Kurupí
Notícias recentes
Reforma em 'escola de lata' que não tem refeitório e nem biblioteca foi determinada pela Justiça de MT

Reforma em 'escola de lata' que não tem refeitório e nem biblioteca foi determinada pela Justiça de MT

access_time07/03/2019 09:34

A Justiça determinou ao município de Rosário Oeste, a 133 km de Cuiabá, que comece a reformar a Esco

Liberação do FGTS deverá criar 2,9 milhões de empregos em dez anos

Liberação do FGTS deverá criar 2,9 milhões de empregos em dez anos

access_time24/07/2019 17:35

A liberação de parte dos recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), do Programa de In

Juiz vê possível coação de ex-secretário de Segurança a delegado que conduzia investigação de grampos ilegais

Juiz vê possível coação de ex-secretário de Segurança a delegado que conduzia investigação de grampos ilegais

access_time20/08/2019 10:01

O processo que investiga a suposta coação feita pelo ex-secretário de Segurança Pública de Mato Gros

Notícias com a tag: RiodeJaneiro

Vereador e filho são mortos a tiros dentro de casa em Maricá, RJ

access_time22/08/2019 07:47

O vereador Ismael Breve (DEM), de 59 anos, e um filho dele, Thiago Martins, foram assassinados a tiros dentro de casa na madrugada desta quinta-feira (22) em Maricá (RJ). Segundo a Polícia Militar, o crime aconteceu por volta das 4h no bairro Zacarias. Ainda de acordo com a PM, a esposa e uma enteada do político também estavam em casa na hora do crime. Nenhum suspeito foi preso até o momento e o caso é investigado na Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNSG). A reportagem aguarda informações da Polícia Civil sobre o crime. Em nota, a Câmara de Vereadores de Maricá informou que lamenta profundamente a morte do vereador e do filho. "Ambos foram brutalmente assassinados na madrugada desta quinta-feira. A Câmara decreta luto de três dias e por isso a Casa de Leis permanecerá fechada neste período", diz parte da nota. Mortes na cidade Maricá teve dois jornalistas assassinados a tiros em 2019. Romário da Silva Barros, de 31 anos, do portal "Lei Seca Maricá (LSM)", foi morto dentro de um carro em junho, e Robson Giorno, que era dono do jornal "O Maricá", foi assassinado na porta de casa em maio. Segundo sua página pessoal em uma rede social, Robson pretendia ser candidato a prefeito nas eleições municipais do ano que vem.

Ponte Rio-Niterói: após quatro horas, sequestrador é morto pela polícia

access_time20/08/2019 09:50

Após quatro horas de negociações, o homem que sequestrava um ônibus na ponte Rio-Niterói foi morto pela Polícia Militar. O suspeito fez 37 pessoas reféns em um ônibus durante a manhã desta terça-feira (20). O sequestrador havia descido do ônibus e arremessado um objeto em direção aos negociadores, no momento que foi ao chão. Segundo informações, o sequestrador não resistiu aos ferimentos. Não se sabe sobre o estado de saúde dos reféns que ainda estavam no coletivo. Ambulâncias estão no local fazendo atendimento aos passageiros. Múltiplos disparos foram ouvidos por repórteres e motoristas que estavam na ponte. De acordo com o porta-voz da Polícia Militar, coronel Mauro Fliess, o suspeito foi atingido por um tiro de um sniper - atirador de elite - posicionado sobre o caminhão do Corpo de Bombeiros.  O porta-voz complementou dizendo que o sequestrador usava uma arma de brinquedo e havia espalhado combustível por todo o ônibus. Uma imagem de uma espécie de varal de gasolina foi feita por um dos reféns no coletivo. Momentos antes do término do sequestro, o Bope (Batalhão de Operações Policiais Especiais), que comandava as negociações, pediu para que o espaço aéreo no entorno da ponte fosse fechado e as equipes de televisão se afastassem. Em contato com a reportagem, uma fonte da Polícia Militar declarou que o sequestrador estava acompanhando a cobertura da imprensa por um aplicativo de televisão no celular. Sequestrador no Rio usou máscara igual ao atirador de Suzano Após serem liberados pelo sequestrador, reféns disseram que o suspeito pedia R$ 30 mil pelo resgate. Durante as quase quatro horas de negociações, seis pessoas foram soltas. O sequestro e ação da Polícia Militar serão investigados pela DH-Capital (Delegacia de Homicídios), na Barra da Tijuca, na zona oeste do Rio de Janeiro.

MPF afirma que vida de luxo de Rei Arthur em Miami é com dinheiro tirado de cofres públicos brasileiros

access_time19/08/2019 10:55

O Ministério Público Federal (MPF) afirma que o empresário Arthur Soares, conhecido como Rei Arthur e considerado um dos maiores foragidos da Justiça brasileira, usufrui uma vida de luxo em Miami, nos Estados Unidos, com o dinheiro que foi tirado dos cofres públicos do RJ. A TV Globo localizou Rei Arthur na Flórida. A reportagem, exibida neste domingo (18) no Fantástico (veja o vídeo no final da reportagem), mostrou o empresário circulando num carro de luxo e indo à praia. “Nós podemos dizer, com certeza, que ele está usufruindo do dinheiro que ele tirou dos cofres públicos brasileiros, dos cofres públicos da sociedade carioca, e que o cidadão carioca deixou de ter um serviço pra que ele pudesse desfrutar da sua Maserati", explicou o procurador da República Stanley Valeriano. O carro que Rei Arthur dirige nos Estados Unidos e a que o procurador se refere custa R$ 530 mil no Brasil. O empresário é acusado de envolvimento em um escândalo internacional: a compra de votos para a eleição do Rio de Janeiro como sede das Olimpíadas de 2016. Desde 2017 existe uma ordem de prisão contra Arthur, que também está na lista de procurados da Interpol. As autoridades estimam que as empresas de Arthur Soares faturaram pelo menos R$ 3 bilhões nos governos de Sérgio Cabral e Luiz Fernando Pezão. Atualmente, como foragido da Justiça, o empresário não se preocupa em se esconder pela cidade onde mora e anda livremente pelas ruas, como mostrou o Fantástico. "Ele é chamado de Rei Arthur porque, ao longo de muitos anos, ele teve os maiores contratos com o Estado do Rio de Janeiro. Isso possibilitou a ele arrecadar um patrimônio milionário, talvez bilionário", explicou o procurador. Em um dos momentos de lazer, Arthur Soares foi visto almoçando em um dos melhores restaurantes japoneses de Miami, onde uma refeição custa, em média, o equivalente a R$ 600 por pessoa. Quando saiu do país, em abril de 2017, Arthur Soares foi morar em uma mansão, na ilha de Key Biscaine, um dos bairros mais caros de Miami. Atualmente, Arthur Soares deixou a mansão de luxo no condomínio fechado onde morava e foi para outra casa, aparentemente mais simples, com acesso direto para rua. Empresário continua trabalhando em Miami Em Miami, o Fantástico encontrou imóveis ligados a ele em oito endereços diferentes. No Brasil, Rei Arthur chegou a ter 38 empresas. Uma investigação da Receita Federal brasileira mostra que, ano após ano, ele foi transferindo patrimônio para o exterior, preparando uma fuga. A partir de 2007, começou a levar empresas e contas para paraísos fiscais no Caribe e para os Estados Unidos. Só no Estado da Flórida, chegou a ter pelo menos 14 empresas, além de uma casa na estação de esqui de Aspen, no Colorado, e uma base na Europa, em Paris. Quando se tornou o foco de um escândalo de proporções mundiais, Rei Arthur tentou sair de cena. A primeira medida foi transferir as empresas que ele tinha para o nome dos filhos. Só que, apesar de Arthur estar oculto nos negócios, o Fantástico comprovou que o empresário continua indo trabalhar todos os dias em um prédio onde funcionam cinco dessas empresas. O que diz o MPF sobre a fuga "O Ministério Público Federal requereu aos Estados Unidos uma série de diligências em cooperação internacional, dentre eles busca e apreensão, prisão e extradição, e também a apreensão dos bens do Arthur Soares nos Estados Unidos. Nós fizemos esses pedidos e nós não tivemos nenhuma resposta formal, concreta, sobre o cumprimento desses pedidos, então nós não temos como presumir qual é a causa do não cumprimento", completou o procurador.

Ação contra desordem urbana no Rio encontra casa no alto de árvore

access_time19/08/2019 10:45

O governo do RJ começou nesta segunda-feira (19) as operações da Marcha da Cidadania e Ordem, contra a desordem urbana. A iniciativa mira, prioritariamente, usuários de drogas em situação de rua e o comércio irregular. Mendigos também serão retirados. No Corte de Cantagalo, que liga Copacabana à Lagoa, a Marcha encontrou um homem dormindo no alto de uma árvore, onde construiu um barraco. Com ele, agentes encontraram madeiras, um colchão, solvente e uma tesoura. À polícia, o morador disse ser um marceneiro. Ele afirmou ter residência na Baixada Fluminense, mas optou por montar a casa na árvore para ficar mais perto de um possível emprego. Homem que dormia em casa na árvore foi retirado — Foto: Reprodução/TV Globo Mendigos em hotel Equipes de diferentes secretarias e órgãos chegaram às 6h ao Jardim de Alah, na Zona Sul do Rio. Moradores de rua que ocupavam as áreas públicas do jardim serão levados para o Centro de Triagem da Prefeitura do Rio, na Ilha do Governador, e abrigados em um hotel parceiro do governo estadual no Centro. Nesta segunda, a Marcha fará a varredura na orla de Ipanema e no Arpoador. "É uma demanda da sociedade pelo seu direito de ir e vir", disse Cleiton de Souza Rodrigues, secretário de Governo e Relações Institucionais de Wilson Witzel. "Vamos elaborar um plano para que esta ação aconteça todos os dias", emendou o secretário. Objetos retirados do alto de uma árvore no Corte de Cantagalo — Foto: Reprodução/TV Globo PMs do Leblon Presente imobilizam morador de rua — Foto: Reprodução/GloboNews Ação multidisciplinar No início do mês, o Blog do Edimilson Ávila antecipou o projeto. Em entrevista ao Blog, Cleiton Rodrigues dera detalhes da Marcha e afirmara que a ação começaria pelo Jardim de Alah - como de fato aconteceu. Participam das varreduras: Secretaria Estadual de Governo e Relações Institucionais (Operações Segurança Presente); Fundação Leão XVIII; Secretaria Estadual de Assistência Social e Direitos Humanos; Secretaria Estadual de Polícia Civil; Secretaria Estadual de Polícia Militar; Instituto Estadual do Ambiente (Inea); Instituto de Pesos e Medidas (Ipem); Secretaria Estadual de Saúde; Fundação para a Infância e Adolescência (FIA); Secretaria Estadual de Desenvolvimento Econômico, Emprego e Relações Internacionais; Fundação de Apoio à Escola Técnica (Faetec); Secretaria Estadual de Trabalho e Renda; Secretaria Estadual de Educação; Secretaria Estadual de Defesa Civil (Corpo de Bombeiros); Departamento de Trânsito do Estado do Rio de Janeiro (Detran); Prefeitura do Rio de Janeiro (Comlurb, Guarda Municipal, Controle Urbano e Secretaria de Assistência Social e Direitos Humanos com as assistentes sociais); Controladoria Geral do Estado (Ouvidoria e Transparência Geral do Estado).

Uso do tatuzão e mudança de trajeto do metrô do RJ encareceram obra, diz MPF

access_time01/07/2019 12:03

Durante as investigações que resultaram na prisão do procurador do estado Renan Saad, a força-tarefa da Lava Jato no RJ descobriu que o traçado da Linha 4 do metrô foi alterado para deixar a obra mais cara. Um dos aditivos incluiu uma delicada escavação por um 'tatuzão', uma máquina perfuratriz. As alterações avalizadas por Saad encareceram em mais de 11 vezes o valor da obra. O procurador Renan Saad, preso nesta segunda-feira (1º), é suspeito de receber R$ 1,265 milhão em pagamentos da Odebrecht para mudar o traçado da expansão do metrô do Rio. Sua defesa nega "veementemente" as acusações. O tatuzão, nome dado à tuneladora TBM (Tunnel Boring Machine), é empregado em obras sob prédios ou áreas movimentadas. O TBM também é capaz de perfurar diferentes tipos de solo e de equilibrar a pressão sob a superfície. Outra facilidade é a fixação de placas nas paredes recém-escavadas, à medida que o tatuzão avança. Segundo um ex-executivo da Odebrecht, em delação premiada, Saad apresentou justificativas para alterar o traçado sem que fosse necessário fazer uma nova licitação. Os aditivos incluíram ainda a alteração da metodologia de execução das obras civis, para que pudesse ser utilizada a tuneladora. Escalada de preços De acordo com o Ministério Público Federal (MPF), em depoimento, um ex-executivo da Odebrecht relatou que, em 1997, a licitação para a obra da nova linha do metrô dizia que o trajeto deveria ser da Estação Uruguai (na Tijuca) até a Barra da Tijuca, passando pelo Jardim Oceânico. No ano seguinte, em 1998, a licitação apresentou um outro traçado, saindo de uma nova estação a ser escavada em Botafogo (São João) e seguindo o eixo do Humaitá e Gávea, chegando a São Conrado e Barra. Neste ponto, a expansão custaria R$ 880 milhões. O projeto ficou 21 anos parado. Em 2009, com a retomada das obras, o orçamento ajustado ficou em cerca de R$ 3 bilhões - mas já previa o desenho atual, com um prolongamento da Linha 1. Atualmente, o trajeto da Linha 4 sai de Ipanema, passando pelo Leblon e por São Conrado, até chegar à Barra da Tijuca. Os trabalhos terminaram em 2016, ao custo de R$ 9,6 bilhões. A força-tarefa afirma que, somente da Odebrecht, o governo do RJ recebeu R$ 59,2 milhões em propinas relativas à expansão do metrô. A Linha 4 do metrô liga a Zona Sul à Barra, na Zona Oeste, e foi entregue para os Jogos Olímpicos de 2016. O que dizem os citados O advogado Paulo Freitas Ribeiro, que defende Renan Saad, disse que o seu cliente "está muito abalado e nega com veemência os fatos". Ele vai impetrar um habeas corpus para liberar o procurador preso. A Procuradoria Geral do Estado do Rio de Janeiro (PGE-RJ) informa que já apura o caso internamente para a adoção das medidas disciplinares cabíveis e que colabora de modo pleno com as investigações. "A PGE-RJ informa ainda que os fatos dos quais o procurador é acusado remontam ao período em que ele estava lotado como assessor jurídico chefe da Secretaria de Estado de Transportes, nomeado na gestão do ex-governador Sérgio Cabral, cargo do qual foi exonerado em junho de 2012", ressalta. A defesa do ex-governador Sérgio Cabral afirmou que as informações prestadas sobre as mudanças no trajeto da linha quatro do metrô "foram úteis na deflagração desta operação". "Sérgio Cabral segue à disposição da Justiça, em busca de se redimir e reparar os danos causados à população”. A reportagem entrou em contato com os representantes do Consórcio Rio Barra e aguarda resposta.