anuncie aqui vermelho
Notícias recentes
Jornalistas Maria Ressa e Dmitry Muratov recebem Nobel da Paz

Jornalistas Maria Ressa e Dmitry Muratov recebem Nobel da Paz

access_time08/10/2021 10:50

A jornalista filipina Maria Ressa e o jornalista russo Dmitry Muratov venceram o Nobel da Paz 2021.

Venda de veículos novos cai em MT devido à menor produção durante a pandemia de coronavírus

Venda de veículos novos cai em MT devido à menor produção durante a pandemia de coronavírus

access_time09/12/2020 08:22

A freada na produção de veículos no pico da pandemia, que causou redução de entregas e falta de carr

Caminhoneiro morre após ser arremessado para fora do veículo durante acidente na BR-163

Caminhoneiro morre após ser arremessado para fora do veículo durante acidente na BR-163

access_time02/07/2018 16:36

Caminhoneiro identificado como Mario Sergio Pereira, 48 anos, morreu na madrugada do último sábado (

Notícias com a tag: policia-civil

Trezentos quilos de dinamite apreendidos em garimpo onde ocorreu mortes são detonados pela Polícia Civil

access_time25/08/2021 18:31

Uma carga de aproximadamente 300 quilos de emulsão de dinamite foi detonada pela equipe da Gerência de Operações Especiais (GOE) da Polícia Civil, no final de semana, em Guarantã do Norte. Os explosivos foram apreendidos pela equipe da Polícia Civil de Guarantã do Norte em um garimpo, na região conhecida como Serrinha, na Linha Santo Antônio, onde ocorreu uma explosão na última sexta-feira (20.08) que causou a morte de duas vítimas e lesões graves em outras três pessoas. Daniella Trajano Dalffe, de 28 anos, e Mário Lucier Caldeira, de 49 anos, foram a óbito em decorrência da explosão. Logo após a ocorrência, a Polícia Civil e a Politec realizaram os primeiros levantamentos no local e a perícia nos corpos, identificando e contabilizando as emulsões de dinamite que não foram detonadas e realizando o isolamento do local. O Corpo de Bombeiros fez o rescaldo e controlou os focos de incêndio que ainda restavam. O delegado regional de Guarantã do Norte, Geraldo Gezzoni, solicitou o apoio da GOE e uma equipe da Divisão Antibombas, especializada em detonação de explosivos, seguiu para o garimpo e na tarde do sábado, após levantamento criterioso do material e procedimentos de segurança para que as equipes policiais pudessem dar continuidade às diligências investigativas no garimpo. A detonação dos 300 quilos das emulsões de dinamite foi realizada com segurança em uma área na região rural de Guarantã do Norte. Investigação O delegado de Guarantã do Norte, Victor Hugo Caetano de Freitas, instaurou inquérito para apurar as circunstâncias da explosão que causou as mortes e as lesões nas vítimas sobreviventes. Duas pessoas estão hospitalizadas em unidades de tratamento intensivo em hospitais da região norte. O delegado explicou que as diligências estão em andamento e todas as informações necessárias para o esclarecimento dos fatos estão sendo apuradas, assim como serão juntados ao inquérito os laudos da Politec e da GOE sobre os explosivos, perícias no local da explosão e exames de necropsia. Outros dados também serão coletados junto ao Exército, instituição responsável pelo controle de armas e explosivos no País.

Operação cumpre mandados contra faculdades investigadas por falsificação de diplomas e estelionato

access_time09/07/2021 08:17

A segunda fase da Operação Zircônia, deflagrada pelo Ministério Público de Mato Grosso, por meio do Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado (Gaeco), cumpriu cinco mandados judiciais, incluindo prisões, em Cuiabá e Várzea Grande. A investigação apura suposta organização criminosa especializada na oferta de cursos e emissão de diplomas, históricos escolares e certificados de conclusão de cursos de Ensino Superior sem a autorização do Ministério da Educação (MEC). Também são apurados os crimes de estelionato, falsificação e uso de documentos públicos falsos e embaraço à investigação. As ordens judiciais foram expedidas pela 7ª Vara Criminal da Capital. De acordo com o Gaeco, as três instituições investigadas estão com as atividades suspensas por determinação judicial. Dos cinco mandados judiciais expedidos, três são de prisão preventiva em face dos sócios das instituições de ensino investigadas, um refere-se a busca e apreensão domiciliar e o outro de intimação para audiência de justificação. O Gaeco é integrado por membros do Ministério Público Estadual, da Polícia Civil de Mato Grosso e Polícia Militar. Zircônia é uma pedra muito parecida com o diamante. A diferença entre as duas é difícil de ser identificada por pessoas que não são especialistas no assunto, a exemplo das instituições investigadas na operação.

Polícia impede pai que tentava sair do estado com filho de 2 anos sem autorização da mãe

access_time09/07/2021 08:09

A ação de um homem que tentava sair do estado com o filho sem autorização da mãe foi frustrada pela Polícia Civil, na quinta-feira (08/07), em um trabalho conjunto realizado pela Delegacia de Poconé e Delegacia Especializada de Defesa da Mulher, Criança e Idoso de Várzea Grande (DEDMCI-VG). O suspeito saiu com o filho da cidade de Poconé e foi localizado com a criança na rodoviária de Várzea Grande, pouco antes de embarcar para Goiânia (GO). As  investigações iniciaram na manhã de quinta-feira (08) quando a mãe da criança relatou que o ex-companheiro havia saído da cidade com o filho de apenas dois anos e ainda lactente. Segundo as informações, o casal conviveu  três anos e estava separado há poucos dias, tendo a mulher deixado a residência em que viviam e ido com o filho para a casa da mãe. Na quarta-feira (07), o suspeito procurou a ex-companheira e disse que pegaria o filho para “dar uma volta”. Após pegar a criança, o suspeito passou em casa buscou as roupas dele e do filho e entrou em um táxi com destino â Cuiabá/Várzea Grande. Após perceber que o ex-companheiro havia desaparecido com a criança, a mãe procurou a Polícia Militar. Os policiais abordaram o taxista que disse que deixou o pai e a criança em um hotel próximo a rodoviária em Várzea Grande. O suspeito chegou a ser detido e conduzido à Central de Flagrantes de Várzea Grande, onde apresentou a documentação da criança e não havendo definição legal da guarda, foi ouvido e liberado. Somente na manhã de quinta-feira, a mãe da criança compareceu a Delegacia de Poconé, para registrar o boletim de ocorrência e passando as informações de que o ex-companheiro estava com passagens compradas para embarcar com o filho com destino à Goiânia. Diante dos fatos, entendendo por uma possível subtração de incapaz e também pela periculosidade à vida da menino, uma vez que ainda é lactente e foi colocado longe da mãe, o delegado Maurício Pereira Maciel solicitou pelas medidas protetivas e em seguida entrou em contato com a Delegacia da Mulher, Criança e Idoso de Várzea Grande, na tentativa de localizar o suspeito e a criança. A equipe da DEDMCI-VG imediatamente iniciou as diligências conseguindo localizar o suspeito com o filho na rodoviária de Várzea Grande, aguardando o embarque. Ele foi conduzido à delegacia para prestar esclarecimentos dos fatos e sendo a situação acompanhada pela equipe do Conselho Tutelar de Poconé. Evidenciada a situação de risco para a criança, o menino foi entregue ao Conselho Tutelar que o levou de volta para Poconé. Segundo o delegado, Maurício Maciel, apesar de o pai ter saído da cidade com o filho sem autorização da mãe, não coube situação de flagrante contra o suspeito, uma vez que o casal ainda resolveu as questões legais relacionadas à guarda da criança.

Organização criminosa desmantelada pela Polícia Civil movimentou R$ 6 milhões com furtos e roubos de cargas

access_time09/07/2021 07:40

A organização criminosa que atuava no roubo e furtos de cargas de grãos no estado e foi presa nesta semana pela Polícia Civil de Mato Grosso no interior de São Paulo movimentou, aproximadamente, R$ 6 milhões com o esquema criminoso praticado em território mato-grossense e em outras unidades da federação. Oito investigados, entre eles os cabeças da organização criminosa e donos da transportadora envolvida nos roubos e furtos, foram presos nesta semana durante a Operação Safra, coordenada pela Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO) e Delegacia da Polícia Civil de Paranatinga. O homem de 35 anos e a a mulher dele, de 37 anos, foram presos na cidade de Irati (PR), quando tentavam fugir do interior de São Paulo para a região sul do País. As outras prisões foram cumpridas nas cidades de Ponta Grossa (PR) e Avaré, Assis e Garça (SP). Os mandados judiciais decretados pela Justiça de Mato Grosso foram cumpridos em cidades do interior paulista e do Paraná. Em Assis, sede da transportadora usada pelo casal que liderava o esquema criminoso, foram aprendidos quatro caminhões e seis carretas, e a empresa foi fechada. As cargas de grãos, principalmente soja, eram desviadas ou furtadas de fazendas produtoras ou armazéns graneleiros, onde os criminosos agiam utilizando notas fiscais frias para a retirada dos produtos. Depois que revendiam as cargas, ainda dentro de Mato Grosso, saíam do estado com o dinheiro obtido no esquema, agindo como 'piratas', conforme apurou a investigação que reuniu ocorrências registradas em 40 boletins comunicados à Polícia Civil de Mato Grosso. Policiais civis das Delegacias de Paranatinga e de Primavera do Leste, da GCCO, Gerência de Operações Especiais e Polinter também cumpriram 11 mandados de buscas contra alvos da investigação nas cidades do interior paulista, como  Assis, Avaré, Conchas, São Miguel Arcanjo, Paraguaçu Paulista, Maracaí e Tarumã; e em Campo Mourão, no Paraná. A Operação Safra contou com apoio da seccional da Polícia Civil de São Paulo em Assis. Esquema criminoso As investigações iniciaram na Delegacia de Paranatinga, que apurou os furtos de duas cargas de soja ocorridos em março deste ano. A partir de outras ocorrências registradas nas cidades de Sorriso e de Ipiranga do Norte, a Gerência de Combate ao Crime Organizado da Polícia Civil de Mato Grosso identificou o esquema criminoso envolvendo uma empresa de transportes sediada no município de Assis e utilizada para a prática dos crimes.  Durante anos, o proprietário e demais integrantes da quadrilha desviaram toneladas de grãos em Mato Grosso, conforme constam em mais de 40 boletins de ocorrência registrados pelas empresas proprietárias das cargas. A investigação da Polícia Civil apontou que o proprietário da empresa, de 35 anos e o grupo criminoso liderado por ele atuavam como 'piratas' ao entrar no estado para furtar as cargas e depois sair com o dinheiro obtido nas vendas criminosas. A apuração apontou que a quadrilha utilizava-se das mais variadas fraudes, aproveitando-se falhas no sistema de controle das fazendas e das transportadoras contratantes. Depois de praticarem os furtos, voltavam à cidade de Assis levando o “espólio, valores em dinheiro. O delegado de Paranatinga, Hugo Abdon, destaca que a operação foi realizada para reunir informações contra os alvos investigados e também interromper as condutas criminosas. “Além disso, o objetivo era também atingir o patrimônio da organização criminosa, ressarcir as vítimas dos prejuízos sofridos e, por fim, levar à punição dos associados”, explicou.  O delegado Vitor Hugo Bruzulato Teixeira, pontua que o inquérito instaurado pela GCCO apura os crimes de organização criminosa, furto qualificado pela fraude e por concurso de pessoas, além de haver indícios da prática de lavagem de dinheiro e sonegação fiscal.   Além dos furtos, a organização criminosa passou a agir também roubando cargas, com uso de armas de fogo e mantendo as vítimas reféns durante a ação. “Ou seja, a quadrilha está também praticando os mais variados crimes, inclusive, usando de violência, com emprego de arma de fogo e zombando do sistema de justiça e do principal sistema produtivo brasileiro, que é o agronegócio”, apontou o delegado Vitor Hugo.  Somente em Paranatinga, a quadrilha causou um prejuízo de R$ 300 mil com as duas cargas de soja furtadas. Em Ipiranga do Norte, os criminosos desviaram quatro cargas completas de soja avaliadas em aproximadamente R$ 600 mil.

TJ mantém verba indenizatória de R$ 6 mil para delegados da PC de MT

access_time10/05/2021 07:28

A 2ª Câmara de Direito Público e Coletivo do Tribunal de Justiça (TJMT) manteve o pagamento de verbas indenizatórias aos delegados da Polícia Judiciária Civil de Mato Grosso (PJC). O benefício foi instituído por uma Lei Complementar do ano de 2005 (nº 234/2005), e prevê um pagamento variável de R$ 2 mil a R$ 6 mil para a cobertura de despesas como diárias e passagens, no desempenho das funções dos servidores. A sessão de julgamento ocorreu no dia 26 de abril de 2021. Os magistrados seguiram por unanimidade o voto do juiz convocado para atuar na 2ª instância, Marcio Aparecido Guedes, relator de dois recursos (ingressados pelo Governo do Estado, e também pelo Sindepo-MT). No primeiro deles, o Governo do Estado defendeu em seu recurso que o pagamento deve atingir apenas aqueles que fazem jus à verba – e não a todos os delegados filiados do Sindicato, como prevê a decisão. Em seu voto, o juiz não concordou com os argumentos. "Cumpre esclarecer que a Entidade autora ora apelada, representa servidores públicos estaduais efetivos, no cargo de Delegado de Polícia, e seu pleito, acerca das verbas indenizatórias pagas a menor, está explicitamente amparado pela legislação vigente à época dos fatos”, diz trecho dos autos. O Sindepo, que já teve uma decisão anterior favorável ao seu pedido, tenta alterar o início do cômputo da correção monetária – estabelecidos desde a citação do Estado de Mato Grosso no processo. A entidade que representa os sindicatos defende que eles sejam contados a partir do evento danoso, quando o Governo deixou de pagar as verbas, no período entre 2009 e 2011. O magistrado concordou com o pedido, estabelecendo que as correção devem ser tomadas “de acordo com o índice da poupança”. “Desse modo, tendo o juízo singular, fixado na sentença o termo inicial da correção monetária a partir da sentença, merece reparo neste ponto o decisum para que o marco inaugural do aludido índice se dê, desde quando as verbas deveriam ter sido pagas, ou seja, desde o vencimento”, diz trecho do voto. Ainda cabe recurso contra a decisão.