anuncie aqui 596-81
Notícias recentes
Rival nesta sexta na final do Mundial, Guardiola elogia estilo de jogo de Diniz

Rival nesta sexta na final do Mundial, Guardiola elogia estilo de jogo de Diniz

access_time21/12/2023 09:48

O Fluminense vai encarar o Manchester City na final do Mundial de Clubes. O confronto acontece na pr

Homem é preso transportando R$ 200 mil em dinheiro falso em Mato Grosso

Homem é preso transportando R$ 200 mil em dinheiro falso em Mato Grosso

access_time02/10/2023 19:18

Um homem foi preso pela Polícia Rodoviária Federal, hoje, na BR-364 em Cuiabá, transportando aproxim

Secretário de Finanças é preso em operação por esquema de fraude que desviou R$ 21 milhões

Secretário de Finanças é preso em operação por esquema de fraude que desviou R$ 21 milhões

access_time19/01/2024 06:51

O secretário municipal de Finanças de Acorizal, Arcilio Jesus da Cruz, foi preso na manhã desta quin

Proposta de moeda comum sul-americana é alvo de críticas e alertas
Alberto Fernández e Lula | Foto: Reprodução/Twitter

Proposta de moeda comum sul-americana é alvo de críticas e alertas

Lula e Fernández, presidente argentino, confirmaram que iniciativa está em estudo

access_time23/01/2023 10:32

Desde o anúncio conjunto dos presidentes do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, e da Argentina, Alberto Fernández, no sábado 21, de que está em estudo a criação de uma moeda comum para a América do Sul, políticos e economistas têm demonstrado apreensão e alertado para os riscos da medida.

A Argentina fechou 2022 com inflação na casa dos 95%, enquanto, no Brasil, o índice de inflação oficial medido pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) relativo aos 12 meses do ano passado foi de 5,79%.

Em postagens no Twitter, políticos, empresários e economistas criticaram a intenção da criação de uma moeda comum, especialmente pela crise econômica e política pela qual passa o país vizinho.

O deputado Paulo Martins (PL-PR) escreveu: “A moeda única com a Argentina será a maior imbecilidade do Brasil republicano. Aliás, será o seu fim.”

O empresário e escritor Flávio Augusto disse que se a iniciativa der errado “seria uma tragédia humanitária sem precedentes para o país”.

O deputado estadual de SP, Alexandre Freitas (Podemos), falou que a moeda comum poderia “destruir” os resultados do Plano Real, criado em 1994, no governo de Itamar Franco, quando Fernando Henrique Cardoso era ministro da Economia, e levar o país à hiperinflação. “O fundo do poço é a única certeza que temos.”

O senador eleito Sergio Moro (União Brasil-PR) disse que “propor a moeda comum com a Argentina é cortina de fumaça para a inexistência, até o momento, de qualquer projeto substancial para a economia brasileira”.

O economista Alan Ghani também alertou para a volta da hiperinflação. “Vão afundar ainda mais a Argentina e gerar hiperinflação no Brasil. Será o abraço dos afogados.”

O empresário Leandro Ruschel mencionou “a completamente quebrada Argentina” e citou uma frase do líder comunista russo Vladimir Lênin: “Os interesses do socialismo estão acima da autodeterminação das nações.”

Moeda única e moeda comum
No texto publicado no sábado no jornal argentino Perfil, Lula e Fernández disseram que decidiram “também avançar nas discussões sobre uma moeda comum sul-americana”. Segundo os dois presidentes, a moeda seria “utilizada para fluxos financeiros e comerciais”, o que reduziria “os custos operacionais e a vulnerabilidade externa dos países”.

Em entrevista ao jornal britânico Financial Times, o ministro da Economia argentino, Sérgio Massa, disse que o estudo engloba tudo, “de questões fiscais ao tamanho da economia e ao papel dos bancos centrais”. Massa também disse à imprensa que a moeda poderia se chamar Sur (Sul, em espanhol) e que, num primeiro momento, funcionaria de forma paralela ao peso argentino e ao real. Mas poderia ter adesão de outros países da região.

Ainda não se tem clareza, portanto, de que tipo de moeda estaria em estudo, já que há diferenças entre moeda única e moeda comum. No primeiro caso, a situação se assemelharia ao euro, moeda única da União Europeia, que implica necessariamente na criação de um banco central comum e perda de soberania monetária pelos países.

Já a moeda comum entre os dois países seria usada por empresas brasileiras e argentinas, mas não por pessoas físicas, e serviria como referência para as suas transações comerciais entre os dois países, em vez do uso do dólar. Pela cotação de hoje, US$ 1 dólar corresponde a 183 pesos argentinos.





Por:

Outras notícias

Comentários