira Zeid Ra'ad al-Hussein, o alto comissário da ONU para os Direitos Humanos, pediu que Washington suspenda sua política "impiedosa". Um ano atrás Haley disse que Washington estava analisando sua filiação ao conselho e pediu uma reforma e a eliminação de um "viés anti-Israel crônico". O conselho criado em 2006 tem como item permanente de sua agenda as supostas violações cometidas por Israel nos territórios palestinos ocupados, item que Washington quer ver removido.