Banner Outras
Notícias recentes
Homem leva coronhada na cabeça e tem carteira roubada

Homem leva coronhada na cabeça e tem carteira roubada

access_time21/09/2018 15:35

Fato ocorreu por volta das 20h30, de quinta-feira (20), no Bairro Santa Isabel em Peixoto de Azevedo

Bolsonaro volta a defender abertura de comércio no país

Bolsonaro volta a defender abertura de comércio no país

access_time25/03/2020 07:16

O presidente Jair Bolsonaro voltou a defender a reabertura do comércio brasileiro na manhã desta qua

ONS diz que bandeira tarifária vermelha continuará em agosto

ONS diz que bandeira tarifária vermelha continuará em agosto

access_time27/07/2018 07:17

O diretor geral do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), Luís Eduardo Barata, informou hoje (

GERAL

Boletim diz que 15 cidades devem adotar "lockdown"

access_time25/06/2020 08:00

A Secretaria Estadual de Saúde (SES-MT) divulgou na última quarta-feira (24), um boletim com o panorama da situação epidemiológica da Covid-19 em Mato Grosso. O documento mostra que 15 municípios do Estado configuram na classificação com risco “muito alto” para o novo coronavírus. Estão nessa lista, que dentre outras coisas devem adotar a quarentena obrigatória, as cidades de Cuiabá, Várzea Grande, Rondonópolis, Sorriso, Primavera do Leste, Lucas do Rio Verde, Nova Mutum, Tangará da Serra, Campo Verde, Cáceres, Matupá, Querência, Pedra Petra, Nossa Senhora do Livramento e Porto Esperidião. Ainda de acordo com informações contidas no boletim, outros 64 municípios estão na classificação de risco “alto” para a disseminação do coronavírus. As cidades são: Pontes e Lacerda, Sinop, Barra do Garças, Marcelândia, Campo Novo do Parecis, Guarantã do Norte, Poconé, Vila Rica, Vila Bela da Santíssima Trindade, Peixoto de Azevedo, Jaciara, Água Boa, Diamantino, Nova Ubiratã, Poxoréu, Canarana, Mirassol do Oeste, Feliz Natal , Sapezal, Santo Antônio do Leste, Juína, Porto do Gaúchos, Santa Carmem, Juscimeira, Pontal do Araguaia, Ribeirão Cascalheira, Vera, Alto Araguaia, Chapada dos Guimarães, Jangada, Gaúcha do Norte, Santo Antônio do Leverger, Nova Santa Helena, Barra do Bugres, Ipiranga do Norte, Juara, Campinápolis, Colíder, Lambari D’ Oeste, Terra Nova do Norte, Claudia, General Carneiro, Juruena, São José dos Quatro Marcos, Curvelândia, Santa Cruz do Xingu, São José do Rio Claro, Tabaporã, Alto Garças, Itiquira, São Felix do Araguaia, Arenápolis, Nova Maringá, Novo Santo Antônio, São José do Povo, Alto Paraguai, Dom Aquino, Rio Branco, Serra Nova Dourada, União do Sul, Brasnorte, Porto Alegre do Norte, Nortelândia e Nova Brasilândia. Todos os municípios listados acima devem adotar medidas restritivas de circulação local de pessoas, para conter o avanço da doença. O Governo de Estado publicou novo decreto restringido ainda mais as medidas que devem ser adotadas pelos municípios, com base na classificação de risco para prevenir a disseminação da Covid-19. O Decreto n° 532 foi publicado na edição extra do Diário Oficial deste quarta-feira (24.06). O documento altera as tabelas de classificação de risco, criando uma terceira tabela. Para saber mais clique AQUI. O sistema de classificação que indica o nível de risco é definido por cores: muito alto (vermelho), alto (laranja), moderado (amarelo) e baixo (verde). De acordo com a definição dos riscos é necessária a adoção de medidas restritivas para o controle da propagação do coronavírus nas cidades. Os indicadores de classificação de risco são atualizados duas vezes por semana e os resultados são divulgados nos Boletins informativos da SES-MT. Veja a tabela de classificação de risco por município:

Nova Mutum determina toque de recolher por 15 dias

access_time16/06/2020 10:04

Nova Mutum, terá toque de recolher a partir da próxima sexta-feira (19). A medida vale por 15 dias e proíbe a circulação de pessoas e funcionamento de qualquer tipo de atividade das 21h às 5h, com exceção das funções consideradas essenciais como farmácias, indústrias de alimentos e segurança. A decisão foi tomada após reunião do Comitê Municipal de Enfrentamento ao Novo Coronavírus que aconteceu nessa segunda-feira (15). O objetivo, segundo a prefeitura, é frear a contaminação pelo novo coronavírus no município. Nova Mutum já teve quatro mortes pela Covid-19 e mais de 130 casos confirmados da doença. A prefeitura informou que o novo decreto será publicado nesta terça-feira (16) com todas as decisões adotadas pelo Comitê Municipal de Enfrentamento ao novo coronavírus. Durante o anuncio das medidas o prefeito de Nova Mutum, Adriano Xavier Pivetta, disse estar indignado com a falta de compromisso com parte da população que estariam desrespeitando as determinações impostas sobre o distanciamento social. "Nosso comércio segue funcionando 100%, entendemos que cada empresário está fazendo sua parte, o comércio tem se comportado bem, porém, precisamos evitar e acabar com as aglomerações”, explicou durante transmissão pelas redes sociais. O Comandante Regional do 14° CR da Policia Militar, Coronel Claudio Fernando, afirmou que o plano do toque de recolher terá uma atuação com maior rigidez na fiscalização por parte do município em conjunto com as forças de segurança.

Comerciante morto em acidente envolvendo ônibus é sepultado em Matupá

access_time14/06/2020 14:04

Maurício Santos Mena, de 27 anos, foi sepultado, esta manhã, em Matupá. Ele atuava como comerciante, e com a família administrava um restaurante no município. Era casado, tinha um filho, e era de família pioneira. Seu pai, Rogério Mena, é assessor de imprensa da prefeitura de Peixoto de Azevedo. O jovem pilotava uma Honda Biz branca e se envolveu em um acidente com um ônibus (marca e modelo não informados) de turismo, azul, ontem à tarde, na avenida Hermínio Ometto. Maurício chegou a ser socorrido, mas não resistiu aos ferimentos e morreu no hospital. A versão investigada inicialmente é que o ônibus seguia na avenida e o motociclista estava próximo da rotatória quando houve a colisão. Com o impacto, o ônibus ficou com a parte frontal direita danificada e o para-brisa também teve danos. Já a motocicleta ficou totalmente destruída. As circunstâncias do acidente ainda devem ser investigadas.

Posso dirigir com a CNH vencida durante a quarentena?

access_time30/05/2020 08:34

Em tempos de quarentena, mesmo com algumas variações conforme a lei de cada estado, o Conselho Nacional de Trânsito permite que todos os motoristas com Carteira Nacional de Habilitação (CNH) vencida desde o dia 19 de fevereiro possam conduzir veículos pelas vias públicas do país. No caso da renovação o novo prazo de 30 dias será contado somente a partir da abertura do atendimento ao público do DETRAN. No caso de São Paulo, mesmo com o afrouxamento das regras de quarentena previsto para a próxima semana, não há data de retorno do atendimento presencial do órgão. Vale lembrar que o processo de emissão da CNH para novos motoristas e a emissão da CNH definitiva (para os que já tem Permissão de Dirigir) estão suspensos e os prazos foram estendidos por seis meses. Da mesma forma processos de defesa de autuação, recursos de multa, defesa processual, recursos de suspensão de direito de dirigir e cassação do documento de habilitação estão interrompidos. Com os decretos de quarentena ou até mesmo de lockdown que vigoram em algumas unidades da federação, processos de transferência, habilitação, pontuação e renovação da CNH estão suspensos. Isso ocorre porque todo o registro desses processos é feito pelo Sistema Nacional de Trânsito que está suspenso por tempo indeterminado. CNH vencida: novo prazo de 30 dias após a expiração só começa a valer quando postos reabrirem

Piracema será de outubro a janeiro em Mato Grosso

access_time28/05/2020 18:43

O Conselho Estadual de Pesca (Cepesca) definiu que o período de Defeso da Piracema em Mato Grosso será entre 1º de outubro de 2020 e 31 de janeiro de 2021. O Pleno decidiu, por unanimidade, manter a mesma data dos últimos anos nos rios das Bacias Hidrográficas do Paraguai, Amazonas e Tocantins-Araguaia com base nos estudos de Monitoramento Reprodutivo dos Peixes de Interesse Pesqueiro no estado. A reunião online, conforme as regras de distanciamento social, foi conduzida pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema-MT) e transmitida ao vivo pelo canal do YouTube da Sema Mato Grosso, nesta quinta-feira (28.05). A decisão respeitou o contraditório e o debate em plenária entre os conselheiros, que são representantes de diversos órgãos e instituições governamentais, empresariais e sociais. Os dados técnicos sobre o monitoramento Reprodutivo dos Peixes de Interesse Pesqueiro no estado foram apresentados pela doutora em Ciências Biológicas e professora da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) , Lúcia Aparecida de Fatima Mateus. Mato Grosso é o único estado a utilizar dados científicos para definir o período de Defeso da Piracema. Os dados começaram a ser recolhidos em 2015, por meio de relatórios técnicos e banco de dados de diversas instituições e atividades de monitoramento. A cada ano estas informações são aprimoradas, abrangendo mais locais e aumentando o número de indivíduos analisados, foram mais de 10 mil peixes neste estudo. Pela primeira vez, foram observadas a distribuição e abundância temporal de ovas e larvas de peixes na Bacia Alto Paraguai. Cada bacia é analisada separadamente por meses do ano e depois integradas para um melhor resultado. Foi realizada também uma análise detalhada sobre o período reprodutivo das espécies pacu, pintado e cachara pela relevância para a pesca e a importância econômica destes peixe. O estudo traz ainda traz uma separação entre peixes de escama, que desovam mais cedo e peixe de couro, nessa categoria entra especialmente o bagre, que desovam mais tarde, conforme foi observado durante monitoramento.   “Nosso banco de dados possui informações de 16 anos, uma escala temporal interessante para fazer esse tipo de estudo. Pelas análises podemos dizer, com confiança, que outubro, novembro e dezembro são os meses mais importantes para atividade reprodutiva considerando as três bacias do estado”, concluiu a professora Lucia durante sua apresentação. O secretario Executivo de Meio Ambiente, Alex Marega, que presidiu a reunião, destacou a relevância de estudos técnicos feitos por pesquisadores. “A ciência pode nos ajudar a tomar decisões mais confiáveis. São 16 anos de dados coletados e monitoramento do comportamento reprodutivo dos peixes. Este estudo vem sendo aprimorado a cada ano e vai nos dando cada vez mais certeza de estarmos tomando a decisão correta”. Marega também citou a importância da publicidade, transparência e amplo debate da reunião. Outras Propostas A reunião abriu espaço também para a exposição das ações realizadas pela Associação do Segmento da Pesca do Estado de Mato Grosso (ASP/MT), apresentada pela sua presidente, Nilma Silva, que defendeu uma redução no período da Piracema 2020/2021 na qual a pesca ficaria proibida entre os meses de dezembro e fevereiro. As duas propostas de período foram colocadas em votação durante a 1ª reunião extraordinária do Cepesca deste ano. A da Secretaria de Meio Ambiente, que preside o conselho e se baseou nos dados de monitoramento reprodutivo para defender a manutenção do período entre outubro e janeiro foi a escolhida pelo conselho pleno. O conselho também deliberou pela redação de uma moção de apoio ao setor de pesca durante a pandemia da Covid-19, que será encaminhada ao governo do Estado de Mato Grosso. A reunião completa pode ser visualizada no link: https://www.youtube.com/watch?v=LaPYNgZm-4w&feature=youtu.be Cepesca Atualmente, compõem o Conselho, que atua como órgão colegiado deliberativo e consultivo auxiliando o Poder Executivo na propositura de políticas públicas para a pesca, dezoito entidades entre representantes das Secretarias de Meio Ambiente, Desevolvimento Econômico, Cultura, Ministério Público Estadual, UFMT, Unemat, colônias de pescadores, entidades do terceiro setor, Ibama e representantes do setor empresarial do turismo da pesca. Proteção A Sema alerta que nas unidades de conservação da categoria de proteção integral, a atividade da pesca é proibida durante todo o ano. Ao todo, Mato Grosso abriga 68 áreas protegidos sob a jurisdição da União, do Estado ou do Município. Portanto, quem irá pescar no rio Paraguai ou Juruena, por exemplo, deve estar atento aos trechos dos rios que cortam as áreas de Unidades de Conservação. No caso do Juruena, há restrição no trecho que corta o Parque Nacional do Juruena e o Parque Estadual Igarapés do Juruena. Já para o rio Paraguai, o pescador deve estar atento às áreas do Parque Nacional do Pantanal Mato-grossense e do Parque Estadual do Guirá. E se a intenção for pescar no rio das Mortes, fica proibida a prática da pesca no trecho do curso d'água que cruza o Refúgio da Vida Silvestre Quelônios do Araguaia. As unidades de conservação da categoria proteção integral visam a proteção da biodiversidade e por isso as regras são mais restritivas. Nesse grupo é permitido apenas o uso indireto dos recursos naturais; ou seja, aquele que não envolve consumo, coleta ou danos aos recursos naturais. Entre os usos indiretos dos recursos naturais podemos ter a recreação em contato com a natureza, turismo ecológico, pesquisa científica, educação e interpretação ambiental, entre outras. Denúncias O cidadão pode denunciar a pesca depredatória e outros crimes ambientais à Ouvidoria Setorial da Sema: 0800-65-3838 ou via WhatsApp no (65) 99281- 4144. Outros telefones para informações e denúncias: (65) 3613-7394 (Setor Pesca), nas unidades regionais da Sema ou aplicativo MT Cidadão.

Oito municípios de MT estão entre os 50 do país que mais desmataram em 2019

access_time27/05/2020 18:50

Relatório Anual de Desmatamento, organizado pelo projeto MapBiomas e divulgado nessa terça-feira (26) mostra que oito cidades de Mato Grosso estão entre os 50 municípios que mais desmataram em 2019. Colniza, a 1.065 km de Cuiabá, foi o 10º município brasileiro que mais desmatou, com 17.709 hectares. Conforme o relatório, Aripuanã vem logo em seguida, em 11º lugar, com uma área desmatada de 15.596 hectares. Nova Bandeirantes figura em 17º lugar, com 9.985 hectares desmatados. Em 34º lugar dos municípios que mais desmataram em 2019, está Apiacás, com 7.124 hectares. Juara está em 40º lugar na lista, com área de 5.779 hectares desmatados. Em 47º, está Marcelândia, com 5.227 hectares desmatados. Cocalinho está em 48º na lista, com área desmatada de 5.091 hectares. Por fim, em 50º lugar, está Paranatinga, com 4.666 hectares desmatados. Colniza Aripuanã Nova Bandeirantes Apiacás Juara Marcelândia Cocalinho Paranatinga O MapBiomas é uma iniciativa que envolve universidades, ONGs e empresas de tecnologia para mapear a cobertura e uso do solo do Brasil e monitorar as mudanças do território. Estados Ainda segundo o relatório, os estados que apresentaram o maior número de eventos de desmatamento são: Pará (18,5 mil), Acre (9,3 mil), Amazonas (7 mil), Rondônia (5,3 mil) e Mato Grosso (4,7 mil). Já em termos de área desmatada os maiores são: Pará (299 mil ha), Mato Grosso (202 mil ha) e Amazonas (126 mil ha). Juntos estes três estados responderam por mais da metade da área de desmatamento detectado no país em 2019. Do total de áreas desmatadas, 11,1% dos alertas (12% em área) sobrepõem-se integralmente ou em partes com Unidades de Conservação (UC); 5,9% (3,6% em área) com Terras Indígenas (TI); e 65% (77% em área) com imóveis rurais inseridos no Cadastro Ambiental Rural. O desmatamento no Brasil só pode ser realizado legalmente mediante uma prévia Autorização de Supressão da Vegetação (ASV) que pode ser emitida pelos governos federal e estadual e, eventualmente, pelo município. As autorizações são vinculadas ao CAR das propriedades desde o ano 2018, quando também se tornou regra o registro no SINAFLOR de todas as ASV emitidas pelos estados. Apenas os estados do Mato Grosso e do Pará não possuem dados integrados com o SINAFLOR. O acesso à base de dados das autorizações foi realizado pelo geoservice do SINAFLOR/IBAMA e os dados do Mato Grosso e do Pará foram obtidos nos portais das respectivas secretarias de Meio Ambiente.

Trump ameaça mudar local de Convenção Republicana em razão de restrições do coronavírus

access_time25/05/2020 18:49

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, alertou nesta segunda-feira que pode mudar de lugar a Convenção Nacional Republicana marcada para acontecer na Carolina do Norte em agosto, se o evento enfrentar restrições estaduais de distanciamento social devido ao coronavírus. A pandemia do Covid-19 tem forçado Trump e o provável candidato democrata, Joe Biden, a interromperem comícios de campanha. Alguns têm levantado preocupações de que as grandes convenções formais de nomeação, geralmente lotadas de participantes, poderiam criar problemas de segurança sanitária. No Twitter, Trump disse que se o governador democrata da Carolina do Norte, Roy Cooper, não responder imediatamente “se o espaço poderá ou não ser totalmente ocupado”, então o partido irá encontrar “juntamente com todos os empregos e desenvolvimento econômico que ele traz”, outro local para a Convenção Nacional Republicana. As convenções incluem discursos em TV no horário nobre que servem para iniciar a corrida final em direção às eleições presidenciais de novembro. O evento republicano está marcado para começar em 24 de agosto, em Charlotte. Em um comunicado nesta segunda-feira, o gabinete de Cooper afirmou que “as autoridades estaduais de saúde estão trabalhando com a Convenção Nacional Republicana e irá revisar seus planos, enquanto tomam decisões sobre como realizar a convenção em Charlotte. A Carolina do Norte depende de dados e da ciência para proteger a saúde pública do nosso Estado e a segurança.” Mais tarde, Trump tuitou que tinha “zero interesse” em mudar a convenção para o seu resort de golfe, “Trump National Doral”, próximo de Miami. “O salão de baile não é grande o suficiente”, escreveu ele.

Governo prorroga prazo de inscrição do Enem até dia 27

access_time22/05/2020 13:32

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, anunciou a prorrogação do prazo de inscrição para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2020 para a próxima quarta-feira (27). Pelo calendário inicial, as data limite para os estudantes se inscreverem era hoje (22). Decidimos prorrogar o prazo das inscrições do Enem até 23h59 de quarta-feira, 27 de maio. Os boletos da taxa da prova poderão ser pagos até 28/05. Os candidatos devem ficar atentos à confirmação da inscrição na Página do Participante, do @inep_oficial. — Abraham Weintraub (@AbrahamWeint) May 22, 2020 As inscrições começaram no último dia 11 e podem ser feitas por meio da página do Enem na internet. De acordo com Weintraub, mais de cinco milhões de estudantes já se inscreveram para a prova até a manhã desta sexta-feira (22). “Como já anunciei, os candidatos inscritos serão ouvidos, em junho, pela Página do Participante, do Inep [Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira]. Eles, os interessados, vão escolher quando fazer a prova”, explicou o ministro, em outra publicação no Twitter. Na quarta-feira (20), o Ministério da Educação anunciou o adiamento do Enem por algo entre 30 a 60 dias, em razão dos impactos ocasionados na sociedade pela pandemia de covid-19. As provas impressas estavam previstas para serem aplicadas em 1º e 8 de novembro e as provas do Enem digital para os dias 22 e 29 de novembro. A estrutura dos dois exames será a mesma. Serão aplicadas quatro provas objetivas, constituídas por 45 questões cada, e uma redação em língua portuguesa. A redação será manuscrita, em papel, nas duas modalidades. Durante o processo de inscrição, o participante deverá selecionar uma opção de língua estrangeira - inglês ou espanhol. Neste ano, será obrigatória a inclusão de uma foto atual do participante no sistema de inscrição, que deverá ser utilizada para procedimento de identificação no momento da prova. O valor da taxa de inscrição é de R$ 85 e deverá ser pago até 28 de maio. Quem tem direito à gratuidade da taxa de inscrição, por se enquadrar nos perfis previstos nos editais do Enem, terá a isenção automática, a partir da análise dos dados declarados no sistema. A regra se aplica, inclusive, aos isentos em 2019 que faltaram aos dois dias de prova e não tenham justificado ausência. De acordo com o Inep, a medida beneficia quem teve dificuldades em realizar a solicitação de isenção devido às restrições impostas pelo isolamento social decretado em razão da pandemia de covid-19.

Anvisa alerta sobre aumento de intoxicação por produtos de limpeza

access_time18/05/2020 09:39

A fim de reduzir os riscos à saúde causados pelo aumento da exposição tóxica por produtos de limpeza no país, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) divulgou a Nota Técnica (NT) 11/2020, que alerta a população sobre o crescimento dos casos de intoxicação. De acordo com a Anvisa, embora não haja informações que demonstrem o vínculo definitivo entre a exposição e os esforços de higienização e desinfecção para evitar a disseminação da covid-19, parece haver uma associação temporal com o aumento do uso dos produtos. O documento orienta também sobre o uso e o armazenamento adequados dos chamados saneantes domissanitários, ou seja, os saneantes de uso domiciliar que contêm substâncias ou preparações destinadas à higienização e à desinfecção. A nota foi elaborada com base nos dados dos Centros de Informação e Assistência Toxicológica (CIATox). “Para se ter uma ideia do crescimento dos casos de intoxicação, de janeiro a abril deste ano os CIATox receberam 1.540 registros de intoxicação devido a produtos de limpeza envolvendo adultos, um aumento equivalente a 23,3%, comparado ao mesmo período de 2019, e de 33,68%, com relação a 2018”, informa a Anvisa.  Crianças No que se refere às crianças, foram registrados 1.940 casos, um aumento de 6,01% e de 2,7%, em relação a 2019 e 2018, respectivamente. De acordo com a Agência, os números mostram que os acidentes domésticos envolvendo exposição tóxica a substâncias químicas são mais frequentes com o público infantil e, portanto, há necessidade de dispensar mais cuidados às crianças. Orientações básicas 1- Mantenha os produtos de limpeza fora do alcance de crianças e animais. Esses produtos podem atrair a atenção principalmente de crianças pequenas, entre 1 e 5 anos de idade. 2- Evite o armazenamento desses produtos em recipientes diferentes e não etiquetados.  3- Supervisione as crianças, não permitindo que elas acessem os ambientes onde esses produtos são guardados. 4- Não deixe detergentes e produtos de limpeza em geral embaixo da pia ou no chão dos banheiros. 5- Leia e siga as instruções descritas no rótulo de cada produto. 6- Evite a mistura de produtos químicos. 7- Garanta a ventilação quando for manusear um desses produtos destinados à limpeza, higienização e desinfecção. 8- Inutilize as embalagens vazias. Isso porque elas sempre ficam com resíduos, ou seja, restos dos produtos. Jogue fora as embalagens vazias, preferencialmente valendo-se do sistema de coleta seletiva, de modo a separá-las do lixo orgânico. 9- Em caso de emergências toxicológicas, não provoque vômito. Tenha em mãos o número do Centro de Informação e Assistência Toxicológica, o CIATox: 0800-722-6001. *Com informações da Anvisa

TikTok violou regras de privacidade de crianças, dizem entidades

access_time14/05/2020 15:17

Um grupo de organizações de defesa da privacidade está apresentando uma queixa na Federal Trade Commission (FTC) [agência independente de defesa do consumidor nos EUA] nesta quinta-feira (14), alegando que o popular aplicativo TikTok violou um decreto de consentimento e uma lei que protege a privacidade das crianças online. O Center for Digital Democracy, o Campaign for a Commercial-Free Childhood e outros grupos disseram que o TikTok não conseguiu tirar do ar todos os vídeos feitos por crianças menores de 13 anos, como concordou em fazer sob um acordo de consentimento com a FTC anunciado em fevereiro de 2019. A porta-voz da TikTok, Hilary McQuaide, disse em resposta à nova reclamação que "levamos a privacidade a sério e estamos comprometidos em ajudar a garantir que o TikTok continue sendo uma comunidade segura e divertida para nossos usuários". Como parte do acordo de consentimento, a FTC havia dito que o TikTok, então conhecido como Musical.ly, sabia que crianças pequenas usavam o aplicativo e eles não possuíam o consentimento dos pais para coletar seus nomes, endereços de e-mail e outras informações pessoais. A empresa pagou uma multa de US$ 5,7 milhões. Mas, segundo os defensores da privacidade, o TikTok falhou em excluir informações pessoais sobre usuários com 12 anos ou menos, conforme prometido como parte do acordo de consentimento. "Descobrimos que o TikTok atualmente tem muitos usuários com menos de 13 anos de idade e muitos deles ainda têm vídeos de si que foram enviados em 2016, anos antes do decreto de consentimento", disseram na denúncia. A decisão do TikTok de criar contas para crianças menores de 13 anos com menos funcionalidade não cumpriu os requisitos da Lei de Proteção à Privacidade Online das Crianças, porque a empresa ainda coleta informações, que são compartilhadas com terceiros que as usam para publicidade. Além disso, as crianças podem facilmente evitar o uso da versão infantil do aplicativo não assinalando sua verdadeira idade, disseram os grupos. "O TikTok continua sendo um dos aplicativos mais populares do mundo, e é amplamente usado por crianças e adolescentes nos Estados Unidos, por isso é especialmente importante que a FTC investigue rápida e minuciosamente as práticas do TikTok e tome medidas efetivas de aplicação", disseram os grupos em sua queixa.