Spigreen
Notícias recentes
Vigilância Sanitária descarta produtos vencidos encontrados em estabelecimentos

Vigilância Sanitária descarta produtos vencidos encontrados em estabelecimentos

access_time10/07/2018 08:53

Vigilância Sanitária de Peixoto de Azevedo descartou vários alimentos vencidos encontrados durante v

Cinco homens são mortos a tiros em chacina dentro de casa

Cinco homens são mortos a tiros em chacina dentro de casa

access_time20/02/2020 08:57

Cinco homens foram mortos a tiros durante uma chacina na Cohab Pôr do Sol, em Nobres, a 151 km de Cu

Bolsonaro embarca para Israel e busca acordos em áreas estratégicas

Bolsonaro embarca para Israel e busca acordos em áreas estratégicas

access_time30/03/2019 07:52

O presidente Jair Bolsonaro embarca hoje  (30) para uma visita oficial de três dias a Israel. A viag

Notícias com a tag: pantanal

Ameaçada pelo fogo, onça-pintada invade casas e é resgatada em avião da FAB no Pantanal

access_time18/08/2020 08:31

Uma onça-pintada invadiu várias casas de moradores do Pantanal mato-grossense depois que teve seu habitat destruído pelas queimadas na região durante o fim de semana. O animal foi resgatado, nessa segunda-feira (17), durante uma operação integrada do Corpo de Bombeiros, Secretaria Estadual de Meio Ambiente (Sema), Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Força Aérea Brasileira (FAB), ICMBio e moradores pantaneiros. O coronel Paulo Barro contou que as equipes foram até o Pantanal no sábado (15) para montar um centro de triagem na região para atender os animais vítimas dos incêndios florestais. No entanto, no domingo (16), a equipe foi informada sobre a onça-pintada que estava circulando a região. “Tomamos alguns procedimentos, mas não foram suficientes. Nessa segunda-feira, as veterinárias acharam melhor traze-la para Cuiabá”, explicou. A onça foi sedada e levada em um avião da FAB até o hospital veterinário de Cuiabá. Os pantaneiros disseram aos bombeiros que o animal estava entrando nas casas e quintais de uma área afetada pelo incêndio. Toda noite ela entrava na casa de alguém e, para não expor os moradores, as equipes de resgate decidiram tirá-la da região. Agora o animal receberá os cuidados necessários e deve ser solta na natureza em um local mais seguro. Entre janeiro e essa segunda-feira (17), 820 mil hectares do Pantanal de Mato Grosso haviam sido destruídos pelo fogo. Queimadas no Pantanal consomem desde janeiro área 10 vezes maior do que a cidade de SP — Foto: JN

Acampamentos com fogueiras e uso de fumaça para extração de mel causam incêndios no Pantanal

access_time17/08/2020 10:19

Proprietários rurais e a Secretaria Adjunta de Turismo fizeram uma denúncia no Comitê Temporário Integrado Multiagências de Coordenação Operacional (Ciman) informando que há pessoas indo até o Pantanal mato-grossense para pescar e fazem acampamentos com fogueiras na região. Além disso, há grupos provocando fumaça para extrair mel de abelhas. As ações, segundo o coordenador geral do Ciman, coronel Dércio Santos da Silva, tem causado incêndios no bioma, pois as pessoas perdem o controle devido aos ventos fortes e o fogo se alastra pela mata. Segundo Dércio, o uso errado do fogo tem atrapalhado as ações da força-tarefa na Operação Pantanal 2 e ameaçado os moradores da região que sofrem com as queimadas. Queimadas no Pantanal destroem matas — Foto: JN Em pouco mais de três semanas, mais de 200 mil hectares da maior planície alagável do planeta já foram atingidos pelo fogo. Este é o maior incêndio ocorrido no Pantanal nos últimos 14 anos. Dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) apontam que nos 13 primeiros dias deste mês foram registrados mais focos de queimadas no Pantanal do que durante todo o agosto de 2019. É menos da metade do tempo, mas o número absoluto já apresenta uma alta de 53%. Bombeiros combatem incêndio no Pantanal — Foto: CBM/MT Nesta segunda-feira (17), a Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp) iniciou a Operação Integrada Transpantaneira I. O objetivo é apoiar o enfrentamento qualificado aos crimes ambientais, em especial, incêndios florestais e queimadas irregulares. Para evitar que acampamentos com fogueiras sejam feitos na região, serão criadas barreiras volantes nos principais pontos de entrada do Pantanal.

Pantanal tem 100 mil hectares destruídos por queimadas que começaram há 10 dias em MT

access_time11/08/2020 10:10

Cerca de 100 mil hectares já foram queimados no Pantanal mato-grossense por um incêndio que começou há mais de 10 dias na região do município de Poconé. Deste total, 35 mil são na área da Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN), a maior do país, com 108 mil hectares. Ao todo, 600 focos foram registrados nesta segunda-feira (10), que incluem a Aldeia Indígena Perigara e a Transpantaneira. A RPPN Sesc Pantanal foi a primeira atingida nas divisas norte e sul. Os dois focos de calor avançaram e se juntaram, devastando a unidade de conservação. No Hotel Sesc Porto, a ameaça começou no dia 5 de agosto, com um foco no entorno. Ele cresceu, se espalhou, atravessou a rodovia e atingiu o Parque Sesc Baía das Pedras, também unidade do Sesc Pantanal. O Hotel Sesc Porto Cercado também ficou bastante ameaçado. O fogo está sob controle, mas depende de como vai se comportar o vento e o calor. O fogo é controlado por militares, Forças Armadas, brigadistas e Ibama. A Justiça de Mato Grosso autorizou que 10 presos do complexo penitenciário de Várzea Grande reforcem a operação de combate aos incêndios no Pantanal por 10 dias. Eles serão monitorados com tornozeleiras e supervisionados por dois policiais penais. Pantanal tem 100 mil hectares destruídos por queimadas que começaram há 10 dias em MT; aeronaves são usadas no combate — Foto: Jeferson Prado

Incêndio que começou há 10 dias já atingiu 40 mil hectares no Pantanal de Mato Grosso

access_time31/07/2020 11:13

Um incêndio que começou há 10 dias já atingiu 40 mil hectares no Pantanal de Mato Grosso. O fogo começou a ser registrado no dia 21 de julho na região do município de Poconé, a 104 km de Cuiabá. O Corpo de Bombeiros informou que o fogo se concentra nas proximidades da estrada Transpantaneira, rodovia que interliga a cidade até Porto Jofre, no Pantanal. O Pantanal mato-grossense é reconhecido pela abundância da vida selvagem em uma área de 140 mil metros quadrados. A estimativa de 40 mil hectares atingidos é do Corpo de Bombeiros, que está com 18 militares divididos em cinco equipes na região. Eles combatem o incêndio diretamente com equipamentos e com aceiros. Aceiros são faixas criadas onde a vegetação foi completamente eliminada da superfície do solo. A finalidade é prevenir a passagem do fogo para outra área de vegetação, evitando-se assim a propagação de queimadas ou incêndios. Os bombeiros contam com uma aeronave que despeja água, um helicóptero usado para sobrevoo e reconhecimento do incêndio, além de veículos de transporte. Alguns dias depois do incêndio começar no Pantanal, uma nuvem de fumaça encobriu a região metropolitana após o vento mudar de direção e o incêndio começar a avançar em direção a capital. Ainda não há informações de como o incêndio começou. Queimadas no Pantanal O Pantanal mato-grossense teve um aumento de 530% nos registros de queimadas no primeiro semestre deste ano em relação ao mesmo período do ano passado. Os focos de calor em alta durante o período chuvoso no bioma alertam para um cenário crítico com a chegada da seca em todo o estado, época mais suscetível às queimadas. Segundo o Instituto Centro de Vida (ICV), de janeiro a junho de 2020, foram registrados 6.747 focos de calor no estado, um aumento de quase 300 focos em relação a 2019 (com 6.450) e que contabilizou um acréscimo significativo em relação a 2018, com 4.383 ocorrências. As queimadas no primeiro semestre foram lideradas pela Amazônia, com 60,93%, seguida do Cerrado, com 30,95%, e do Pantanal com 8,12%. Dados do Inpe mostraram que o volume de chuvas em todo o bioma ficou 50% abaixo do normal no período de janeiro a maio, o que também colaborou para deixar o bioma mais suscetível aos incêndios. Dois grandes incêndios já atingiram 35 mil hectares do Pantanal em Mato Grosso, na região de Poconé — Foto: Batalhão de Emergências Ambientais (BEA)

Com 5 frente de trabalho, bombeiros ainda encontram dificuldades para combater incêndio no Pantanal de MT

access_time28/07/2020 18:51

Para combater o fogo no Pantanal mato-grossense os bombeiros estão com cinco frentes de trabalho. No entanto, o maior incêndio fica numa região de difícil acesso, o que torna o trabalho ainda mais arriscado. O Centro Integrado de Multiagências, criado por decreto neste mês, se reuniu nesta terça-feira (28) para traçar estratégias de combate aos incêndios florestais em Mato Grosso. São mais de 10 instituições estaduais e federais reunidas com um só objetivo: combater os incêndios florestais nos três biomas de Mato Grosso: Pantanal, Cerrado e Floresta Amazônica. "A principal estratégia do estado hoje é a integração das forças. Além dessa integração a coparticipação onde o estado pode fiscalizar áreas federais e os entes federais podem fiscalizar áreas do estado. Isso otimiza o nosso trabalho”, explicou o secretário de Segurança Pública, Alexandre Bustamante. O que mais preocupa hoje é o Pantanal onde o fogo já atingiu uma área de 35 mil hectares. "Esse ano é um ano atípico no Pantanal, muito seco. Há 14 anos não tinha um grande incêndio no Pantanal e culminou agora com uma grande estiagem e seca e também com uma grande quantidade de massa, vegetação, que nesse período seco se transforma em matéria orgânica, apodrece, se deteriora e forma diversos gases e pode pegar até fogo espontâneo”, explicou o comandante geral do Corpo de Bombeiros, Alessandro Borges Ferreira. De acordo com Alessandro, a estratégia é fazer uma defesa forte das áreas de conservação. “O acesso é difícil. Nós não temos acesso nem por terra e nem por meio aéreo porque não tem pistas de pousos naquela região, então realmente dificulta muito o combate”, ressaltou. O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama) é um dos parceiros que vão dar apoio no Pantanal, mas por enquanto as equipes estão atuando em outras áreas. O superintendente do Instituto, Gibson Almeida Costa Júnior, disse que são 11 brigadas constituídas. Dessas nove estão em Terras Indígenas e duas em projetos de assentamentos rurais. "Essas brigadas estão distribuídas com 180 brigadistas. Estamos com duas aeronaves no estado fazendo o trabalho de prevenção, uma no parque nacional do Xingu e outra na Ilhado Bananal na divisa com Tocantins”, contou. Crime Apesar de alguns incêndios nessa região terem ocorrido de forma natural, e alguns locais as pessoas têm contribuído para as queimadas. De acordo com a delegada de Polícia Especializada do Meio Ambiente, Alessandra Saturino, a pena para quem cometer esse tipo de crime vai de dois a quatro anos, pois é considerado uma agressão ao Meio Ambiente. “A pessoa que intencionalmente ataca o meio ambiente fazendo o uso do fogo. Aquele que de forma negligente também atua, ele também poderá ser A Polícia Militar por meio do Batalhão de Proteção Ambiental atua na função de comando e controle e fiscalização aplicando as medidas administrativas e criminais nesse tipo de ocorrência. A multa pode ser de R$ 1 mil a 5 mil por hectare de área queimada, além de outros referentes a danos ambientais que podem ocorrer na área afeta a essa a essa queimada ilegal.

Operação apreende maquinário, gado e aplica multa de R$ 1,8 milhões em fazenda no Pantanal

access_time14/03/2020 18:54

Uma fazenda localizada no Pantanal, localizada em Barão de Melgaço, a 121 km de Cuiabá, foi alvo de operação da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema-MT) por descumprimento de embargo. A informação foi divulgada nessa sexta-feira (13). Uma escavadeira e um trator agrícola foram apreendidos e removidos da fazenda e depositados no pátio de bens apreendidos da Sema. O proprietário foi multado em R$1,8 milhões. É a segunda vez consecutiva que a propriedade descumpre o embargo, que foi imposto pela Sema em 2018 em decorrência de desmatamento ilegal. A área embargada estava sendo usada para desenvolvimento da atividade de pecuária e foram apreendidos, além do maquinário, 80 cabeças de gado. A apreensão e retirada das máquinas promove uma descapitalização imediata ao infrator. Na fazenda, os servidores flagraram a presença de gado pastejando e queima de restos do material lenhoso proveniente de desmate. O proprietário, que não se encontrava no local, foi autuado administrativamente por descumprimento de embargo, dificultar a regeneração natural, operar sem licença do órgão ambiental e descumprir notificação para realização do CAR da referida propriedade. Os autos foram encaminhado ao Ministério Público e Delegacia Especializada de Meio Ambiente. O Pantanal é um Bioma com o status de Reserva da Biosfera e considerado área de especial preservação, devido a sua singularidade e grande importância ambiental. No Bioma não é autorizado desmatamento, sendo permitido somente o desenvolvimento de pecuária extensiva, sem a remoção da vegetação nativa de qualquer porte: desde gramínea até florestal. Fazenda localizada no Pantanal, localizada em Barão de Melgaço, foi alvo de operação — Foto: Sema/Assessoria