anuncie aqui vermelho
Notícias recentes
Atlético-MG autoriza e Cuiabá anuncia renovação com lateral uruguaio

Atlético-MG autoriza e Cuiabá anuncia renovação com lateral uruguaio

access_time18/05/2021 08:23

O lateral-esquerdo Lucas Hernández prorrogou o contrato de empréstimo com o Cuiabá até dezembro. Os

Reunião preparatória para o Desfile de 7 de Setembro em Peixoto de Azevedo

Reunião preparatória para o Desfile de 7 de Setembro em Peixoto de Azevedo

access_time11/08/2018 07:36

As Secretarias Municipais de Educação e Assistência Social realizaram a segunda reunião preparatória

Comunicado de abastecimento

Comunicado de abastecimento

access_time13/08/2018 13:43

A Águas de Peixoto de Azevedo informa a população que devido à necessidade de manutenções emergência

Notícias com a tag: traficodedrogas

Operação tenta prender quadrilha de MT e SP que importava droga da Bolívia em aviões para o Brasil

access_time31/10/2018 08:22

A Polícia Federal deflagrou nesta quarta-feira (31) a Operação Carcará, que investiga a atuação de uma organização criminosa de Mato Grosso e São Paulo que importava droga da Bolívia. De acordo com a PF, os policiais cumprem 29 mandados de prisão e buscas e apreensões em Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, Paraná e São Paulo. As ordens foram expedidas pela 5ª Vara da Justiça Federal de Mato Grosso. Os mandados de prisão e busca ocorrem em Tangará da Serra, Cuiabá, Suzano, Itaquaquecetuba, Goiânia, Corumbá, Londrina. A operação investiga os crimes de tráfico internacional de drogas, organização criminosa e lavagem de dinheiro. Segundo a PF, a organização criminosa, com sede em Mato Grosso e São Paulo, 'importava' droga da Bolívia com alto teor de pureza. O entorpecente era carregado por meio de aeronaves, sendo depositado na cidade de Colniza, a 1.065 km de Cuiabá. Do município, o material seguia para São Paulo em caminhões com fundos falsos, geralmente localizados nos tanques de combustíveis. Operação cumpre mandados de prisão e busca em Tangará da Serra. Foto: TV Centro América As investigações apontam que o grupo utilizava rastreadores via satélite para monitorar os caminhões carregados com drogas. A PF ainda apurou que um dos presos, que já estava preso por homicídio, possuía aeronave e carteira de piloto para voar.