anuncie aqui vermelho
Notícias recentes
Mato Grosso atinge a marca de R$ 2,1 bilhões recolhidos em tributos nos primeiros 17 dias de 2020

Mato Grosso atinge a marca de R$ 2,1 bilhões recolhidos em tributos nos primeiros 17 dias de 2020

access_time20/01/2020 11:03

Nos primeiros 17 dias do ano, os mato-grossenses já pagaram em tributos mais de R$ 2,1 bilhões aos c

O cientista de 104 anos que saiu de casa porque decidiu morrer

O cientista de 104 anos que saiu de casa porque decidiu morrer

access_time02/05/2018 20:59

Nesta quarta-feira, o cientista David Goodall, de 104 anos, se despediu de sua casa na Austrália par

Prazo para resgate de time na Tailândia aperta: entre três e quatro dias

Prazo para resgate de time na Tailândia aperta: entre três e quatro dias

access_time07/07/2018 11:24

O prazo para resgatar os adolescentes presos em uma caverna na Tailândia fica cada vez mais apertado

Notícias com a tag: vacina

Mato Grosso recebe 68.700 doses da vacina Janssen neste sábado (03)

access_time03/07/2021 10:08

O Ministério da Saúde informou ao Estado o envio de 68.700 doses da vacina Janssen para a imunização dos grupos prioritários da Campanha Nacional de Vacinação contra a Covid-19. As doses chegarão às 15h35 deste sábado (03.07), por um voo da Latam, no Aeroporto Marechal Rondon, em Várzea Grande. Os imunizantes da Janssen devem ser usados como dose única. Os públicos para os quais serão destinadas essas doses ainda estão sendo definidos e serão divulgados por meio da resolução da Comissão Intergestores Bipartite (CIB). Mato Grosso também recebe neste sábado outras 45.250 doses da AstraZeneca e 49.140 doses da Pfizer. Imediatamente após a chegada do imunizante, as equipes da Vigilância Estadual trabalharão no recebimento das doses, na conferência da quantidade, na catalogação dos imunizantes, no encaixotamento para distribuição e retirada dos municípios. Simultaneamente à operação logística, as equipes administrativas trabalham na resolução da Comissão Intergetores Bipartite (CIB), colegiado que oficializa o quantitativo de doses a ser destinado para os 141 municípios. Até o momento, Mato Grosso já recebeu 1.896.910 doses de imunizantes contra a Covid-19

Mato Grosso recebe 98.070 doses de vacina contra a Covid-19 nesta quarta-feira (30)

access_time30/06/2021 12:29

O Ministério da Saúde informou ao Estado o envio de 98.070 doses de vacinas para a imunização dos grupos prioritários da Campanha Nacional de Vacinação contra a Covid-19. As doses chegarão em três remessas: uma às 12h, outra às 15h02 e a última às 15h35 desta quarta-feira (30/06), no Aeroporto Marechal Rondon, em Várzea Grande. Às 12h e às 15h02 chegará, por voos da Azul, um total de 73.500 doses da AstraZeneca. Para as 15h35, está prevista a chegada de 24.570 doses da Pfizer por um voo da Latam. Os públicos para os quais serão destinadas essas doses ainda estão sendo definidos e serão divulgados por meio da resolução da Comissão Intergestores Bipartite (CIB). Para a vacina AstraZeneca, o prazo de aplicação da segunda dose é de até 90 dias. Já o prazo da segunda dose da Pfizer é de até 12 semanas.  Imediatamente após a chegada do imunizante, as equipes da Vigilância Estadual trabalharão no recebimento das doses, na conferência da quantidade, na catalogação dos imunizantes, no encaixotamento para distribuição e retirada dos municípios. Simultaneamente à operação logística, as equipes administrativas trabalham na resolução da Comissão Intergetores Bipartite (CIB), colegiado que oficializa o quantitativo de doses a ser destinado para os 141 municípios. Até o momento, Mato Grosso já recebeu 1.798.840 doses de imunizantes contra a Covid-19.

Definido envio de mais 4,9 mil doses de vacinas contra a Covid para Peixoto, Colíder e mais 5

access_time26/06/2021 08:42

Mais 4.939 doses de vacinas CoronaVac, Pfizer e Janssen serão encaminhadas para os municípios de Peixoto de Azevedo, Guarantã do Norte, Colíder, Matupá, Nova Guarita, Novo Mundo e Terra Nova do Norte, que fazem parte da regional Vale do Peixoto. A definição foi divulgada, ontem, pela Comissão Intergestores Bipartite de Mato Grosso. Serão 1.494 da Pfizer (prazo de aplicação da 2ª dose é de 12 semanas), 2.320 da CoronaVac (14 a 28 dias para aplicar a 2ª) e 1.125 da Janssen, conta com aplicação em dose única, sem necessidade de reforço. Para as doses da Pfizer, a recomendação da CIB é de que sejam aplicadas como primeira dose em pessoas com comorbidades ou deficiência permanente grave, gestantes e puérperas com comorbidades ou sem – desde que tenham recomendação médica para tomar a vacina -, lactantes de bebês de até 1 ano de idade completos e trabalhadores da Assistência Social. De acordo com o documento, a vacina CoronaVac deve ser aplicada como primeira e segunda dose em lactantes de bebês de até 1 ano de idade completos. Os imunizantes da Janssen devem ser utilizados como dose única em pessoas entre 55 e 59 anos. A resolução esclarece ainda que o grupo de trabalhadores do transporte urbano será atendido assim que concluído o levantamento dos quantitativos por município, para que a distribuição seja viabilizada. Conforme Só Notícias já informou, os municípios de Sinop, Sorriso, Lucas do Rio Verde, Nova Mutum, Cláudia, Feliz Natal, Ipiranga do Norte, Itanhangá, Itáuba, Marcelândia, Nova Santa Helena, Nova Ubiratã, Santa Carmen, Santa Rita do Trivelato, Trapurah, União do Sul e Vera receberão 16.328 doses.

Mato Grosso recebeu 112.250 doses da Astrazeneca neste domingo (20)

access_time21/06/2021 09:23

Mato Grosso recebeu neste domingo (20.06) do Ministério da Saúde 112.250 doses da vacina Astrazeneca para a imunização dos grupos prioritários da Campanha Nacional de Vacinação contra a Covid-19.  De acordo com o Informe Técnico do Programa Nacional de Imunizações, as doses da Astrazeneca serão direcionadas a segunda aplicação em pessoas 60 a 64 anos, trabalhadores da saúde e Forças de segurança, salvamento e armada.  O detalhamento para cada público das vacinas poderá ser acessado na resolução da Comissão Intergestores Bipartite (CIB), que será divulgada ainda nesta segunda-feira (21.06). Para a vacina da Astrazeneca, o prazo de aplicação da segunda dose é de até 90 dias. Mato Grosso já recebeu 1.684.920 doses de imunizantes contra a Covid-19 e aguarda a chegada da nova remessa.

Anvisa autoriza importação excepcional da vacina Sputnik V

access_time16/06/2021 10:21

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) concedeu autorização, por meio do Circuito Deliberativo nº 539/2021, para a importação excepcional da vacina Sputnik V pelos estados do Rio Grande do Norte, de Mato Grosso, Rondônia, do Pará, Amapá, da Paraíba e de Goiás. Assim como deliberado no dia 4 de junho, na 9ª Reunião Extraordinária Pública da Diretoria Colegiada, a importação aprovada nessa terça-feira (15) também deverá ser realizada sob condições controladas. Para tanto, de acordo com a Anvisa, foram estabelecidas as mesmas responsabilidades e condicionantes aos requerentes. As principais condições preveem que a vacina deverá ser utilizada apenas na imunização de indivíduos adultos saudáveis e que todos os lotes dos imunizantes importados somente poderão ser destinados ao uso após liberação pelo Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde (INCQS). Além disso, a Anvisa receberá relatórios periódicos de avaliação benefício-risco da vacina; o imunizante deverá ser utilizado em condições controladas com condução de estudo de efetividade, com delineamento acordado com a agência e executado conforme Boas Práticas Clínicas; a Anvisa poderá, a qualquer momento, suspender a importação, distribuição e uso das vacinas importadas; dentre outros aspectos destacados no voto do relator. Na deliberação, também foram autorizados quantitativos reduzidos de doses a serem importadas para vacinação de 1% da população de cada um dos estados, o que permitirá o adequado monitoramento e ação imediata da agência, caso necessário: Rio Grande do Norte - 71 mil doses; Mato Grosso - 71 mil  doses; Rondônia - 36 mil doses; Pará - 174 mil doses; Amapá - 17 mil doses; Paraíba - 81 mil doses; e Goiás - 142 mil doses. Ouça audio da Radioagência Nacional: Baixar em MP3 Ouça outras notícias da Radioagência Nacional. *Com informações da Anvisa.

Governo de MT já pactuou 99,9% das doses recebidas; veja quanto cada município aplicou

access_time15/06/2021 17:46

O Governo de Mato Grosso recebeu, até a manhã desta terça-feira (15.06), 1.501.230 doses das vacinas contra Covid-19 do Ministério da Saúde e já disponibilizou 1.500.731 aos 141 municípios do Estado, ou seja, 99,9% do total recebido. Apenas as segundas doses da AstraZeneca, recebidas em maio, foram pactuadas e retidas pelo Estado, pois serão distribuídas em data próxima da aplicação. A disponibilização das doses é resultado da soma da primeira e segunda doses (1.334.063), acrescida das doses destinadas às populações indígenas aldeadas (54.120) e dos arredondamentos técnicos (112.548) necessários para o ajuste volumétrico dos frascos disponibilizados pelo Ministério da Saúde.   Das 1.334.063 doses retiradas pelos municípios, as prefeituras aplicaram 1.041.908 (78%), sendo 743.729 como primeira dose e 298.179 como segunda dose. O percentual da semana passada era de 76%.   Os 10 municípios que mais aplicaram vacinas, considerando o percentual de doses aplicadas em relação às doses recebidas, foram: Porto Esperidião (95%), Novo Mundo (94%), Torixoréu (94%), Araputanga (93%), Conquista D’Oeste (91%), Planalto da Serra (89%), Ribeirãozinho (89%), Paranaíta (89%), Primavera do Leste (89%) e Nova Monte Verde (89%).  Confira o ranking completo de aplicação das vacinas no Boletim Informativo nº 457 ou no Painel de Distribuição de Vacinas Covid-19. Considerando as vacinas destinadas à população indígena, alguns municípios podem contabilizar as doses aplicadas em aldeias pertencentes a territórios vizinhos e ultrapassar o limite de 100% da aplicação. A Vigilância Estadual alertou que a utilização de unidades de segunda dose como primeira dose pode comprometer o esquema vacinal da população do município, considerando o fornecimento e as orientações feitas pelo Ministério da Saúde. Sobre a distribuição Na força-tarefa da vacinação, cabe ao Governo do Estado fazer a logística de distribuição, que é definida pela Comissão Intergestores Bipartite de Mato Grosso (CIB-MT), composta por membros do Conselho das Secretarias Municipais de Saúde (Cosems) e da Secretaria Estadual de Saúde (SES-MT). A escolta dos materiais até os 14 polos de distribuição é feita pela Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp), além das Polícias Federal e Rodoviária Federal e do Ministério da Defesa. O Centro Integrado de Operações Aéreas (Ciopaer) também disponibiliza sua frota aérea para dar celeridade à distribuição. É importante ressaltar que o Governo Federal define o total de doses que cada estado recebe. Essa definição ocorre de acordo com a quantidade de pessoas que pertencem aos grupos prioritários e não pela quantidade absoluta da população. DOWNLOAD  Ranking Vacinação 15.06

Governador de Mato Grosso recebe a primeira dose da vacina AstraZeneca

access_time08/06/2021 10:10

O governador de Mato Grosso, Mauro Mendes (DEM), recebeu a primeira dose da vacina AstraZeneca na manhã desta terça-feira (8) no posto de vacinação instalado na Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT), em Cuiabá. O gestor tem 57 anos e não possui comorbidades. Mauro Mendes já foi infectado pela Covid-19 em junho do ano passado. O cadastro de pessoas sem comorbidades a partir dos 55 anos foi aberto na semana passada pela Prefeitura de Cuiabá. Prefeito vacinado O prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB) também foi imunizado com a primeira dose da vacina contra a Covid-19 na segunda-feira (7). A aplicação da dose foi no polo do Senai, na Avenida 15 de Novembro, Bairro Porto. Anteriormente, o prefeito havia agendado para receber a primeira dose no dia 17 de maio. No entanto, não pôde ser imunizado por não se encaixar nos critérios de comorbidades.

Ministério da Saúde pede autorização à Anvisa para importar vacina

access_time25/05/2021 10:31

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) está analisando um novo pedido de importação de 20 milhões de doses da vacina Covaxin contra a covid-19. A solicitação foi formalizada nessa segunda-feira (24) pelo Ministério da Saúde. O imunizante é produzido pelo laboratório Bharat Biotech, na Índia. Em março, a Anvisa negou a certificação de boas práticas à fabricante e, na sequência, um primeiro pedido para importação do imunizante. A certificação é um dos requisitos para que a vacina possa ser usada no Brasil.  Apesar da negativa, a Anvisa informou que, desde então, juntamente com o Ministério da Saúde e a Precisa Medicamentos, empresa que negocia a vacina no país, os três "seguiram em tratativas a fim de adequar os aspectos que motivaram o indeferimento". "Neste sentido, já foi publicada pela Anvisa a anuência para realização do estudo clínico com a vacina Covaxin no Brasil, conforme Resolução nº 1.938, de 13 de maio de 2021", informou a agência, em nota.

Pfizer pede que Anvisa mude temperatura de armazenamento de sua vacina

access_time22/05/2021 08:45

A Pfizer entrou com pedido na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para obter uma autorização de flexibilização do armazenamento de sua vacina contra a covid-19 após o descongelamento. O imunizante já é aplicado no Brasil.     Até o momento, a vacina da Pfizer tem permissão para ser armazenada nas temperaturas de 2º Celsius a 8ºC por até cinco dias. Contudo, a farmacêutica apresentou estudos que apontariam a estabilidade da substância quando guardada nesta condição por mais tempo. O comunicado da Anvisa sobre o pedido não detalha, contudo, durante qual prazo seria possível o armazenamento nessas temperaturas. A previsão da agência é que a análise seja feita até a próxima semana. De acordo com a autorização da Anvisa, a conservação da vacina pode ser feita por até duas semanas nas temperaturas entre -15ºC e -25ºC. Além deste período, é necessário garantir os recipientes em congelamento de -60ºC a -90ºC. Em audiência pública da Comissão Externa da Câmara dos Deputados de Enfrentamento da Pandemia nesta semana, o secretário executivo do Ministério da Saúde, Rodrigo Cruz, afirmou que a mudança é importante diante da dificuldade de cidades brasileiras disporem de estrutura para armazenar a vacina.

Grávida em MT passa mal após vacina; parto é antecipado e bebê "luta pela vida"

access_time14/05/2021 10:37

A Defensoria Pública tenta agilizar, com urgência, vaga em UTI Neonatal com Centro Cirúrgico Pediátrico, desde a noite de quinta-feira (13/5), para transferir uma grávida de sete meses e meio, que passou mal, 24h após tomar a vacina Coronavac. Além da antecipação do parto, o que torna o caso gravíssimo é que a criança, assim que nascer, deve passar por uma cirurgia que os médicos avaliam, deve ocorrer até o 12h desta sexta-feira (14/5). A paciente está internada desde quarta-feira (12/5) no Centro de Obstetrícia do Hospital São Luiz, em Cáceres, 219 km de Cuiabá, com perda de líquido amniótico. A defensora pública plantonista, Carolina Weitikiewic, entrou com uma ação de obrigação de fazer contra o Estado de Mato Grosso e o município de Araputanga, onde a paciente mora, após tentar a vaga administrativamente, sem sucesso. Carolina explica que em Cáceres a paciente conta com vaga na UTI Neonatal, mas não há Centro Cirúrgico Pediátrico. O que coloca em risco a vida do bebê, que foi diagnosticado com má formação denominada “onfalocele”, que se caracteriza pela presença de órgãos, como intestino, fígado ou baço, fora da cavidade abdominal e recobertos apenas por uma fina membrana. “Estamos correndo contra o tempo desde a noite e madrugada de ontem para encontrar um local para o nascimento e a cirurgia, pois a médica que acompanha o caso afirma que, se a cirurgia for feita em Cáceres e depois o bebê tiver que ser transferido, as chances de sobrevida dele serão muito baixas”. A defensora lembra que todas as respostas para o pedido de transferência até o momento foram negativas, com a informação de que não existe leito no Sistema Único de Saúde (SUS), para atender ao caso. Diante das negativas da Central de Regulação, Carolina protocolou a ação na Vara Regional de Araputanga, na qual pede que a gestante seja transferida para um hospital privado, em Mato Grosso ou no país, para que a vida dela e do seu filho sejam preservadas. “Precisamos de uma decisão judicial que viabilize essa vaga, urgentemente, ou de uma decisão administrativa para resguardar a vida do bebê e da mãe”.  Enquanto a matéria era feita, a gestante entrou na sala de cirurgia para fazer o parto. “Não deu mais para esperar. O bebezinho vai nascer aqui. Agora vamos continuar tentando transferi-lo para uma UTI Neonatal, com um Centro Cirúrgico, e rezar para conseguir essa vaga”.

Butantan entrega mais 1 milhão de doses de vacinas contra covid-19

access_time12/05/2021 10:30

O Instituto Butantan liberou hoje (12) mais 1 milhão de doses da vacina contra o novo coronavírus ao Programa Nacional de Imunizações (PNI). Com essa remessa, o Butantan totaliza 46,112 milhões de doses disponibilizadas ao Ministério da Saúde desde o início deste ano e cumpre o primeiro contrato firmado com o governo federal em janeiro.  Segundo informações do governo de São Paulo, na próxima sexta-feira (14) começa a entrega das doses previstas no segundo contrato, que é de 54 milhões de vacinas. A primeira remessa será de 1,1 milhão de doses.  “As vacinas entregues em maio foram produzidas a partir de 3 mil litros de insumos recebidos no dia 19 de abril. Assim que um novo lote de insumos da China chegar ao país, será possível retomar a produção e efetuar novas entregas do imunizante ao governo federal”, diz o governo estadual. De acordo com as informações, também serão entregues neste mês mais 30 milhões de doses da vacina contra a gripe para distribuição em todo o país.

Anvisa orienta suspensão de vacina da AstraZeneca para grávidas

access_time11/05/2021 11:07

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) recomendou a suspensão imediata do uso da vacina contra a covid-19 da AstraZeneca/Fiocruz para mulheres gestantes. A orientação está em nota técnica emitida pela agência. A orientação da Anvisa é que a indicação da bula da vacina AstraZeneca seja seguida pelo Programa Nacional de Imunização (PNI), do Ministério da Saúde A decisão é resultado do monitoramento de eventos adversos feito de forma constante sobre as vacinas contra a covid-19 em uso no país. “O uso off label de vacinas, ou seja, em situações não previstas na bula, só deve ser feito mediante avaliação individual por um profissional de saúde que considere os riscos e benefícios da vacina para a paciente. A bula atual da vacina contra a covid-19 da AstraZeneca não recomenda o uso da vacina sem orientação médica”, ressaltou a Anvisa. A vacina vinha sendo usada em gestantes com comorbidades. Agora, só podem ser aplicadas nas grávidas a CoronaVac e a vacina da Pfizer. Rio de Janeiro A Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro decidiu suspender a vacinação de gestantes e puérperas na cidade até que “a investigação do caso de evento adverso em gestante seja finalizada pelo Ministério da Saúde e o Programa Nacional de Imunizações se pronuncie”. São Paulo Devido a essa orientação da Anvisa, a prefeitura de São Paulo suspendeu preventivamente a aplicação de vacinas contra covid-19 da AstraZeneca/Fiocruz para gestantes. A suspensão será mantida até que ocorra uma nova orientação por meio do PNI. A vacinação contra a covid-19 permanece em andamento e ganhou novos públicos elegíveis nesta terça-feira (11): metroviários, ferroviários, mães de recém-nascidos com comorbidades e pessoas com deficiência permanente inscritos no Benefício de Prestação Continuada (entre 55 e 59 anos). Texto atualizado com os dois últimos parágrafos, que tinham sido publicados originalmente como uma matéria à parte. Os textos foram incorporados em uma única matéria por tratarem do mesmo assunto. Posteriormente, às 9h45, foi incluído parágrafo com informações sobre o Rio de Janeiro. *Colaboraram Ludmilla Souza e Vitor Abdala

Declarações falsas de comorbidades para vacinação podem ser enquadradas em 14 tipos de crime

access_time07/05/2021 10:44

Um comunicado elaborado pelo Ministério Público Estadual e o Conselho Municipal de Saúde de Pontes e Lacerda, no sudoeste do estado, alerta sobre as implicações ocasionadas por eventual apresentação de atestados com declarações falsas de comorbidades para vacinação da Covid-19. Declarações falsas de comorbidades para vacinação podem ser enquadradas em 14 tipos de crimes. Segundo a prefeitura, a iniciativa busca informar e sensibilizar a população sobre a temática, já que nos próximos dias o município começará a priorizar a vacinação de pacientes que estão nesse grupo. De acordo com a promotora de Justiça Mariana Batizoco Silva Alcântara, a emissão de atestado falso por profissional médico no exercício de sua profissão tem como pena detenção de um mês a um ano. Além disso, se o crime for cometido com o fim de obtenção de lucro, aplica-se também multa. Ela destaca ainda as consequências previstas para as pessoas que não pertencem aos grupos prioritários e furam a fila de vacinação ou favorecem essa prática. Elas podem ser enquadradas , dependendo do caso, em 14 tipos de crimes: abuso de autoridade, concussão, condescendência criminosa, corrupção passiva, prevaricação, corrupção ativa, peculato, crime de responsabilidade de prefeito, dano qualificado; furto, roubo e receptação; falsificação, corrupção ou adulteração de produto destinado a fins terapêuticos ou medicinais; infração de medida sanitária preventiva e crimes contra a fé pública. Conforme a promotora de Justiça, já ficou definido em reunião promovida pelo Conselho Municipal de Saúde que, para resguardar os vacinadores e evitar problemas futuros, os documentos de comprovação das comorbidades serão registrados e arquivados. O município também está fazendo um levantamento nas unidades de saúde dos pacientes que apresentam comorbidades. Denúncias sobre eventuais irregularidades na efetivação da campanha nacional de imunização podem ser encaminhadas à Ouvidoria do MPMT pelo e-mail ouvidoria@mpmt.mp.br ou por whatsapp: (65) 99259-0913, (65) 99269-8113, (65) 99271-0792 e (65) 99255-4681.

Pessoas com comorbidades começam a ser vacinadas contra o Covid-19 em Peixoto

access_time05/05/2021 08:10

A Secretaria de Saúde de Peixoto de Azevedo através do Departamento de Imunização realizou reunião de trabalho para traçar estratégias de cumprimento da nova fase de vacinação contra o Covid-19 ao grupo de pessoas com doenças pré-existentes como problemas cardíacos e do pulmão, hipertensão arterial e diabetes que podem oferecer risco de agravamento da doença. Participaram das discussões todos os médicos que atuam nas Unidades Básicas de Saúde espalhadas pelos bairros do perímetro urbano da cidade. Dentre as tratativas esteve o cumprimento do esquema vacinal das pessoas de 55 a 59 anos de idade, seguindo a determinação para que seja dos mais velhos aos mais jovens, que por sua vez deverão obrigatoriamente apresentar no momento da imunização, o comprovante da comorbidade, ou seja, o Laudo Médico a ser fornecido pelos profissionais dos Postos de Saúde. É importante lembrar que a vacinação ocorrerá nas dependências da Vila Olímpica para os indivíduos com síndrome de Down, pacientes que fazem hemodiálise, gestantes com comorbidades e imunossuprimidos, aqueles indivíduos que, por ação de algum medicamento tem reações adversas e a redução do seu sistema imunológico. Estes também poderão receber a primeira dose do imunizante. A recomendação para este público alvo do Plano Nacional de Imunização é que procurem o mais breve possível as Unidades Básicas de Saúde para avaliação médica e o recebimento do Laudo Médico, que por sua vez deverá ser apresentado no ato vacinação para a equipe técnica de imunizadores. A vacinação deste novo grupo prioritário começa nesta quarta-feira dia 05 de maio no horário de atendimento na Vila Olímpica continha sendo o mesmo das 8h às 11h e das 13h as 17h. Saiba quais são as comorbidades O Plano Nacional de Imunização do Ministério da Saúde considera como comorbidades para a covid-19 diabetes mellitus, hipertensão arterial grave, doença pulmonar obstrutiva crônica, doença renal, doenças cardiovasculares e cerebrovasculares, indivíduos transplantados de órgão sólido, com anemia falciforme, câncer, HIV, síndrome de down, obesidade grave e gestantes ou puérperas que apresentem comorbidades.

Governo de MT já distribuiu 98,8% das doses recebidas; veja quanto cada município aplicou

access_time05/05/2021 07:27

O Governo de Mato Grosso recebeu, até esta terça-feira (04.05), 940.780 doses das vacinas contra Covid-19 do Ministério da Saúde e já disponibilizou 929.684 aos 141 municípios do Estado, ou seja, 98,8% do total recebido. As 7.020 doses de vacina da Pfizer estão sendo pactuadas pela Comissão Intergestores Bipartite (CIB) e serão disponibilizadas assim que definida a destinação dos imunizantes. Após a distribuição de forma célere aos 14 Escritórios Regionais de Saúde, cabe a cada município fazer a retirada do imunizante, organizar o agendamento e a aplicação da vacina junto aos grupos prioritários. Das 929.684 doses disponibilizadas aos municípios, as prefeituras aplicaram 628.446 (71%), sendo 431.500 como primeira dose e 196.946 como segunda dose.  O percentual é menor do que o da semana passada, em que foi registrada a aplicação de 77% do total de doses recebidas. Na semana retrasada, a taxa era de 68%. Os 10 municípios que mais aplicaram vacinas, considerando o percentual de doses aplicadas em relação às doses recebidas, foram: Ribeirãozinho (98%), Santo Afonso (98%), Santa Terezinha (98%), Porto Esperidião (97%), Vila Rica (94%), Planalto da Serra (88%), Juína (86%), Campo Novo do Parecis (85%), Nortelândia (86%) e Aripuanã (82%). Confira o ranking completo de aplicação das vacinas no Boletim Informativo n° 422 ou no Painel de Distribuição de Vacinas Covid-19.  Considerando as vacinas destinadas à população indígena, alguns municípios podem contabilizar as doses aplicadas em aldeias pertencentes a territórios vizinhos e ultrapassar o limite de 100% da aplicação.  A Vigilância Estadual alertou que a utilização de unidades de segunda dose como primeira dose pode comprometer o esquema vacinal da população do município, considerando o fornecimento e as orientações feitas pelo Ministério da Saúde. Sobre a distribuição Na força-tarefa da vacinação, cabe ao Governo do Estado fazer a logística de distribuição, que é definida pela Comissão Intergestores Bipartite de Mato Grosso (CIB-MT), composta por membros do Conselho das Secretarias Municipais de Saúde (Cosems) e da Secretaria Estadual de Saúde (SES-MT). A escolta dos materiais até os 14 polos de distribuição é feita pela Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp), além das Polícias Federal e Rodoviária Federal e do Ministério da Defesa. O Centro Integrado de Operações Aéreas (Ciopaer) também disponibiliza sua frota aérea para dar celeridade à distribuição. É importante ressaltar que o Governo Federal define o total de doses que cada estado recebe. Essa definição ocorre de acordo com a quantidade de pessoas que pertencem aos grupos prioritários e não pela quantidade absoluta da população. DOWNLOAD  04.05.2021 - Ranking de Vacinação

Colegiado define destinação da vacina Pfizer; Cuiabá receberá as 7.020 doses

access_time05/05/2021 07:24

A Comissão Intergestores Bipartite de Mato Grosso (CIB-MT) aprovou resolução que estabelece a destinação, o armazenamento e a aplicação das 7.020 doses da vacina contra Covid-19 Pfizer, recebidas nesta segunda-feira (03.05). Por orientação do Ministério da Saúde, o quantitativo será inteiramente destinado ao município de Cuiabá. As remessas futuras do imunizante Pfizer, que seriam destinadas à Capital, serão redirecionadas para os demais municípios do Estado até equacionar o total pactuado pela Resolução n° 36. A Resolução determina que as unidades desta remessa sejam utilizadas como primeira aplicação em pessoas com comorbidades, com deficiência permanente, em gestantes e puérperas. O detalhamento das vacinas por público-alvo pode ser acessado no documento em anexo. As doses da Pfizer ficarão armazenadas na Rede Frio Estadual. O município informou um cronograma de retirada dessas doses, que também pode ser acessado ao final da Resolução. Uma nova recomendação do Governo Federal definiu que, para a vacina Pfizer, o prazo para a aplicação da segunda dose é de 12 semanas. O município deverá acompanhar os imunizados com a primeira dose para que esses possam receber prioritariamente a segunda dose dentro do período estipulado, sendo de responsabilidade da cidade qualquer alteração ou ajuste realizado quanto ao uso das doses. A aplicação das doses deve ser obrigatoriamente registrada pelo município no Sistema Nacional do Programa de Imunização (SI-PNI), do Ministério da Saúde. Até o momento, Mato Grosso já recebeu 940.780 doses de imunizantes contra a Covid-19. Confira a seguir, em anexo, a quantidade de doses que Cuiabá recebeu.DOWNLOAD  Resolução CIB N° 36

Primeiro lote de vacina da Pfizer contra a Covid-19 chega hoje a MT

access_time03/05/2021 08:14

Mato Grosso vai receber nesta segunda-feira (3) o primeiro lote de vacinas da Pfizer/BioNTech contra a Covid-19 com 7.020 doses, de acordo com o governo do estado. Este vai ser o terceiro imunizante contra Covid-19 utilizado no estado, que já aplica CoronaVac e Oxford/Astrazeneca. Além das doses da Pfeizer, o estado vai receber 97.500 doses da vacina AstraZeneca para a imunização dos grupos prioritários da Campanha Nacional de Vacinação contra o coronavírus. As unidades poderão ser utilizadas em idosos entre 60 e 64 anos, em profissionais da segurança pública, em gestantes ou puérperas, em pessoas com comorbidades ou com deficiência permanente. Para a vacina Pfizer, o prazo de aplicação da segunda dose é de até 21 dias; para o imunizante da AstraZeneca, o prazo é de até 90 dias. Após a chegada do imunizante, prevista para a tarde de segunda-feira, em um voo da Latam, as equipes da Vigilância Estadual trabalharão no recebimento das doses, na conferência da quantidade, na catalogação dos imunizantes, no encaixotamento para distribuição e retirada dos municípios. Até agora Mato Grosso já recebeu 836.260 doses de imunizantes contra a Covid-19. Armazenamento das vacinas O refrigerador que será usado para armazenar as doses do novo imunizante está disponível no Hospital Geral e Maternidade de Cuiabá, que dispõe de ultrafreezeres com a temperatura de pelo menos -75ºC, exigidos para o armazenamento correto das vacinas. A unidade de saúde vai ceder à Secretaria Municipal de Saúde um ultrafreezer com temperatura até - 86ºC e capacidade de 486 litros, para armazenar as doses. Na semana passada, a Anvisa autorizou o armazenamento entre -25°C e -15°C, mas por no máximo 14 dias, assim como já acontece nos Estados Unidos. A vacina da Pfizer tem registro da Anvisa para uso definitivo no país. O acordo entre a farmacêutica e o Ministério da Saúde prevê cem milhões de doses entregues em 2021. O Ministério da Saúde declarou que está no processo de compra de 183 ultracongeladores para garantir essas temperaturas baixíssimas. E que os primeiros 30 devem ser entregues aos estados em junho. Vacinas vão ser armazenadas em ultrafreezer que fica no Hospital Geral — Foto: Divulgação

Brasil recebe hoje primeiro lote de vacinas da Pfizer

access_time29/04/2021 06:50

O primeiro lote de 1 milhão de doses de vacinas da Pfizer chega hoje (29) ao Brasil. O voo está previsto para aterrissar no Aeroporto de Viracopos, em Campinas (SP), às 19h. As doses serão distribuídas aos 26 estados e ao Distrito Federal. Segundo o Ministério da Saúde, a orientação é que sejam priorizadas as capitais devido às condições de armazenamento da vacina, que exige temperaturas muito baixas. Conforme o Ministério da Saúde, os entes federados receberão de forma proporcional e igualitária. Os frascos serão entregues em temperaturas entre -25ºC e -15ºC, cuja conservação pode ser feita apenas durante 14 dias. Após entrar na rede de frio, com temperaturas de armazenamento entre 2ºC e 8ºC, o prazo para aplicação é de cinco dias. Por essa razão, o ministério informou que enviará duas remessas diferentes. Cada uma delas terá 500 mil doses e será referente, respectivamente, à primeira e segunda doses que cada cidadão deverá receber.   O Ministério da Saúde comprou 100 milhões de doses do imunizante. Em março, em reunião com a farmacêutica, a pasta apresentou a previsão de que até junho seriam entregues 13,5 milhões. 

Colegiado define como serão distribuídas 50,8 mil doses de vacina contra Covid-19

access_time24/04/2021 08:43

A Comissão Intergestores Bipartite de Mato Grosso (CIB-MT) aprovou resolução que estabelece a distribuição, o armazenamento e a aplicação das 50.800 doses de vacina contra a Covid-19, sendo 9.800 doses da CoronaVac e 41.000 doses da AstraZeneca, recebidas nesta sexta-feira (23.04). A logística de distribuição aos municípios será iniciada neste sábado (24.04). A CIB é composta por membros do Conselho das Secretarias Municipais de Saúde (Cosems) e da Secretaria Estadual de Saúde (SES-MT). A Resolução n° 30 determina que as unidades desta nova remessa sejam utilizadas como primeira e/ou segunda doses em idosos entre 60 e 69 anos e profissionais das Forças Armadas, de Segurança e Salvamento. O detalhamento das vacinas por público-alvo pode ser acessado no documento em anexo. Os municípios deverão acompanhar os imunizados com a primeira dose para que esses possam receber prioritariamente a segunda dose dentro do período estipulado. Para a vacina CoronaVac, o prazo para a aplicação da segunda dose varia entre 14 e 28 dias; já o prazo da aplicação da segunda dose da AstraZeneca é de até 84 dias. A Resolução também pactuou que 920 doses da vacina da AstraZeneca ficarão armazenadas na Central da Rede de Frio, como estoque estratégico para a reposição de eventuais perdas técnicas. O documento ainda pactua a distribuição de 1.244 doses remanescentes de Coronavac, que foram recebidas em remessas anteriores e mantidas como estoque estratégico. Caso os municípios alcancem a completa vacinação dos públicos-alvo estabelecidos para a imunização, a CIB orienta a continuidade da imunização dos demais públicos elencados pelo Ministério da Saúde. Após a distribuição dos imunizantes aos municípios, as vacinas deverão ser armazenadas conforme as condições estabelecidas pela fabricante e Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e com o apoio da segurança pública. A aplicação das doses deve ser obrigatoriamente registrada pelos municípios no Sistema Nacional do Programa de Imunização (SI-PNI), do Ministério da Saúde. Até o momento, Mato Grosso já recebeu 754.610 doses de imunizantes contra a Covid-19. Confira a seguir, em anexo, a quantidade de doses que cada município vai receber. Clique aqui -> Resolução CIB nº 30

MT recebe mais de 50 mil doses de vacinas contra a Covid-19 nesta sexta-feira

access_time23/04/2021 09:07

Mato Grosso receberá uma nova remessa de vacinas contra a Covid-19 nesta sexta-feira (23). A previsão é que o avião com as novas 50,8 mil doses chegue no Aeroporto Marechal Rondon, em Várzea Grande, às 10h20. De acordo com o Ministério Público, foram enviadas 41 mil doses da vacina da AstraZeneca e 9,8 mil doses da CoronaVac. As unidades poderão ser utilizadas como primeira ou segunda dose de idosos entre 60 a 69 anos e profissionais das forças armadas, de segurança e salvamento. Para a vacina CoronaVac, o prazo de aplicação da segunda dose varia entre 14 e 28 dias. Já para o imunizante da AstraZeneca, o prazo é de até 90 dias. Imediatamente após a chegada do imunizante, as equipes da Vigilância Estadual trabalharão no recebimento das doses, na conferência da quantidade, na catalogação dos imunizantes, no encaixotamento para distribuição e retirada dos municípios. Simultaneamente à operação logística, as equipes administrativas trabalham na resolução da Comissão Intergetores Bipartite (CIB), colegiado que oficializa o quantitativo de doses a ser destinado para os 141 municípios. Até o momento, Mato Grosso já recebeu 703.810 doses de imunizantes contra a Covid-19.

Mais de 57 mil doses de vacinas contra a Covid-19 chegam em MT

access_time08/04/2021 17:56

Mato Grosso recebeu 57.550 doses de vacinas contra a Covid-19 nesta quinta-feira (8), no Aeroporto Marechal Rondon, em Várzea Grande, região metropolitana de Cuiabá. São 31.750 doses da vacina da AstraZeneca e 25.800 doses da CoronaVac. Com a nova remessa, o estado contabiliza 618.760 doses recebidas dos imunizantes até agora. As novas doses recebidas da AstraZeneca são destinadas à segunda dose de trabalhadores da saúde e primeira dose para idosos entre 65 e 69 anos. Já as unidades da CoronaVac serão utilizadas como segunda dose para trabalhadores da saúde e idosos entre 70 e 74 anos e como primeira dose para profissionais das Forças Armadas, de Segurança e Salvamento e idosos entre 65 e 69 anos. Mato Grosso é o segundo estado que menos vacinou contra a Covid-19 no país. Dados divulgados pelo Consórcio de Veículos de Imprensa, que coleta dados das secretarias estaduais de cada estado, mostra que apenas 5,8% da população do estado foi vacinada com a primeira dose. O número corresponde a 204,4 mil pessoas. Desse total 60.767 pessoas receberam a segunda dose. O número é considerado baixo em comparação a 1,2 milhão de habitantes as que fazem parte dos grupos prioritários estimado pelo Ministério da Saúde. As equipes da Vigilância Estadual trabalham na conferência da quantidade, na catalogação dos imunizantes e no encaixotamento para distribuição e retirada dos municípios. Simultaneamente à operação logística, as equipes administrativas trabalham na resolução da Comissão Intergetores Bipartite (CIB), colegiado que oficializa o quantitativo de doses a ser destinado para os 141 municípios. Vacinas Coronavac serão utilizadas como segunda dose para trabalhadores da saúde e idosos entre 70 e 74 anos e como primeira dose para profissionais da segurança — Foto: Michel Alvim

MS continua vacinando contra Covid-19 grupo prioritário

access_time26/01/2021 20:18

A Secretaria Municipal de Saúde de Peixoto de Azevedo por meio do Departamento de Imunização continua desenvolvendo a Força Tarefa de Vacinação contra a COVID-19. Os servidores do Setor de Emergência Hospitalar, Serviço de Resgate, Laboratório de Análises Clínicas e Setor de Radiologia receberam a primeira dose da vacina CoronaVac desenvolvida em parceria entre o Instituto Butantan e o laboratório Sinovac Biontec. Após imunizar os anciões atendidos pelo Lar dos Idosos, a Secretaria de Saúde Peixotense também esteve no Casa de Apoio aos Idosos da Dona Vani, onde respeitando todos os protocolos do Ministério da Saúde fez a vacinação. Até o momento, as pesquisas já comprovaram que a CoronaVac é segura e produz uma resposta imune. Já no distrito União do Norte, médicos, enfermeiros, técnicos, auxiliares e demais profissionais das duas Unidades Básicas de Saúde receberam a vacina produzida pelo Instituto Butantan. A comunidade distante cerca de 65 km de Peixoto de Azevedo já registra 205 casos confirmados, 69 suspeitos em monitoramento e 04 óbitos Cumprindo o Plano Nacional de Operacionalização de Vacinação, nesta primeira fase serão vacinados prioritariamente pessoas idosas institucionalizadas com 60 anos ou mais, pessoas com deficiência institucionalizadas, indígenas aldeados, e trabalhadores da saúde que atuam na linha de frente do combate ao coronavírus. “O Prefeito Maurício Ferreira tem nos dado total apoio na logística para que tenhamos transporte, recursos humanos e as condições necessárias para que a vacina chegue ao público prioritário desta 1ª Fase. É importante que se diga que a nossa equipe de imunização atua com todo Equipamento de Proteção Individual e respeitando fielmente as Medidas de Segurança e o Esquema Vacinal”, disse o Secretário Thiago Pereira.

OMS: não há expectativa de vacinação até início de 2021

access_time23/07/2020 07:54

Pesquisadores têm alcançado progresso no desenvolvimento de vacinas contra a covid-19, com alguns estudos em estágio avançado, mas o uso não é esperado até o início de 2021, disse o chefe do Programa de Emergências da Organização Mundial da Saúde (OMS), Mike Ryan, nessa quarta-feira. A OMS está trabalhando para garantir uma distribuição justa das vacinas, mas neste meio tempo é essencial conter a disseminação do novo coronavírus, disse Ryan, já que os novos casos diários estão quase em níveis recordes em todo o mundo. "Estamos fazendo um bom progresso", afirmou o especialista, observando que várias vacinas já estão em testes de Fase 3 e que até agora nenhuma fracassou em termos de segurança ou capacidade de provocar uma reação imunológica. "Realisticamente, só na primeira parte do próximo ano começaremos a ver as pessoas serem vacinadas", disse Ryan em um evento público nas mídias sociais. A OMS está empenhada em ampliar o acesso a possíveis vacinas e a ajudar a aumentar a capacidade produtiva, acrescentou. "Precisamos ser justos nisto, porque este é um bem global. Vacinas para esta pandemia não são para os ricos, não são para os pobres, são para todos." O governo dos Estados Unidos pagará US$ 1,95 bilhão por 100 milhões de doses de uma vacina contra covid-19 que está sendo desenvolvida pela Pfizer e pela empresa de biotecnologia alemã BioNTech, se ela se mostrar segura e eficiente, disseram as empresas. Mike Ryan também alertou as escolas a serem cautelosas com reaberturas, até a transmissão comunitária da covid-19 estar sob controle. O debate norte-americano sobre a retomada das aulas se intensificou agora que a pandemia está se alastrando em dezenas de estados. "Temos que fazer todo o possível para levar nossas crianças de volta à escola, e a coisa mais eficiente que podemos fazer é deter a doença em nossa comunidade", disse. "Porque se você controla a doença na comunidade, pode abrir as escolas."

Mais de 68 mil pessoas entre 20 e 29 anos precisam se vacinar contra sarampo

access_time29/11/2019 22:42

No total, 68.814 pessoas com idades entre 20 e 29 anos não estão imunizadas contra o sarampo, em Mato Grosso. Esses dados são da Secretaria Estadual de Saúde que realiza uma campanha de vacinação neste sábado (30). Além do público-alvo, crianças de 6 meses a 4 anos e 11 meses, que ainda não tomaram a vacina, também podem ser imunizadas. Para alcançar o número estimado, todos os postos de saúde estarão abertos das 8h às 17h. De acordo com a coordenadora de Vigilância Epidemiológica da Secretaria Estadual de Saúde (SES), Alessandra Moraes, diferente dos anos anteriores, essa faixa etária foi selecionada por ter casos de sarampo confirmados em outros estados. Ainda segundo ela, esse grupo precisa ter duas doses da vacina para ser considerado imunizado. Se não puder comprovar que já recebeu alguma dose, a pessoa vai tomar a primeira dose da vacina normalmente. Segundo a SES, mais de 100 municípios já atingiram a meta de vacinação estabelecida pelo Ministério da Saúde. Porém, 38 cidades ainda não atingiram a cobertura necessária. Sobre o sarampo O sarampo é uma doença viral altamente contagiosa, que pode evoluir para complicações graves e óbitos. A doença é transmitida por meio das secreções expelidas pelo doente ao falar, tossir e espirrar. O comportamento endêmico/epidêmico do sarampo varia de um local para outro e depende basicamente da relação entre o grau de imunidade e a suscetibilidade da população, bem como da circulação do vírus na área.