Banner Outras
Notícias recentes
Bombeiros levam cerca de 5 horas para retirar colmeia de escola de música

Bombeiros levam cerca de 5 horas para retirar colmeia de escola de música

access_time01/08/2019 09:12

O Corpo de Bombeiros de Sorriso, a 420 km de Cuiabá, levou cerca de cinco horas para realizar a capt

Jovem de 18 anos morre em hospital com suspeita de dengue hemorrágica em Sinop

Jovem de 18 anos morre em hospital com suspeita de dengue hemorrágica em Sinop

access_time17/03/2020 09:04

Uma jovem morreu nessa segunda-feira (16) com suspeita de dengue hemorrágica enquanto estava interna

Funcionário escreve 'felis' em canteiro de cidade de MT e prefeitura o elogia em post após críticas da população

Funcionário escreve 'felis' em canteiro de cidade de MT e prefeitura o elogia em post após críticas da população

access_time06/12/2018 09:10

Com a proposta de contribuir com o paisagismo de Jaciara, a 143 km de Cuiabá, um funcionário da pref

Notícias com a tag: NovaMarilandia

Presas agridem mãe e madrasta acusadas por morte de criança

access_time29/11/2019 17:26

Fabiola Pinheiro Bracelar e Luana Marques Fernandes – acusadas de torturar até a morte um menino de 3 anos, da qual são madrasta e mãe, respectivamente –, foram agredidas por detentas na tarde desta sexta-feira (29), na Penitenciária Feminina Ana Maria do Couto May, em Cuiabá. As duas mulheres são acusadas do crime de tortura qualificada que resultou na morte da criança, em Nova Marilândia (a 392km de Cuiabá), na noite de terça-feira (26). As duas foram trazidas nesta sexta-feira para Cuiabá por motivo de segurança. Segundo a Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp), elas estão em uma ala diferente das outras detentas que cometeram crimes semelhantes. Conforme apurou a reportagem, duas detentas, revoltadas com o crime de Fabiola e Luana, começaram a agredi-las. Uma equipe de agentes penitenciárias de plantão interveio e evitou o agravamento da situação.  Devido às agressões, Fabiola e Luana ficaram com hematomas no rosto e foram levadas para a formalizar um boletim de ocorrência e posteriormente para o atendimento médico e realização do exame de corpo delito. De acordo com a Sesp, a direção da unidade já separou as duas presidiárias que iniciaram a agressão. O caso Um laudo médico apontou que o menino de 3 anos foi morto por espancamento e esmagamento. A madrasta da criança confessou em depoimento à Polícia Civil que batia no enteado.  Ela foi presa junto com a mãe na noite de terça-feira (26), quando levaram o menino já sem vida para uma unidade de saúde da cidade e em seguida o abandonaram. Segundo a Polícia Civil, Fabiola contou que espancou o menino e o agredia com freqüência, para, segundo ela, “corrigi-lo”, pois ele seria muito arteiro e desobediente. Luana, por sua vez, negou que batesse no filho e disse que no dia em que ele foi espancado pela companheira estava no trabalho. No entanto, o laudo realizado no corpo do menino comprovou que as lesões em seu corpo foram provocadas por uma sessão de espancamento, uma vez que além das lesões externas, o menino estava com vários pontos de hemorragia interna na região do abdômen.

Menino de 3 anos é levado morto para hospital e mãe e namorada são presas suspeitas do crime

access_time27/11/2019 13:52

Duas mulheres foram presas na noite dessa terça-feira (26) suspeitas de serem responsáveis pela morte de um menino de 3 anos em Nova Marilândia/MT. Segundo a Polícia Militar, Davi Gustavo Marques de Souza chegou morto no Pronto Atendimento da cidade. A polícia foi chamada depois que os médicos encontraram hematomas no corpo de Davi e sinais de maus-tratos. Foram presas Luana Marques Fernandes, de 25 anos, e Fabiola Pinheiro Bracelar, 22 anos. Luana é a mãe do menino e Fabiola é a namorada dela. Fabiola teria levado o menino até o hospital e saído deixando a criança com os médicos. A reportagem não localizou a defesa delas. De acordo com a PM, Fabiola e Luana foram encontradas perto da casa delas, no bairro Planalto, onde moravam com Davi. Ao serem questionadas sobre a morte e hematomas na criança, Fabiola negou o crime e disse que não tinha envolvimento, enquanto a mãe chorou. Para os policiais, as duas demonstravam frieza em relação ao falecimento de Davi. De acordo com os médicos, Davi tinha diversos ferimentos pelo corpo. Fabiola contou aos médicos que o menino sentiu dores, como se fosse um infarto, ficou roxa e se contorceu. Ele chegou sem vida na unidade de saúde. Fabiola explicou aos médicos que ele teria sofrido uma queda de bicicleta e, por isso, teria os hematomas pelo corpo. Familiares da criança relataram, depois da morte, que o menino sofria maus-tratos e era espancado. Em outra ocasião, Fabiola já teria atropelado o menino, que teve a perna e costelas quebradas. Conforme a PM, elas foram presas por homicídio doloso (quando há intenção de matar), maus-tratos e omissão de socorro. As duas foram levadas à delegacia de Nortelândia/MT, que fica a aproximadamente 20 km de Nova Marilândia. O corpo do menino foi levado para necrópsia e um laudo deve apontar a causa da morte. A Polícia Civil de Mato Grosso informou a reportagem que o interrogatório das mulheres será feito nesta quarta-feira (27). Algumas testemunhas foram à delegacia e dão depoimentos. Davi Gustavo Marques de Souza, de 3 anos, foi levado morto ao hospital de Nova Marilândia — Foto: Arquivo pessoal