anuncie aqui 596-81
Notícias recentes
Médica mato-grossense é uma das vítimas de explosão em Campos do Jordão

Médica mato-grossense é uma das vítimas de explosão em Campos do Jordão

access_time25/04/2023 13:53

A médica mato-grossense, Renata Fontoura, 24 anos, foi uma das vítimas que ficaram feridas após a ex

STF forma maioria para manter intervenção na Saúde de Cuiabá; Gilmar Mendes pede vista

STF forma maioria para manter intervenção na Saúde de Cuiabá; Gilmar Mendes pede vista

access_time25/11/2023 11:26

O pleno do Supremo Tribunal Federal (STF) formou maioria para manter a intervenção do Estado na Saúd

Pais denunciam que filho de 10 anos sofreu estupro coletivo em escola

Pais denunciam que filho de 10 anos sofreu estupro coletivo em escola

access_time24/04/2023 08:14

Os pais de um garoto de 10 anos procuraram a Polícia Civil e denunciaram que o menino foi vítima de

Alunos teriam sido obrigados a assistir palestra e fazer grito de guerra, diz deputada
Foto: Reprodução

Alunos teriam sido obrigados a assistir palestra e fazer grito de guerra, diz deputada

A situação aconteceu na última segunda-feira (11), na Escola Estadual Dr. Artur Antunes Maciel, em Juína

access_time14/09/2023 17:38

A deputada federal Amália Barros (PL) usou seu perfil no Instagram nesta quarta-feira (13), para denunciar que os alunos da Escola Estadual Dr. Artur Antunes Maciel, em Juína, teriam sido obrigados a assistir a palestra que promove a ideologia de gênero.

A situação aconteceu na última segunda-feira (11) e um vídeo do evento viralizou nas redes sociais, onde o palestrante aparece puxando grito ativista com os estudantes com os dizeres: “As héteros, as gays, as bi, as trans e as sapatão, estão todas organizadas para fazer revolução”.

Em sua postagem, a deputada contou que recebeu diversas denúncias de que os alunos teriam sido “forçados” a assistir a palestra. Amália trouxe um print, onde uma jovem que se diz aluna da unidade afirmou que "os coordenadores nos colocaram no pátio e não nos deixaram sair, ficaram cuidado nos corredores pra que ninguém saísse. Além de nos forçar ainda falaram temas extremamente desnecessários e desrespeitosos como revolução xana, ser gay não é pecado".

Aquilo foi um absurdo, os alunos devem ir à escola para estudar e não participar de palestras que promovam a ideologia de gênero (...) Isso é muito grave, eu tenho certeza que os pais não enviam seus filhos para escola pra isso”, detonou deputada.

Após o caso vir à tona, o Governo de Mato Grosso por meio da Secretaria de Estado e Educação (Seduc) se manifestou afirmando que uma investigação foi instaurada para apurar a situação na unidade. Além disso, a diretora responsável pela escola foi afastada das atividades.

A deputada garantiu que vai acompanhar de perto as investigações e cobrar punição dos responsáveis.

Vou insistir em obter o resultado dessas investigações. Se for verdade, os responsáveis terão que responder pelas suas ações. Nossas crianças e adolescentes merecem respeito”, emendou.





Por: DAFFINY DELGADO DO REPÓRTER MT

Outras notícias

Comentários