Kurupí
Notícias recentes
Filhos do jornalista saudita assassinado pedem que corpo do pai seja devolvido

Filhos do jornalista saudita assassinado pedem que corpo do pai seja devolvido

access_time05/11/2018 07:07

Os filhos do jornalista Jamal Khashoggi, que foi morto no consulado da Arábia Saudita, em Istambul,

Mais de 20 celulares, chips e bebidas são apreendidos na 'Mata Grande' em MT

Mais de 20 celulares, chips e bebidas são apreendidos na 'Mata Grande' em MT

access_time20/03/2019 08:33

Uma operação realizada nesta terça-feira (19), na penitenciária Major Eldo Sá, a "Mata Grande", em R

Ataque de porcos selvagens destrói 15% de lavoura de milho de produtor em MT

Ataque de porcos selvagens destrói 15% de lavoura de milho de produtor em MT

access_time04/06/2018 08:06

Um ataque de porcos do mato destruiu 15% da lavoura de milho de um produtor em Água Boa, a 736 km de

ENTRETENIMENTO

Menor homem do mundo morre no Nepal aos 27 anos

access_time18/01/2020 11:03

O homem mais baixo do mundo capaz de caminhar, segundo o livro Guinness dos Recordes, morreu nesta sexta-feira (17) no Nepal. Ele tinha 27 anos. Khagendra Thapa Magar, que tinha 67,08 centímetros de altura, morreu por causa de uma pneumonia em um hospital de Pokhara, a 200 km de Katmandu, onde morava com os pais. De acordo com amigos, ele também vinha sofrendo recentemente de problemas cardíacos e asma. Khagendra nasceu em 14 de outubro de 1992 no distrito nepalês de Baglung. Ele era o filho mais velho de Roop Bahadur e Dhan Maya. "Era tão pequenino que quando nasceu, cabia na palma da mão e era difícil dar banho nele por ser tão pequeno", contou seu pai, Roop Bahadur, segundo o Guiness World Records. Khagendra Thapa Magar, ex-homem mais baixo do mundo, olha nesta segunda-feira (13) para sua medalha do Livro Guinness de Recordes, enquanto esperava por audiência com o premiê do Nepal, Jhala Nath Khanal, em Katmandu. Ele entregou um documento ao premiê p — Foto: AP Quando foi declarado o homem mais baixo do mundo em 2010, após completar 18 anos, ele foi fotografado exibindo um certificado não muito menor que ele. Mas em seguida, perdeu o título quando foi descoberto o nepalês Chandra Bahadur Dangi, que tinha 54,6 centímetros, e foi nomeado o homem móvel mais baixo do mundo. Porém, quando Dangui morreu, em 2015, Magar recuperou o recorde. Magar se tornou garoto propaganda de uma campanha de turismo do Nepal, onde aparecia como o menor homem do mundo promovendo um país conhecido por ter a montanha mais alta, o monte Everest. Por causa do título, Magar viajou para mais de uma dezena de países e visitou emissoras de TV da Europa e dos Estados Unidos. Khagendra Thapa Magar é fotografado com miss Nepal de 2010, Sadichha Shrestha (no centro), e as duas vices da miss em Katmandu no Nepal, em 24 de setembro de 2014 — Foto: Prakash Mathema / AFP

Raio mata oito vacas e bezerros em pasto

access_time17/01/2020 21:19

Oito animais morreram após a queda de um raio em um pasto na Gleba Mercedes, em Sinop, a 200 km de Peixoto de Azevedo, na tarde dessa quinta-feira (17). De acordo com os donos da fazenda, foi confirmada a morte de cinco vacas e três bezerros. Os proprietários contaram que chovia forte no momento da descarga elétrica. Segundo eles, o raio atingiu uma palmeira que estava no meio do pasto e acabou matando os animais. Pelo menos oito animais morreram com a descarga elétrica — Foto: Jairo Liczkowski/Arquivo pessoal Além do prejuízo, os moradores afirmaram que ficaram assustados com a chuva registrada na região. O fazendeiro Jairo Liczkowski disse que outros moradores do assentamento tiveram prejuízos como equipamentos eletroeletrônicos que queimaram. O fim de semana em Sinop também devem ser marcado por chuva forte. Conforme dados do Instituto Nacional de Meteorologia (Inpe), a probabilidade de chuva na cidade é de 80% durante a tarde e a noite.

Argentina tira foto com cachorro, toma mordida e publica imagens

access_time16/01/2020 14:25

Laru Sanson, uma jovem de Tucumán, na Argentina, publicou, na terça-feira (14), uma sequência de fotos em uma rede social em que aparece ao lado de um cachorro que a morde no rosto. As imagens estavam acompanhadas do seguinte texto: "Sessão de fotos com Kenai dá errado". Laru Sanson, antes de ser mordida por um cachorro na casa de um amigo — Foto: Reprodução/Twitter Em entrevista ao canal Todo Notícias nesta quinta-feira (16), Sanson disse que está bem. "Eu estava na casa de um amigo meu, havia várias pessoas, e tinha um cachorro muito lindo. Eu gosto dos cachorros. Eu quis tirar uma foto e me dei mal. Eu já o conhecia, mas não frequento muito a casa", disse ela. Cachorro morde Laru Sanson na casa de um amigo dela em Tucumán, na Argentina — Foto: Reprodução/Twitter Sanson afirma que pensa ter intimidado o bicho: "Eu o abracei, coloquei a cara muito perto do cachorro, ele ficou intimidado; é um cachorro que nunca mordeu ninguém, ele tem 10 anos, é um pouco velhinho. Foi uma reação dele, ele se sentiu invadido". A jovem diz ter ficado incomodada com os comentários que seria preciso sacrificar o cachorro. "Não guardo nenhum rancor, não estou incomodada." Jovem argentina mostra como ficou o rosto depois de mordida de cachorro — Foto: Reprodução/Twitter

Papa nomeia mulher para subsecretária de Estado do Vaticano

access_time15/01/2020 11:16

O Papa Francisco nomeou nesta quarta-feira (15) a advogada italiana Francesca Di Giovanni, de 66 anos, como nova subsecretária da seção de relações multilaterais da Secretaria de Estado. Ela é a primeira mulher a ocupar um cargo de gerência nesta secretaria, que governa o Vaticano e coordena as relações com outros países. Francesca Di Giovanni, que trabalha há 27 anos do Vaticano, será responsável por administrar a divisão que coordena as relações da Santa Sé com a Organização das Nações Unidas (ONU) e outras organizações intergovernamentais. Ela irá trabalhar com outro subsecretário, o Monsenhor Mirosław Wachowski, que é responsável principalmente pelo setor da diplomacia bilateral. Francesca nasceu em Palermo em 1953. Trabalhou no âmbito do setor jurídico-administrativo junto ao Centro Internacional da Obra de Maria (Movimento dos Focolares). Desde setembro de 1993, a advogada trabalha na Seção para as Relações com os Estados da Secretaria de Estado da Santa Sé. Ela trabalhou sempre no setor Multilateral, principalmente no que se refere aos temas ligados a migrantes, refugiados, direito internacional humanitário, as comunicações, direito internacional privado, situação da mulher, a propriedade intelectual e o turismo, de acordo com o site Vatican News.

Brasileiro 'Democracia em vertigem' é indicado ao Oscar de melhor documentário

access_time13/01/2020 10:45

O documentário "Democracia em vertigem", da diretora brasileira Petra Costa, foi indicado a melhor documentário no Oscar 2020. Veja todos os indicados ao Oscar 2020 "Democracia em vertigem" mostra o processo de impeachment de Dilma Rousseff e a crise política no Brasil, e foi lançado pela Netflix em junho de 2019. A diretora mineira Petra Costa, de 36 anos, assinou os documentários "Elena" (2012) e "Olmo e a gaivota" (2014), premiados respectivamente nos festivais de Brasília e do Rio. Esta é sua primeira indicação ao Oscar. Veja todos os indicados à categoria: Documentário "American factory" "The cave" "Democracia em vertigem" "For Sama" "Honeyland" A cerimônia dos melhores do cinema acontece no dia 9 de fevereiro em Los Angeles.

Irã ataca tropas dos EUA no Iraque para vingar morte de general; Trump avalia reação

access_time08/01/2020 09:14

Forças iranianas lançaram mísseis contra bases militares que abrigam forças norte-americanas no Iraque nesta quarta-feira, em retaliação ao assassinato de um comandante iraniano pelos Estados Unidos e aumentando o conflito com os EUA em meio a temores de uma guerra mais ampla no Oriente Médio. Em discurso a um grupo de iranianos que bradavam “Morte à América”, o líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, disse que os ataques foram “um tapa na cara” dos EUA e que as tropas norte-americanas deveriam deixar a região. O ministro das Relações Exteriores do Irã, Mohammad Javad Zarif, disse que o país adotou “medidas proporcionais” de legítima defesa e que os ataques “concluíram” a reação de Teerã ao assassinato do general Qassem Soleimani, mas que sua nação não quer agravar o confronto. O próximo gesto parece caber a Washington. O presidente dos EUA, Donald Trump, que ordenou o ataque de drone que matou Soleimani em Bagdá na sexta-feira, deu uma resposta inicial no Twitter: “Está tudo bem!”. Vítimas e danos dos ataques com mísseis estão sendo avaliados, e Trump disse que fará uma declaração nesta quarta-feira. Trump, que teve um impeachment aprovado na Câmara dos Deputados no mês passado e agora enfrenta um julgamento no Senado antes da eleição deste ano, ameaçou no final de semana atacar 52 instalações iranianas se o Irã retaliasse o assassinato de Soleimani. A televisão estatal disse que o Irã lançou 15 mísseis balísticos de seu território contra alvos norte-americanos no vizinho Iraque. Os alvos foram a base aérea de Al-Asad e uma instalação de Erbil, disse o Pentágono. Uma fonte disse que os primeiros indícios não apontam baixas norte-americanas, e outras autoridades dos EUA não quiseram comentar. A televisão iraniana disse que 80 “terroristas americanos” foram mortos e que helicópteros e equipamento militar dos EUA foram danificados, sem fornecer provas de como obteve a informação. Alemanha, Dinamarca, Noruega e Polônia disseram que nenhum de seus soldados no Iraque foi ferido. O Reino Unido, que também tem pessoal em solo iraquiano, repudiou a ação iraniana. Já o Iraque disse que suas forças não sofreram baixas. Mais de 5 mil tropas dos EUA permanecem no Iraque, assim como as outras forças estrangeiras de uma coalizão que treina e apoia forças iraquianas contra a ameaça dos militantes do Estado Islâmico. “Enquanto avaliamos a situação e nossa reação, adotaremos todas as medidas necessárias para proteger e defender pessoal, parceiros e aliados dos EUA na região”, disse o porta-voz do Pentágono, Jonathan Hoffman.

Show da dupla Bruno e Marrone acontece nesta sexta-feira (6) em Cuiabá

access_time06/12/2019 12:54

A dupla sertaneja Bruno e Marrone se apresenta em um show na Musiva, em Cuiabá, nesta sexta-feira (6), a partir das 22h. O show faz parte de um especial fim de ano realizado na casa de festa. Entre os sucessos de Bruno e Marrone está 'Surto de Amor', 'Na Conta da Loucura', 'Vida Vazia', 'Choram as Rosas' e outros. Os ingressos para área vip e camarote já estão esgotados. Os bilhetes disponíveis são para o espaço Musiva promocional, que custam R$ 120 e para a mesa bronze, com seis ingressos, a R$ 2 mil. Os interessados podem adquirir os bilhetes pela internet. Quando: Sexta-feira (6) Onde: Musiva Endereço: Av. Manoel José de Arruda, Bairro Porto – Cuiabá Preço: Entre R$ 100 e R$ 2 mil

Anvisa libera venda de produtos à base de cannabis em farmácias

access_time04/12/2019 10:31

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou nesta terça-feira (3) a liberação da venda em farmácias de produtos à base de cannabis para uso medicinal no Brasil. A regulamentação foi aprovada por unanimidade e é temporária, com validade de três anos. Na mesma reunião da diretoria colegiada do órgão foi rejeitado o cultivo de maconha para fins medicinais no Brasil. Por 3 votos a 1, proposta foi arquivada pela agência reguladora. Com a decisão, fabricantes que desejarem entrar no mercado precisarão importar o extrato da planta. Venda dos produtos Sobre a venda em farmácias, a norma passa a valer 90 dias após sua publicação no "Diário Oficial da União". De acordo com a resolução, os produtos liberados poderão ser para uso oral e nasal, em formato de comprimidos ou líquidos, além de soluções oleosas. A comercialização ocorrerá apenas em farmácias e drogarias sem manipulação, que venderão os produtos prontos, mediante prescrição médica. O tipo de prescrição médica necessária vai depender da concentração de tetra-hidrocanabidiol (THC), principal elemento tóxico e psicotrópico da planta Cannabis sativa, ao lado do canabidiol (CBD), que é usado em terapias como analgésico ou relaxante. O THC altera as funções cerebrais e é a substância que provoca os mais conhecidos efeitos do consumo da maconha, droga ilegal no Brasil. Entretanto, estudos indicam que o THC também pode ser usado como princípio ativo para fins medicinais. Nas formulações com concentração de THC inferior a 0,2%, o produto deverá ser prescrito por meio de receituário tipo B e renovação de receita em até 60 dias. Já os produtos com concentração de THC superior a 0,2% só poderão ser prescritos a pacientes terminais ou que tenham esgotado as alternativas terapêuticas de tratamento. Neste caso, o receituário para prescrição será do tipo A, mais restrito, padrão semelhante ao da morfina. A embalagem dos produtos deve informar a concentração dos principais canabinoides presentes na formulação, dentre eles o CBD e o THC, mas somente a concentração de THC é levada em conta para a classificação dos rótulos. Todos devem conter a frase "Venda sob prescrição médica", seguida de "Só pode ser vendido com retenção de receita" no caso de produtos com menos de 0,2% de THC ou da frase "Uso desse produto pode causar dependência física ou psíquica" no caso de concentrações superiores a 0,2%. Produto x medicamento A resolução da Anvisa cria uma nova classe de produto sujeito à vigilância sanitária: "produto à base de cannabis". Ou seja, durante os três anos de validade, os produtos ainda não serão classificados como medicamentos. A regulamentação aprovada cita que os produtos à base de cannabis ainda precisam passar por testes técnicos-científicos que assegurem sua eficácia, segurança e possíveis danos, antes de serem elevados ao patamar de medicamentos. A delimitação do intervalo de três anos para validar a norma foi sugerida pelo diretor Fernando Mendes, sob a justificativa de que ainda não há comprovação da eficácia dos tratamentos a base dos produtos. "Não há qualquer evidência de baixo risco no uso desses produtos", afirmou ele. Após esse período, uma nova resolução deverá ser editada. Os produtos liberados pela Anvisa podem ser ou fabricados no Brasil ou importados. O regulamento exige que as empresas fabricantes tenham: Certificado de Boas Práticas de Fabricação (emitido pela Anvisa); autorização especial para seu funcionamento; conhecimento da concentração dos principais canabinoides presentes na fórmula do produto; documentação técnica da qualidade dos produtos; condições operacionais para realizar análises de controle de qualidade dos produtos em território brasileiro. Em nota, a Anvisa disse que os fabricantes que optarem por comprar o insumo no exterior "deverão realizar a importação da matéria-prima semielaborada, e não da planta ou parte dela". O comunicado continua: "A proposta de norma remete essa atividade aos atuais regramentos de importação e demais regulamentos relacionados ao controle dos pontos de entrada e saída referentes a qualquer produto entorpecente, psicotrópico ou precursor, independentemente de se tratar de matéria-prima ou produto acabado". Além disso, de acordo com a norma, "para viabilizar o monitoramento integral dos lotes de produtos e medicamentos da cannabis importados, foram limitados os pontos de entrada dos produtos em território nacional". Rótulos A resolução aprovada nesta terça pela Anvisa proíbe nos rótulos dos produtos: os termos medicamento, remédio, fitoterápico, suplemento, natural ou qualquer outro semelhante; qualquer indicação quanto à sua destinação de uso, especialmente incluindo alegações terapêuticas; nomes geográficos, símbolos, figuras ou qualquer indicação que permita interpretação falsa. O colegiado da Anvisa também analisa nesta terça uma segunda resolução, que trata dos requisitos para a liberar o cultivo da cannabis no Brasil exclusivamente para fins medicinais.

Casamento entre pessoas do mesmo sexo aumenta mais de 60% em 2018

access_time04/12/2019 10:25

A pesquisa Estatísticas do Registro Civil 2018 mostra que o casamento entre pessoas do mesmo sexo teve aumento de 61,7 % no ano passado em relação a 2017. Em 2018, foram registrados 9.520 casamentos civis entre cônjuges do mesmo sexo, ante 5.887 em 2017. Os dados foram divulgados hoje (4) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Segundo o estudo, as uniões entre mulheres cresceram 64,2%, passando de 3.387 em 2017 para 5.562 em 2018. Os casamentos entre homens subiram de 2,5 mil para 3.958, o que representa um aumento de 58,3%. O levantamento mostra ainda que a alta foi puxada principalmente pelo mês de dezembro: as uniões homoafetivas entre homens e mulheres somaram 3.098. Em dezembro de 2017, foram registrados 614 casamentos entre pessoas do mesmo sexo. No casamento entre mulheres, foram registradas 549 uniões em novembro e 1.906 em dezembro do ano passado. Os registros de casamentos entre cônjuges masculinos passaram de 408 em novembro para 1.192 em dezembro de 2018. Na pesquisa anterior, comparando os anos de 2016 e 2017, houve aumento de 10% no número de registros de união entre pessoas do mesmo sexo. Desde 2013, a Resolução 175, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), obriga os cartórios a realizarem uniões entre casais do mesmo sexo. Para a gerente da pesquisa, Klivia Brayner de Oliveira, a população tem cada vez mais conhecimento sobre essa norma. “As pessoas, tendo ciência disso [resolução do CNJ], estão aproveitando e oficializando [as uniões], principalmente as mulheres que gostam de oficializar a relação. Entre as mulheres, você observa que isso está se tornando mais popular. Com mais acesso à informação, as pessoas estão decidindo dessa forma”, disse a analista. Nos casamentos civis entre solteiros de sexos diferentes, os homens se casaram, em média, aos 30 anos, e as mulheres, aos 28 anos. Nas uniões LGBTI, a idade média ao contrair o casamento foi de 34 anos para os homens e 32 anos para as mulheres. O número total de registros de casamentos civis foi de 1.053.467 em 2018, uma redução de 1,6% em relação ao ano anterior. Divórcios A pesquisa revela também que houve aumento de 3,2% no número de divórcios em 2018, em comparação com o ano anterior: foram 385.246 divórcios no ano passado, ante 373.216 em 2017. A taxa de divórcios passou de 2,5 para cada mil pessoas com 20 anos de idade ou mais no país em 2017 para 2,6. A Região Sudeste apresentou o maior percentual, com 3,1 divórcios para cada mil pessoas com 20 anos de idade ou mais. O tempo médio entre a data do casamento e o divórcio é de 14 anos. Em 2008, esse tempo médio era de 17 anos. Segundo o IBGE, houve aumento do percentual de divórcios entre casais com filhos menores “em cuja sentença consta a guarda compartilhada”. Esse fenômeno pode ser observado após a sanção da Lei 13.058, de 2014, em que a modalidade de guarda compartilhada passou a ter prioridade. “Em 2014, a proporção de guarda compartilhada entre os cônjuges com filhos menores era de 7,5%. Em 2016, essa modalidade passou a representar 16,9% dos divórcios judiciais concedidos; em 2017, o percentual aumentou para 20,9%; e, em 2018, para 24,4%”, diz o IBGE. As Estatísticas do Registro Civil reúnem informações sobre nascidos vivos, casamentos, óbitos e óbitos fetais, informados pelos cartórios de Registro Civil de pessoas naturais, bem como sobre os divórcios declarados pelas varas de Família, foros, varas Cíveis e tabelionatos de Notas.

Ministério da Saúde: 135 mil convivem com HIV no país e não sabem

access_time30/11/2019 07:20

Às vésperas do Dia Mundial de Luta Contra a Aids, celebrado no domingo (1) o Ministério da Saúde fez um alerta: 135 mil pessoas no Brasil convivem com o vírus HIV e não sabem. Na avaliação do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, houve ganhos importantes nos últimos anos, mas ainda há uma série de desafios. ”Temos uma epidemia estabilizada em torno de 900 mil pessoas com casos de Aids, e podemos observar uma epidemia, principalmente em homens jovens, na faixa etária de 25 a 39 anos. É com essa população que precisamos trabalhar prioritariamente”, disse. De acordo com os dados apresentados hoje (29), das 900 mil pessoas com HIV, 766 mil foram diagnosticadas, 594 mil fazem tratamento com antirretroviral e 554 mil não transmitem o HIV. O balanço aponta ainda que o número de contaminados continua subindo no país: há um ano, eram 866 mil pessoas. Somente no ano passado, foram notificados 43,9 mil novos casos. Ao ressaltar que o Brasil oferece acesso universal ao tratamento, não só de Aids, mas também HIV, o ministro da Saúde comemorou a redução nos casos e, também, na mortandade causada pela doença. Foram evitados quase 12 mil registros de Aids entre 2014 e 2018, e houve queda de mortalidade em 22,8% no período de cinco anos. “Encerrando o ano de 2019, veremos uma diferença ainda maior. Não podemos ter casos de morte com aids”, disse. Campanha A nova campanha do Ministério é direcionada à população jovem, onde a contaminação está crescendo. O foco é reforçar a importância da prevenção, testagem e tratamento: "Se a dúvida acaba, a vida continua. Precisamos incentivar o diagnóstico precoce para salvar vidas. O maior problema ainda é o medo. É importante esse incentivo para fazer o teste. Temos que atingir metas internacionais, como algumas cidades já estão fazendo. E o Brasil, da forma como está indo, ainda precisa testar 90% da população”, disse o diretor do Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das Infecções Sexualmente Transmissíveis, do HIV/Aids, Gerson Pereira. Até o fim do ano, o governo estima que serão distribuídos 462 milhões de preservativos, que segundo o Ministério é a forma mais eficaz de prevenção. HIV e Aids têm diferença. A primeira situação é quando a pessoa é portadora do vírus. Na segunda, o infectado já desenvolveu a doença. Transmissão vertical Mandetta também comemorou a informação de que o município de São Paulo receberá certificação pela erradicação vertical do HIV, quando o vírus é transmitido durante a gestação, parto e amamentação. No Paraná, as cidades de Curitiba e Umuarama foram as primeiras a serem certificadas em 2017 e 2019, respectivamente.