anuncie aqui
Notícias recentes
Serviços essenciais e assuntos financeiros lideram ranking de reclamação do Procon de MT em 2018

Serviços essenciais e assuntos financeiros lideram ranking de reclamação do Procon de MT em 2018

access_time18/02/2019 07:55

Os serviços essenciais e assuntos financeiros lideram o ranking de reclamações do Procon-MT em prime

Polícia prende falso policial que tirava fotos com arma e uniforme da polícia para atrair mulheres

Polícia prende falso policial que tirava fotos com arma e uniforme da polícia para atrair mulheres

access_time07/09/2018 08:22

O jovem que era investigado por compartilhar fotos usando armas, distintivo, uniformes semelhantes à

Homem morre eletrocutado ao tentar podar árvore em União do Norte

Homem morre eletrocutado ao tentar podar árvore em União do Norte

access_time03/09/2018 07:19

Homem morreu eletrocutado na tarde de domingo (02), no travessão III São José União. Abedão Antunes

Notícias com a tag: Petrobras

Roberto Castello Branco aceita convite para presidir Petrobras

access_time19/11/2018 08:12

A assessoria do futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, confirmou nesta segunda-feira (19) que o economista Roberto Castello Branco aceitou o convite para presidir a Petrobras no governo de Jair Bolsonaro. Castello Branco tem pós-doutorado pela Universidade de Chicago e ocupou cargos de direção no Banco Central e na mineradora Vale. Passou pelo Conselho de Administração da Petrobras e é diretor no Centro de Estudos em Crescimento e Desenvolvimento Econômico da Fundação Getúlio Vargas (FGV). Ao longo da campanha presidencial, o economista esteve próximo de Guedes e Bolsonaro e faz parte da equipe de transição. Castello Branco deve substituir o atual presidente da estatal, Ivan Monteiro, que permanece no cargo até a nomeação do economista. Monteiro assumiu a Petrobras em junho com a saída de Pedro Parente. Atualmente no comando da BRF, Parente deixou a estatal após greve dos caminhoneiros, que questionou a política de reajuste dos preços dos combustíveis. Segundo o blog do Valdo Cruz, Monteiro foi sondado para presidir o Banco do Brasil.

TST decide contra a Petrobras em causa trabalhista bilionária

access_time21/06/2018 19:38

O Tribunal Superior do Trabalho (TST) decidiu nesta quinta-feira (21) que a Petrobras não pode incluir no cálculo da base salarial da empresa adicionais como trabalho noturno, periculosidade e horas extras. A decisão, contrária à estatal, pode levar a empresa a desembolsar mais de R$ 15 bilhões para complementar salários de trabalhadores ativos e aposentados, além de elevar a folha de pagamento da estatal em R$ 2 bilhões por ano daqui para a frente. A Petrobras já informou que vai recorrer da decisão. Na ação trabalhista, os funcionários da Petrobras pedem que os pagamentos de adicionais como trabalho noturno e periculosidade sejam retirados do cálculo da base salarial. Sem esses adicionais compondo o piso salarial dos trabalhadores da empresa, a Petrobras será obrigada a complementar o salário de milhares de funcionários. Segundo cálculos da Advocacia-Geral da União (AGU), se o pedido dos trabalhadores for atendido, 59 mil funcionários da estatal terão direito a um aumento salarial de até 35%. De acordo com a assessoria do tribunal, a Petrobras pode apresentar os chamados embargos declaratórios (recurso administrativo) ainda no TST. Além desse recurso administrativo, a empresa pode questionar a decisão no Supremo Tribunal Federal (STF). COMO VOTARAM OS MINISTROS DO TST NO CASO PETROBRAS A favor dos funcionários A favor da Petrobras Alberto Luiz Bresciani Guilherme Augusto Caputo Bastos Mauricio Godinho Delgado Maria de Assis Calsing Walmir Oliveira da Costa Dora Maria da Costa Kátia Magalhães Arruda Márcio Eurico Vitral Amaro Hugo Carlos Scheuermann Ives Gandra da Silva Martins Filho Augusto César Leite de Carvalho Alexandre de Souza Agra Belmonte José Roberto Freire Pimenta Douglas Alencar Rodrigues Delaíde Alves Miranda Arantes Breno Medeiros Cláudio Mascarenhas Brandão Alexandre Luiz Ramos Maria Helena Mallmann Renato de Lacerda Paiva Lelio Bentes Corrêa Emmanoel Pereira Luiz Philippe Vieira de Mello Filho Aloysio Corrêa da Veiga João Batista Brito Pereira Fonte: TST Plenário dividido A decisão dividiu o plenário do TST. Dos ministros que votaram, 12 foram favoráveis à Petrobras e 13 defenderam o pedido feito pelos trabalhadores. O voto decisivo foi o do ministro João Batista Brito Pereira. Em seu voto, o relator do processo, o ministro Alberto Luiz Bresciani, argumentou que a Petrobras não poderia incluir adicionais previstos em lei para compor a sua base salarial, a Remuneração Mínima por Nível e Regime (RMNR), que funciona como um piso salarial para os empregados da Petrobras. Segundo o ministro, o respeito à negociação coletiva não é livre de restrições. “Adicionais por condições especiais e prejudiciais como por periculosidade, insalubridade, trabalho noturno, hora extra, repouso e alimentação, entre outros, não podem ser incluídos na base de cálculo para apuração ou complemento da RMNR”, afirmou o ministro. A ministra revisora apresentou um voto contrário. Maria de Assis Calsing argumentou que os adicionais podem compor a base salarial já que isso foi aprovado em acordo coletivo da categoria. “Chega-se à convicção de que a categoria profissional tinha plena convicção e conhecimento da base de cálculo e de que, nesses moldes, foram celebrados os diversos acordos de trabalho”, disse. Ao acompanhar o relator, a ministra Kátia Arruda afirmou que, pela regra em vigor na Petrobras, trabalhadores estão recebendo pelo adicional de periculosidade sem que estejam expostos ao perigo, já que todos estão recebendo esses adicionais dentro da remuneração mínima. Segundo a ministra, ao incluir os adicionais a empresa dá igual tratamento a quem se expõe e a quem não se expõe e isso é injusto. “Estaria tratando igualmente os desiguais”, disse. O ministro Augusto César de Carvalho, afirmou que com a decisão o TST estará estabelecendo uma regra de conduta que valerá para outras empresas, que poderão usar esse caso para não pagar adicionais de trabalho noturno ou de periculosidade, argumentando que eles já estão incluídos no salário base.