anuncie aqui vermelho
Notícias recentes
Sexta-feira (02): Mato Grosso registra 313.709 casos e 7.849 óbitos por Covid-19

Sexta-feira (02): Mato Grosso registra 313.709 casos e 7.849 óbitos por Covid-19

access_time03/04/2021 13:55

A Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT) notificou, até a tarde desta sexta-feira (02.04), 313.709 c

Prefeitura e Câmara de Comodoro (MT) abrem concurso com salário de até R$ 6 mil

Prefeitura e Câmara de Comodoro (MT) abrem concurso com salário de até R$ 6 mil

access_time03/06/2018 20:32

A Prefeitura e a Câmara e Vereadores de Comodoro, 677 km de Cuiabá, abriram as inscrições de um conc

Ameaçada de extinção, maior águia do mundo é flagrada pela 1ª vez em parque

Ameaçada de extinção, maior águia do mundo é flagrada pela 1ª vez em parque

access_time11/03/2020 09:27

Um gavião-real – também conhecido como harpia – foi flagrado pela primeira vez no Parque Sesc Serra

Notícias com a tag: danos-morais

Castanhari é condenado por chamar Melhem de "assediador escroto"

access_time22/06/2021 14:25

O influenciador digital Felipe Castanhari foi condenado em R$ 100 mil após chamar o ator e humorista Marcius Melhem de "criminoso", "escroto" e "assediador" em uma postagem no Twitter. A decisão é do juiz de Direito Valentino Aparecido de Andrade, da 1ª vara Cível de Pinheiros/SP. Em dezembro de 2020, Castanhari publicou no Twitter o seguinte texto: "(...) Não caiam nesse discursinho de merda do Marcius Melhem. Esse cara é um criminoso, um escroto, um assediador que merece cadeia por todo sofrimento que causou." À Justiça, o ator disse que a publicação, que alcançou uma enorme audiência, abalou sua honra e imagem pública. Em contestação, Castanhari disse que Melhem foi denunciado por assédio sexual por atrizes da Globo, tendo o episódio apresentado uma significativa repercussão. O influenciador alega que apenas exerceu seu direito fundamental de liberdade de pensamento e de opinião. Na análise do caso, o juiz considerou que trata-se de uma publicação que atingiu um público considerável. Para o magistrado, Castanhari fez um juízo de valor sobre a conduta do autor. "As expressões "criminoso" e "assediador", utilizadas no texto em questão, não foram, por óbvio, utilizadas no sentido técnico-jurídico que essas palavras podem apresentar e apresentam nos domínios do Direito Penal, mas são palavras que, ainda que utilizadas em sentido comum, como alega o réu, conotam um sentido claramente ofensivo, relevando a vontade de negativamente censurar o comportamento do autor em um grau considerável, sobretudo quando o réu associa a palavra "criminoso" à "cadeia"." No entendimento do juiz, não subsiste a argumentação do influenciador no sentido de que teria empregado palavras utilizadas no cotidiano como se fossem palavras neutras, ou exercido um direito de mera opinião sobre um fato conhecido. "Com efeito, ao emitir juízos acentuadamente negativos, verdadeiros pré-julgamentos acerca de um episódio que estava e ainda está no terreno das investigações, o réu não se limitou a divulgar o fato como fizeram os jornais e as revistas. Foi além, muito além, atribuindo ao autor condutas bastante reprováveis, com momentosos efeitos projetados sobre a vida privada e profissional do autor, causando-lhe dano moral." Assim, condenou Castanhari ao pagamento de R$ 100 mil. O influenciador também deverá fazer uma publicação em suas redes sociais acerca do conteúdo desta sentença. Processo: 1000301-62.2021.8.26.0011 Veja a decisão.