ALUGAR CAMPO
Notícias recentes
Deborah Secco diz que gosta de sexo anal, revela habilidade com pompoarismo e conta que já transou com famosa

Deborah Secco diz que gosta de sexo anal, revela habilidade com pompoarismo e conta que já transou com famosa

access_time03/04/2024 13:26

A atriz Deborah Secco participou do podcast “Surubaum”, um projeto do casal Giovanna Ewbank e Bruno

Gaeco pega líderes de facção que comanda roubo e tráfico na fronteira

Gaeco pega líderes de facção que comanda roubo e tráfico na fronteira

access_time02/05/2023 07:44

O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), deflagrou, na manhã desta terça-

Acusado de agredir esposa com cadeiradas é preso em Colíder

Acusado de agredir esposa com cadeiradas é preso em Colíder

access_time19/10/2023 08:34

A Polícia Militar prendeu o homem, de 34 anos, ontem à noite, acusado de violência doméstica contra

Putin toma posse para 5º mandato como presidente com a Rússia sob forte controle
KREMLIN/RIA NOVOSTI / Handout/Anadolu via Getty Images

Putin toma posse para 5º mandato como presidente com a Rússia sob forte controle

Putin venceu as eleições organizadas na Rússia por uma esmagadora maioria em março, garantindo para si outro mandato de seis anos que o poderá levar a governar pelo menos até ao seu 77º aniversário

access_time07/05/2024 13:00

Vladimir Putin iniciou formalmente o seu quinto mandato como presidente da Rússia, numa cerimônia de posse cuidadosamente coreografada, num país que moldou à sua imagem depois de assumir o cargo há quase um quarto de século.

Putin venceu as eleições organizadas na Rússia por uma esmagadora maioria em março, garantindo para si outro mandato de seis anos que o poderá levar a governar pelo menos até ao seu 77º aniversário, em 2030.

Com a maioria dos candidatos da oposição mortos, presos, exilados ou impedidos de concorrer – e com a dissidência efetivamente proibida na Rússia desde que esta lançou uma invasão em grande escala na Ucrânia em fevereiro de 2022 – Putin não enfrentou nenhum desafio credível ao seu governo.

A cerimônia de posse, realizada nesta terça-feira (7) no Kremlin, contou com a presença dos mais altos responsáveis ​​militares e políticos da Rússia, mas os Estados Unidos e muitas nações europeias recusaram-se a enviar um representante depois de considerarem as eleições russas uma farsa.

“Certamente não consideramos aquela eleição livre e justa, mas ele é o presidente da Rússia e continuará nessa função”, disse o porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Matthew Miller, na segunda-feira.

A primeira cerimônia de tomada de posse de Putin, realizada em 2000, foi anunciada como a primeira vez na história da Rússia que o poder dentro do Kremlin mudou de mãos através de um processo eleitoral.

No seu discurso, Putin disse que a sua eleição “provou que a Rússia está tornando-se um Estado democrático moderno”.

Vinte e quatro anos depois, Putin permaneceu no poder como presidente ou primeiro-ministro e alterou a Constituição da Rússia para remover limites de mandato e estender a duração de cada mandato de quatro para seis anos.

Embora Putin tenha recebido 53% dos votos nas eleições presidenciais de 2000, consideradas pela Embaixada dos EUA em Moscou como “razoavelmente” livres e justas, ele obteve 87% nas eleições de março – um número que os EUA chamaram de “farsa”.

Nos dias que se seguiram à votação de março, Putin apareceu no palco da Praça Vermelha de Moscou ao lado dos três opositores autorizados a concorrer contra ele.

Os homens cantaram o hino nacional da Rússia ombro a ombro, como que para confirmar a ilusão de competição.

Num discurso conciso nesta terça-feira, realizado um dia após anunciar um exercício não estratégico de armas nucleares, Putin disse que a Rússia não recusa o diálogo com os países ocidentais, mas “a escolha é deles” entre prosseguir a agressão ou a paz.

“Eles pretendem continuar a tentar restringir o desenvolvimento da Rússia, continuar a política de agressão, a pressão contínua sobre o nosso país durante anos, ou procurar um caminho para a cooperação e a paz?”

Entre os presentes estavam os líderes das regiões ucranianas ocupadas de Luhansk, Donetsk, Kherson e Zaporizhzhia.

A tomada de posse de Putin ocorre num momento em que a Rússia tenta fazer valer as suas vastas vantagens em termos de mão-de-obra e munições na Ucrânia, antes que a maior parte de um pacote de ajuda dos EUA, há muito adiado, chegue para reforçar as forças esgotadas de Kiev.

Putin tem se esforçado para manter os russos isolados dos efeitos da guerra, recrutando soldados de prisões russas e de regiões mais rurais e tentando manter os seus centros urbanos repletos de mercadorias, apesar das sanções ocidentais.

Mas focos de dissidência romperam o verniz da normalidade.

O desafio mais direto ao governo de Putin foi feito pelo então chefe do grupo Wagner, Yevgeny Prigozhin, que, irritado com os erros militares russos na Ucrânia, ordenou aos seus mercenários que marchassem sobre Moscou num espetáculo bizarro que brevemente ameaçou minar o monopólio de poder de Putin.

Em 24 horas, Prigozhin cancelou seu motim. Dois meses depois, ele foi confirmado morto em um acidente de avião. O Kremlin negou envolvimento no incidente.

Alexei Navalny, o adversário político mais formidável de Putin, também morreu antes das eleições mais recentes.

Navalny morreu numa prisão do Ártico em fevereiro, depois de “sentir-se mal depois de uma caminhada” e perder a consciência “quase imediatamente”, informou o serviço penitenciário russo. O Kremlin negou envolvimento.

A invasão de Putin remodelou os eixos geopolíticos mundiais pós-Guerra Fria, levando o Ocidente a tratar a Rússia como um Estado pária, após décadas de relações mais amigáveis.

Mas a Rússia tentou forjar novas parcerias com países do “Sul Global”, incluindo o fornecimento de cereais a países africanos, depois de tentar repetidamente cortar a capacidade da Ucrânia de exportar os seus próprios produtos.

Para garantir que dispõe de drones e mísseis suficientes para bombardear a Ucrânia, a Rússia também firmou parcerias mais profundas com o Irã e a Coreia do Norte.

“Estivemos e estaremos abertos ao fortalecimento de boas relações com todos os países que veem a Rússia como um parceiro confiável e honesto. E esta é verdadeiramente a maioria global”, disse Putin na terça-feira.





Por: Christian EdwardsLauren KentClare SebastianAnna Chernovada CNN

Outras notícias

Comentários