Spigreen
Notícias recentes
TSE refuta alegação de fraude nas eleições feita por Bolsonaro

TSE refuta alegação de fraude nas eleições feita por Bolsonaro

access_time10/03/2020 15:57

Após Jair Bolsonaro, falando com empresários, dizer ontem que tem provas de que houve fraude na elei

Atenção cadastramento BPC

Atenção cadastramento BPC

access_time02/08/2019 09:24

Todas as pessoas idosas ou portadores de deficiência que recebem o Benefício de Prestação Continuada

Conselho anuncia operação em áreas protegidas da Amazônia Legal

Conselho anuncia operação em áreas protegidas da Amazônia Legal

access_time11/05/2020 17:39

O Conselho Nacional da Amazônia Legal anunciou a deflagração de operações contra “atividades ilegais

Notícias com a tag: extincao

Ameaçada de extinção, maior águia do mundo é flagrada pela 1ª vez em parque

access_time11/03/2020 09:27

Um gavião-real – também conhecido como harpia – foi flagrado pela primeira vez no Parque Sesc Serra Azul, em Rosário Oeste, a 133 km de Cuiabá. Segundo a instituição, a primeira aparição da ave no local foi no dia 26 de fevereiro deste ano e, desde então, ela passa pelo parque, fica por um tempo e 'some' de novo. A harpia é considerada a maior águia do mundo e está na lista dos animais ameaçados de extinção. Um estudo do professor de engenharia florestal Éverton Miranda mostra a perda de habitat das harpias. Segundo ele, o desmatamento é o que mais tem contribuído para o desaparecimento da ave. Espécie é considerada a maior águia do mundo — Foto: Sesc-MT/Divulgação Em Mato Grosso, foram desmatados 41 mil hectares nos últimos 15 anos, o que representa uma perda entre 12 e 24 ninhos de harpia no estado. De acordo com o Sesc Serra Azul, a presença do gavião-real no parque é um indicador que o predador é capaz de se sustentar na região. Com 5 mil hectares, a área onde a ave foi vista está na transição do Cerrado com a Amazônia e é cercada por fazendas de gado e áreas de agricultura extensiva. O parque informou que a ave é vista sempre sozinha no topo de uma árvore. Uma equipe da instituição está fazendo o monitoramento na região para saber se ela está usando a área apenas para transição ou como um novo habitat. O Parque Sesc Serra Azul também já foi fazenda de gado, serviu de plantação de arroz e até garimpo. No entanto, há nove anos, o local foi destinado à conservação e está em processo de regeneração para o ecoturismo. A instituição afirmou que espera que a ave encontre um parceiro e se reproduza no local. Em novembro de 2019, um filhote da espécia foi resgato em Colniza, a 1.065 km de Cuiabá, depois de ter sido domesticado por trabalhadores rurais que o encontraram. O filhote morava em um ninho construído numa castanheira, que foi derrubada. Desde então a ave passou a ser criada em uma casa por moradores da região. Professor diz que recompensa para quem encontrar ninho é uma forma de preservar o local onde a ave está vivendo — Foto: Éverton Miranda/Arquivo pessoal Harpia e a busca por ninhos A harpia possui longo tempo de vida e baixa taxa reprodutiva. O tempo geracional da espécie é estimado em 18,5 anos. Segundo especialistas, o ninho da ave é considerado grande e, geralmente, é encontrado em árvores altas. A espécia costuma pôr dois ovos, mas é comum desenvolver apenas um filhote. Ao longo dos três anos de pesquisa, o professor Éverton constatou que os ninhos são relativamente fáceis de achar, e afirmou ainda que é oferecida a quantia de R$ 500 a quem encontrar e indicar a localização de um ninho de harpia, além de uma porcentagem do valor do turismo ao dono da terra. Segundo ele, essa é uma forma de preservação da espécie ameaçada. Atualmente, o professor e uma equipe de pesquisadores monitoram cerca de 30 ninhos, em Mato Grosso.

Caçadores matam duas das últimas três girafas brancas do mundo

access_time11/03/2020 09:21

Duas girafas brancas extremamente raras foram mortas por caçadores no nordeste do Quênia, segundo ambientalistas. Os guardas florestais encontraram as carcaças da fêmea e do filhote em um vilarejo no condado de Garissa, no nordeste do Quênia. Uma terceira girafa branca ainda está viva. Ambientalistas acreditam que ela seja o único exemplar no mundo. Sua aparência branca é devido a uma condição rara chamada leucismo, que faz com que as células da pele não tenham pigmentação. A notícia da existência das girafas brancas se espalhou pelo mundo depois que foram fotografadas em 2017. O chefe da Preservação Comunitária do Quênia, Ishaqbini Hirola, Mohammed Ahmednoor, disse que as duas girafas mortas foram vistas pela última vez há mais de três meses. "Este é um dia muito triste para a comunidade de Ijara e do Quênia como um todo. Somos a única comunidade do mundo que é guardiã da girafa branca", disse Ahmednoor em um comunicado. "Seu assassinato é um golpe para os importantes passos dados pela comunidade para preservar espécies raras e únicas e um alerta para o apoio contínuo aos esforços de preservação", acrescentou. Os caçadores ainda não foram identificados, e seu motivo ainda não está claro. A Kenya Wildlife Society, o principal órgão de preservação da África Oriental, disse que está investigando os assassinatos. O que é leucismo? Leucismo inibe a pigmentação em algumas células da pele É diferente do albinismo, onde nenhuma melanina é produzida Animais com leucismo podem ter pigmentos mais escuros nos tecidos moles Girafas com leucismo retêm seus olhos escuros, enquanto animais com albinismo têm olhos rosados Aves, leões, peixes, pavões, pinguins, águias, hipopótamos, alces e cobras exibiram traços de leucismo A reserva está em uma vasta área não cercada. Existem também vilarejos dentro da reserva. As girafas brancas foram avistadas pela primeira vez no Quênia em março de 2016, cerca de dois meses depois de uma aparição na vizinha Tanzânia, segundo a revista. Cerca de 40% da população de girafas desapareceu nos últimos 30 anos e a caça às carnes e peles continua, de acordo com a Africa Wildlife Foundation. A população passou de cerca de 155 mil indivíduos em 1985 para 97 mil em 2015, de acordo com a União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN).