Spigreen
Notícias recentes
Governo do Estado avança na prorrogação do contrato de gás natural da Bolívia

Governo do Estado avança na prorrogação do contrato de gás natural da Bolívia

access_time31/07/2020 23:38

Os acordos comerciais entre o Estado de Mato Grosso e o governo da Bolívia estão sendo concretizados

Mercado reduz projeção de alta do PIB e vê inflação maior neste ano

Mercado reduz projeção de alta do PIB e vê inflação maior neste ano

access_time18/06/2018 10:36

As projeções de crescimento da economia brasileira para este ano seguem em declínio ao mesmo tempo e

Em parecer, AGU diz ser contra fechamento de fronteira com Venezuela

Em parecer, AGU diz ser contra fechamento de fronteira com Venezuela

access_time21/08/2018 07:52

A Advocacia-Geral da União (AGU) enviou há pouco ao Supremo Tribunal Federal (STF) manifestação cont

Notícias com a tag: carne

Mais de 800 kg de carne transportada irregularmente são apreendidos em MT

access_time30/05/2020 09:02

Mais de 800 kg de carne que estava sendo transportada irregularmente foram apreendidos em General Carneiro, a 449 km de Cuiabá na noite dessa sexta-feira (29). A ação foi desencadeada pela Polícia Militar e Polícia Civil de Barra do Garças, a 60 km de General Carneiro. Conforme o boletim de ocorrência, os policiais abordaram uma caminhonete com três pessoas, na área rural da cidade. Na carroceria havia dois animais abatidos que, juntos, pesavam cerca 800 kg. Segundo a polícia, a origem dos animais é legal, mas por estarem sendo transportados em desacordo com as normas sanitárias, toda a carne foi apreendida. Os três ocupantes do veículo foram conduzidos para Barra do Garças e, em seguida, foram encaminhados para a sede do Instituto de Defesa Agropecuária (Indea).

Maior produtor de carne bovina do país, Mato Grosso deve voltar a exportar para os Estados Unidos

access_time26/02/2020 16:21

Mato Grosso pode voltar a exportar carne bovina para o exterior a partir deste mês. O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) divulgou que o país pode voltar a exportar carne in natura para os Estados Unidos. Devido à abertura do mercado de exportação, o estado deve ser beneficiado, já que é o maior exportador de carne bovina do país. Em 2019, ao todo, foram produzidas 428,11 mil toneladas de carne, o que corresponde a um aumento de 21,89% em comparação com 2018. O estado conta atualmente com um rebanho de mais de 30 milhões de animais. O comunicado do Mapa foi divulgado na sexta-feira (21). Segundo o Mapa, as compras de cortes bovinos do país foram suspensas pelos Estados Unidos em 2017, devido às repercussões provocadas pela vacina contra a febre aftosa nos rebanhos. A previsão de retomada das exportações não foi divulgada, mas, segundo o Ministério, a comercialização pode começar a partir da divulgação. De acordo com a ministra Tereza Cristina, a notícia foi recebida com muita satisfação e estava sendo esperada há muito tempo pela pasta. “Uma notícia que esperávamos com ansiedade há algum tempo e que hoje eu tive a felicidade de receber. É uma ótima notícia, porque isso traz o reconhecimento da qualidade da carne brasileira por um mercado tão importante como o americano", afirmou. O Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal (Dipoa) do Ministério, antes de começar as exportações, deve enviar uma lista atualizada de estabelecimentos que estão aptos e certificados a comercialização.

Alta das carnes pressiona e inflação no Brasil tem maior novembro em 4 anos

access_time06/12/2019 13:51

A inflação oficial do Brasil registrou aceleração em novembro e o resultado mais alto em quatro anos com forte impacto da alta dos preços das carnes, mas ainda permanece abaixo do centro da meta em 12 meses. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) subiu 0,51% em novembro após alta de 0,10% no mês de outubro, de acordo com os dados divulgados nesta sexta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Esse é o resultado mais alto para novembro desde 2015, quando índice subiu 1,01%, e ficou acima da expectativa em pesquisa da Reuters de avanço de 0,46%. Em 12 meses, a alta do IPCA chegou a 3,27%, de um avanço no mês anterior de 2,54%, e permanece abaixo do centro da meta oficial para 2019, de 4,25% pelo IPCA com margem de 1,5 ponto percentual para mais ou menos. O resultado em 12 meses até novembro também ficou ligeiramente acima da expectativa, de 3,23%. De acordo com o IBGE, o maior impacto individual foi exercido pelas carnes, cujos preços subiram 8,09%, exercendo impacto de 0,22 ponto percentual no IPCA de novembro. Isso levou o grupo Alimentação e bebidas a acelerar a alta a 0,72%, de 0,05% em outubro. “As exportações de carne para a China continuam, o que mantém a demanda grande, e essa pressão vai continuar”, explicou o gerente da pesquisa Pedro Kislanov da Costa. O Brasil, maior exportador global de carne bovina, está faturando com a maior demanda da China, mas os consumidores brasileiros estão por tabela pagando mais pelo produto nos açougues, enquanto frigoríficos têm sido pressionados a fazer ofertas recordes por bois nas fazendas. “Mas apesar da pressão de carnes, o IPCA ainda está num patamar confortável e com espaço para ficar dentro do centro da meta”, completou Costa. A maior variação no mês foi registrada por Despesas Pessoais, com alta de 1,24% em novembro ante 0,20% antes. O comportamento dos preços de Habitação também se destacou, ao deixar para trás uma deflação de 0,61% em outubro para alta de 0,71% em novembro. Esse avanço de Habitação deve-se à alta de 2,15% da energia elétrica, uma vez que em novembro passou a vigorar a bandeira vermelha patamar 1. Apesar do resultado mais forte em novembro, a inflação permanece fraca e não deve ser suficiente para mudar o movimento do Banco Central de corte de juros, já tendo sinalizado que adotará essa postura na última reunião do ano, em dezembro. “No geral, acreditamos que esse resultado é consistente com o cenário base do Banco Central e corrobora corte de 0,50 ponto percentual (na Selic) este ano”, afirmou em relatório a XP Investimentos. A autoridade monetária cortou a taxa básica de juros Selic em 0,5 ponto percentual em outubro, a 5% ao ano, mas para além de dezembro a postura é de cautela em relação aos fatores que podem pressionar a inflação.