anuncie aqui 596-81
Notícias recentes
Polícia Civil prende em flagrante autor de homicídio em Nova Canaã do Norte

Polícia Civil prende em flagrante autor de homicídio em Nova Canaã do Norte

access_time09/01/2024 06:43

A Polícia Civil prendeu, em menos de 24 horas, o autor de um homicídio ocorrido no fim de semana na

Homem espanca e esfaqueia a esposa e o filho de 11 anos em MT

Homem espanca e esfaqueia a esposa e o filho de 11 anos em MT

access_time07/09/2023 16:56

Uma mulher de 32 anos e o filho dela, de 11 anos, foram espancados e esfaqueados nessa quarta-feira

Venezuela é o 2° país mais pobre do mundo, mostra estudo

Venezuela é o 2° país mais pobre do mundo, mostra estudo

access_time07/06/2023 06:40

A Venezuela é o segundo país mais pobre do mundo, de acordo com um estudo divulgado há duas semanas

Notícias com a tag: google

Moraes abre investigação contra diretores do Google e do Telegram

access_time12/05/2023 18:05

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), abriu um inquérito nesta sexta-feira, 12, para investigar os diretores do Google e do Telegram do Brasil. Os executivos terão de explicar a suposta “campanha de desinformação” sobre o Projeto de Lei (PL) 2630/2020. O magistrado atendeu a um pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR), que se baseia em manifestações do presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL). No documento, o magistrado fixa o prazo de 60 dias para que a Polícia Federal (PF) identifique e colha os depoimentos “de todos os diretores e demais responsáveis do Google Brasil e do Telegram Brasil que tenham participado da campanha abusiva” contra o PL 2630. A PF também terá de realizar a perícia em “todas as postagens, publicações e mensagens mencionadas” pela Câmara dos Deputados como elementos de desinformação contra o projeto. A investigação não está sob sigilo, por determinação do ministro. À PGR, a Câmara argumentou que as empresas adotam prática “contundente e abusiva” contra o PL 2630. O inquérito tem como ponto de partida a decisão do Google de pôr em sua página inicial uma publicação contra o projeto. Segundo a big tech, o PL 2630 pode “piorar a internet”. Moraes também mira o Telegram, que encaminhou aos usuários mensagens contra o texto. Lira apresenta notícia-crime contra o Telegram e o Google O Google e o Telegram estão na mira de Moraes | Foto: ReproduçãoNa notícia-crime apresentada por Lira, o presidente da Câmara afirma que as plataformas “têm lançado mão de toda sorte de artifícios em uma sórdida campanha de desinformação, manipulação e intimidação, aproveitando-se de sua posição hegemônica no mercado”. A vice-procuradora-geral da República, Lindôra Araújo, afirmou que é preciso esclarecer as condutas narradas pela Câmara. Ela também pede a apuração de crimes contra as “instituições democráticas”, contra a “ordem consumerista” e contra “a economia e as relações de consumo”.

Moraes: ‘Big techs vão ser enquadradas e responsabilizadas’

access_time10/05/2023 11:06

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral, Alexandre de Moraes, subiu o tom com as big techs, nesta quarta-feira, 10. Durante o 10º Encontro Nacional das Escolas Judiciárias Eleitorais do TSE, o ministro disse que “há corporações que se sentem acima da lei”. “As big techs, as plataformas e as milícias digitais foram enquadradas e serão penalizadas e responsabilizadas”, disse. “Isso é garantir a liberdade do eleitor, o sigilo do voto. É impedir que ele seja bombardeado com desinformação e tenha uma verdadeira lavagem cerebral, direcionando o seu voto. O que importa é que ninguém, nem as milícias digitais, nem as grandes corporações podem direcionar o voto do eleitor.” Recado de Moraes a big techs veio um dia depois de posicionamento do Telegram Foto: Divulgação Em um artigo publicado na tarde de ontem, o Telegram acusa o PL 2630 de ameaçar a democracia no Brasil. No documento, a empresa lista uma série de argumentos contra o que pode “matar a internet moderna”. “Caso seja aprovado, empresas como o Telegram podem ter de deixar de prestar serviços no Brasil”, advertiu o serviço de mensagens instantâneas. Na semana passada, o projeto saiu da pauta da Câmara dos Deputados, por falta de votos e em virtude da pressão popular. De autoria do senador Alessandro Vieira (PSDB-RS), o texto é relatado pelo deputado federal Orlando Silva (PCdoB-SP). A versão inicial apresentava alguns tópicos polêmicos, que foram retirados posteriormente, entre eles, a existência de um órgão regulador para checar supostas notícias falsas. Na internet, internautas compararam a iniciativa ao Ministério da Verdade, que aparece no livro 1984, do escritor George Orwell.

Big techs negam relação com artigo do Telegram contra PL 2630

access_time10/05/2023 06:32

O Google e a Meta — dona do WhatsApp, do Instagram e do Facebook — negaram qualquer relação com o artigo publicado pelo Telegram Brasil na terça-feira 9, contra o Projeto de Lei (PL) 2630/2020, conhecido como PL das Fake News — a nota também foi enviada a usuários do aplicativo no Brasil. O Google afirma que a citação feita pelo Telegram ocorreu sem autorização da empresa. “No texto, somos citados sem qualquer autorização e não conhecemos seu conteúdo”, justifica. Já a Meta declarou que “refuta” o uso de seu nome pelo Telegram e nega as alegações no texto. Publicação do Telegram Brasil O Telegram Brasil publicou um artigo com críticas ao PL 2630. No texto, a empresa lista uma série de argumentos contra o que pode “matar a internet moderna”. “Caso seja aprovado, empresas como o Telegram podem ter de deixar de prestar serviços no Brasil”, advertiu o serviço de mensagens instantâneas. A empresa ainda afirma que o projeto é “desnecessário” e aconselha os usuários da plataforma a procurarem deputados federais que possam trabalhar para  alterar a proposição. Google já tinha agido de maneira semelhante Foto: Divulgação/GoogleEm 1° de maio, o Google se manifestou de maneira contrária ao avanço do PL 2630. A plataforma incluiu, em sua página principal, um link para um artigo chamado “O PL das Fake News pode aumentar a confusão sobre o que é verdade ou mentira no Brasil”. No dia seguinte à publicação do texto, a Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon), ligada ao Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP), determinou que o Google teria de sinalizar a informação como publicidade. Logo depois, a empresa retirou o texto da página principal.