Banner Outras
Notícias recentes
Pai é preso por tentativa de estupro após ser flagrado sem roupa em cama com a filha de 8 anos em MT

Pai é preso por tentativa de estupro após ser flagrado sem roupa em cama com a filha de 8 anos em MT

access_time22/04/2019 08:47

Um pai foi detido na madrugada deste sábado (20) por tentativa de estupro ao ser flagrado sem roupa

Bolsonaro nomeia André Mendonça para a Justiça e Ramagem para a PF

Bolsonaro nomeia André Mendonça para a Justiça e Ramagem para a PF

access_time28/04/2020 10:10

André Luiz de Almeida Mendonça e Alexandre Ramagem Rodrigues são nomeados ministro da Justiça e Segu

Policial federal reage a assalto, mata ladrão a tiros e deixa outro suspeito ferido em Cuiabá, diz polícia

Policial federal reage a assalto, mata ladrão a tiros e deixa outro suspeito ferido em Cuiabá, diz polícia

access_time04/04/2019 08:22

Um policial federal reagiu a um assalto na noite dessa quarta-feira (3) no Bairro Santa Rosa, em Cui

Notícias com a tag: PF

Moro diz que Bolsonaro pediu chefia da PF no Rio: "Você tem 27 superintendências, quero apenas uma"

access_time05/05/2020 19:44

O ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro informou ter recebido uma mensagem do presidente Jair Bolsonaro em que ele cobrava a substituição do superintendente da Polícia Federal no Rio de Janeiro, Carlos Henrique de Oliveira, segundo íntegra do depoimento prestado por Moro e obtido pela Reuters nesta terça-feira. “Moro você tem 27 Superintendências, eu quero apenas uma, a do Rio de Janeiro”, disse Moro no depoimento prestado no sábado em Curitiba, dizendo que a mensagem enviada por Bolsonaro por WhatsApp tinha “mais ou menos” este teor. O depoimento de Moro foi dado no âmbito da investigação sobre pronunciamento em que o ex-ministro, ao apresentar sua demissão do cargo, acusou Bolsonaro de tentar interferir na Polícia Federal. O inquérito tramita perante o Supremo Tribunal Federal (STF). O ex-ministro esclareceu no depoimento que não nomeou e não era consultado sobre as escolhas dos superintendentes da PF. Disse que essa escolha cabia exclusivamente ao então diretor-geral da PF, Maurício Valeixo, e destacou que nem sequer indicou o superintendente da PF do Paraná, Estado de origem dele. A Procuradoria-Geral da República informou nesta terça-feira que vai investigar, no âmbito do STF, a troca do comando da PF no Rio. Nesta manhã, em entrevista a jornalistas, Bolsonaro confirmou a troca do superintendente da PF naquele Estado. PRESSÃO No depoimento, Moro disse que os motivos para a troca do superintendente da PF no Rio deveriam ser questionados ao presidente da República. Ele afirmou ter conversado com Valeixo sobre a solicitação de Bolsonaro e que o então diretor-geral ameaçou se demitir, mas foi demovido. O ex-ministro afirmou que, “principalmente” após a tentativa frustrada de Bolsonaro de trocar o comando da PF no Rio, o “presidente passou a insistir na substituição do diretor da PF, Maurício Valeixo”. Moro disse que Valeixo declarou a ele que “estava cansado” da pressão para a sua substituição e para trocar o superintendente da corporação no Rio. Afirmou que, por esse motivo e também para evitar conflito com o presidente, Valeixo disse que concordaria em sair. “Nesse momento, não havia nenhuma solicitação sobre interferência ou informação de inquéritos que tramitavam no Rio de Janeiro”, declarou. Moro chegou a admitir no depoimento que, apesar da resistência, cogitou aceitar as trocas, desde que o novo diretor-geral da PF fosse “de sua escolha técnica e pessoa não tão próxima ao presidente”. “Depois, porém, entendeu que também não poderia aceitar a troca do SR/RJ (superintendente do Rio de Janeiro) sem causa”, complementou o ex-ministro.

Bolsonaro nomeia braço direito de Ramagem na Abin para comandar PF

access_time04/05/2020 10:53

O presidente Jair Bolsonaro nomeou nesta segunda-feira o delegado Rolando Alexandre de Souza como novo diretor-geral da Polícia Federal, depois de ter tido a indicação de seu nome preferido, Alexandre Ramagem, bloqueada por liminar do Supremo Tribunal Federal (STF). A nomeação foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União nesta segunda-feira para ocupar a vaga que originalmente seria de Ramagen, que é diretor-geral da Agência Brasileira de Inteligência (Abin). Souza era diretor de Planejamento da Abin, o número três da agência, mas um dos principais assessores de Ramagem. Ele foi levado para o cargo por Ramagem em setembro do ano passado. Depois de ter tido sua nomeação barrada por liminar do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo, Ramagem participou diretamente da indicação do novo diretor-geral. A intenção de Bolsonaro, já declarada publicamente, era de indicar novamente Ramagem para o posto. No entanto, uma nova nomeação poderia ser vista como descumprimento de determinação legal — o que é crime de responsabilidade. Além disso, uma nova ação contra a indicação cairia novamente com Moraes, o que deveria levar a um mesmo resultado. Bolsonaro ainda não desistiu de tentar levar Ramagem de volta para a PF. No entanto, o presidente não queria deixar a direção-geral do órgão por muito tempo nas mãos da equipe anterior, montada pelo ex-diretor Maurício Valeixo e o ex-ministro da Justiça, Sergio Moro. Com a derrubada da nomeação de Ramagem, estava à frente da PF Disney Rossetti, ex-número dois de Valeixo. Rossetti chegou a ser indicado para assumir a PF por Moro, quando ficou claro que Bolsonaro exigiria a troca do diretor-geral. Segundo o próprio ex-ministro, ele chegou a indicar Rossetti para que não houvesse uma quebra de continuidade, apesar de afirmar que não conhecia bem o delegado. O presidente negou. A saída de Valeixo e a determinação de Bolsonaro de indicar um nome seu para a PF levaram à demissão do ex-ministro da Justiça, que acusou o presidente de interferência política. Souza foi chefe do núcleo de operações da PF em Rondônia e corregedor do órgão no mesmo Estado, onde conheceu Ramagem, então superintendente da PF. Também foi chefe do Serviço de Repressão a Desvio de Recursos Públicos da PF, em Brasília, e superintendente em Alagoas, onde estava até setembro, quando foi chamado por Ramagem para a Abin.

PF investiga se avião que desapareceu com piloto de MT foi roubado para o narcotráfico

access_time15/08/2019 09:27

A Polícia Federal investiga se o avião que desapareceu com um piloto de Mato Grosso foi roubado para o transporte de drogas. Valmir Nogueira Moreira, de 63 anos, que pilotava a aeronave, decolou de um hangar, em Poconé, a 104 km de Cuiabá, com destino a uma fazenda Corumbá (MS) também desapareceu. A comunicação sobre o desaparecimento foi feita no dia 18 de julho na Central de Ocorrências, em Cuiabá. Depois disso, a investigação foi encaminhada à PF. Um mecânico e dono do hangar em Poconé o levou até cidade e de lá pegou o avião e até hoje não fez contato. Sobre o paradeiro do piloto, a Polícia Civil investiga os últimos contatos do piloto. À família, Valmir disse que retornaria em quatro dias, mas não deu mais notícias. O idoso é piloto agrícola há 35 anos. No período da entressafra, porém, ele estava fazendo trabalhos extras. Na ocasião do desaparecimento, ele levaria uma peça para um avião que estava estragado.