Banner Outras
Notícias recentes
Peixoto de Azevedo recebe terceira parcela do PNAE de 2018

Peixoto de Azevedo recebe terceira parcela do PNAE de 2018

access_time22/05/2018 10:06

O FNDE transferiu para Peixoto de Azevedo, na semana passada, a terceira parcela de 2018 da Alimenta

TRE abre período de cadastramento de eleitores em viagem no dia das eleições

TRE abre período de cadastramento de eleitores em viagem no dia das eleições

access_time27/07/2018 07:19

Os eleitores que estarão fora do domicílio eleitoral no dia das eleições podem fazer um cadastro no

DF tem paciente curada após ser infectada por novo coronavírus

DF tem paciente curada após ser infectada por novo coronavírus

access_time25/03/2020 07:24

A advogada brasiliense Daniela Teixeira recebeu uma ótima notícia nesta semana quando soube que seu

Notícias com a tag: STJ

Bem alienado fiduciariamente não pode ser penhorado, afirma STJ

access_time11/03/2020 09:55

O bem alienado fiduciariamente não pode ser penhorado em execução promovida por terceiro, uma vez que o bem alienado não integra o patrimônio do devedor. Nada impede, contudo, a constrição dos direitos decorrentes do contrato de alienação fiduciária.  A decisão, da 4ª Turma do Superior Tribunal de Justiça, foi destacada pela Secretaria de Jurisprudência do STJ na ferramenta Pesquisa Pronta, que divulga o entendimento do tribunal sobre temas jurídicos relevantes, permitindo consultas em tempo real. No caso, um condomínio ingressou com execução de título extrajudicial por causa de uma dívida de cerca de R$ 3 mil. Nela, pediu que fosse penhorado o imóvel gerador do débito. Porém, o pedido foi negado pois o imóvel foi dado em alienação fiduciária a um banco como garantia em contrato de empréstimo. Segundo o Tribunal de Justiça de São Paulo, enquanto precária a posse do devedor, somente os direitos reais de aquisição podem ser penhorados. Inconformado, o condomínio recorreu, mas a 4ª Turma do STJ manteve a decisão do TJ-SP, que está em conformidade com a jurisprudência da corte. "Não se admite a penhora do bem alienado fiduciariamente em execução promovida por terceiros contra o devedor fiduciante, haja vista que o patrimônio pertence ao credor fiduciário, permitindo-se, contudo, a constrição dos direitos decorrentes do contrato de alienação fiduciária", afirmou o relator, ministro Raul Araújo. REsp 1.819.186