Banner Outras
Notícias recentes
Advogado é assassinado a tiros em escritório em Juara

Advogado é assassinado a tiros em escritório em Juara

access_time17/03/2020 11:58

Um advogado foi assassinado a tiros na manhã desta terça-feira (17) na cidade de Juara. Segundo a Po

Pneu de viatura estoura, veículo capota e 2 policiais e um preso ficam feridos em MT

Pneu de viatura estoura, veículo capota e 2 policiais e um preso ficam feridos em MT

access_time04/07/2018 09:19

Dois policiais civis e um preso ficaram feridos depois de sofrerem um acidente na tarde dessa terça-

Assistência Social implantou oficinas de balé e violão em União do Norte

Assistência Social implantou oficinas de balé e violão em União do Norte

access_time17/04/2019 09:59

A Secretaria Municipal de Assistência Social de Peixoto de Azevedo realizou nesta terça-feira (16) e

Notícias com a tag: feminicidio

Casos de feminicídio aumentam 279% em MT em três anos, aponta CNJ

access_time12/03/2020 09:55

O número de feminicídios em Mato Grosso aumentou 279% nos últimos três anos, de acordo com relatório divulgado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Nesse mesmo período, entre 2016 e 2019, 70 mil novos processos por violência doméstica começaram a tramitar na Justiça de Mato Grosso. Em 2019, foram 20 mil novos casos de violência doméstica, o que corresponde a 50% a mais que em 2016. De acordo com a defensora pública e coordenadora do Núcleo de Defesa da Mulher em Cuiabá, Rosana Leite, o aumento dos casos de violência é resultado do maior número de denúncias. "Acho que a violência sempre existiu, mas agora está aparecendo porque há confiança no trabalho da Justiça. As mulheres estão tendo mais coragem de denunciar, estão procurando mais e confiando mais nas autoridades'', avalia. Já sobre o número de casos de feminicídios, a defensora acredita que já era alto, mas que não eram registrados da forma devida. "A maior diferença é que antes os casos eram registrados como homicídios, e não eram caracterizadas nas situações às que pertenciam. Isso mudou e hoje é possível ver, de forma mais exata, o número de mulheres que são mortas somente por serem mulheres", diz. Rosana defende que, na maioria dos casos de feminicídio, o homem não aceita a liberdade que a mulher tem atualmente. "A mulher está cada vez mais independente e isso gera inconformismo no homem, porque a mulher independente não aceita abuso, não aceita violência. Em muitos casos, o homem não aceita essa independência e passa a agredi-la, até decidir tirar a vida dela", pondera. De acordo com os dados do CNJ, 110 novos casos de feminicídio foram registrados e se tornaram processos judiciais só em 2019, um aumento de quase 300% em relação a 2016, quando foram registrados 29 casos. A defensora pública afirma que o mais importante, nesses casos, é a mulher acreditar que as ameaças são reais, desde o início. "Quando a mulher começa a passar pela violência, ela já tem que entender e acreditar que a violência e a ameaça são reais, e que o agressor pode tirar a vida dela. Elas precisam entender isso e denunciar, o mais rápido possível", alerta. Ela também explica que, em muitos casos, as medidas protetivas podem ser eficazes. "Mas o agressor conhece a rotina da mulher, então ela não pode pegar a medida protetiva e simplesmente achar que o problema acaba por ali. Ela deve estar alerta e, ao sinal de qualquer tentativa de aproximação do agressor, deve pedir ajuda às autoridades, para que seja feita a eficácia da medida protetiva", explica. De acordo com os dados do CNJ, mais de 7 mil medidas protetivas foram concedidas a mulheres em situação de perigo, em 2019.

Mulheres são mortas com facadas na cabeça e enterradas no distrito União do Norte

access_time17/01/2020 08:37

Homem de 31 anos está preso em Peixoto de Azevedo suspeito de matar a cunhada e uma amiga dela, na quinta-feira (16). O crime cruel vitimou Maria Cleilde Monteiro Brandão, 34, e Nérias Dantas Amorim, 20. Os corpos foram encontrados enterrados em um canavial com várias marcas de facadas nas cabeças. Conforme apurado pela reportagem, o homem é suspeito de agredir a ex-mulher, irmã e amiga das vítimas. Ela foi embora da cidade de União do Norte, após registrar várias ocorrências de ameaça e até mesmo de violência doméstica. A irmã e a amiga ficaram para cuidar da casa, mas na manhã de quinta, elas faltam no trabalho e não foram vista pelos vizinhos, que acharam estranho. Uma testemunha, ao procurar pelas vítimas, encontrou um rastro estranho que levava ao canavial. Lá, ele encontrou algumas enxadas e percebeu a terra mexida. Quando cavou, por mais de um metro, encontrou uma lona cobrindo dois corpos, identificados como sendo de Maria e Nerias. Investigação Polícias Militar e Civil foram acionadas e começaram as diligências na casa das vítimas, na Chácara São José. Tudo indica que o crime foi premeditado. A perícia apontou que a casa foi arrumada logo após a ação. O suspeito lavou roupa, arrumou o quarto e ainda teve tempo de tirar o sangue. Mas, como usou de crueldade para matar a vítima, muito sangue respingou pelos móveis e ele não limpou.  Os peritos apontaram que havia DNA das mulheres em vários lugares pela casa. Sangue nas paredes, móveis e até na máquina de lavar. Nérias foi morta degolada e ainda levou ao menos 9 facadas na cabeça. Já a ex-cunhada ele teria matado com uma paulada na cabeça e em seguida, deu ao menos 9 facadas também na cabeça, igual Nérias.  Prisão Quando o crime tomou repercussão na cidade, o suspeito apareceu horas depois no Batalhão da PM na tentativa de se defender das acusações. Mas, ele acabou sendo detido e encaminhado para Delegacia de Peixoto de Azevedo, onde segue preso como principal suspeito.  Todos os indícios levam a crer que ele é o autor do crime. Inclusive, foi pego em posse do celular da cunhada. Durante todo o dia, ele ainda se passou por ela durante conversas pelo WhatsApp com a patroa da vítima.

Jovem é morta perto de lago em Juruena (MT)

access_time13/01/2020 10:53

Uma jovem de 21 anos foi encontrada morta na Praça do Lago, em Juruena, no sábado (11). A suspeita, segundo a Polícia Civil e Polícia Militar, é que Francilene Silva da Costa Souza foi vítima de feminicídio. A Polícia Militar informou que foi acionada pelo Hospital Municipal de Juruena. O hospital teria recebido ligação anônima onde relatavam que uma mulher havia sido morta próxima ao lago da cidade. O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e a polícia foram até o local, mas Francilene já estava morta. De acordo com a Polícia Civil, a vítima foi morta com objeto cortante. O corpo de Francilene foi encaminhado para exames. Até agora nenhum suspeito do crime foi preso ou identificado. A Polícia Civil informou que está investigando o caso.